Menu
2019-06-28T13:53:02-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Deixa como está!

Maia diz que vai trabalhar contra destaques que possam desidratar a reforma da Previdência

Deputado se referia a demandas de diversas categorias para que o texto sofra alterações, como a dos militares e a da bancada da bala

28 de junho de 2019
13:53
Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Imagem: Michel Jesus / Câmara dos Deputados

Além de tentar reincluir Estados e municípios na reforma da Previdência, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai trabalhar também para que os membros da comissão que analisa a matéria não apresentem destaques (pedidos de modificações) que possam alterar o texto e "desidratar" a economia esperada com a medida.

"Vamos trabalhar para que a comissão mantenha o texto do relator e que a gente não tenha nenhum tipo de destaque que tire a economia", disse ele nesta sexta-feira, 28, em Belo Horizonte (MG).

"Estamos tendo uma pressão final ai de algumas categorias, mas o que eu estava conversando com o presidente do Tribunal de Justiça é que às vezes uma vitória de uma categoria hoje vai ser uma derrota amanhã", afirmou Maia.

"Se não reestruturarmos o sistema, são os próprios servidores que vão ficar sem capacidade de receber seus salários porque nenhum ente federado vai ter condição de pagar em dia", comentou.

Uma das categorias que tem pressionado por abrandamento das regras é a de policiais. Na quinta-feira, o coordenado da bancada do partido de Jair Bolsonaro na comissão, o deputado Alexandre Frota (PSL-RJ), disse que a legenda irá apresentar um destaque em favor dos profissionais da segurança pública.

A demanda parte também da bancada da bala da Câmara. A emenda que deve ser apresentada pelo PSL afrouxa a regra de transição, o pedágio e a regra permanente.

Articulação

Maia afirmou ainda que a busca de votos para se aprovar a reforma é uma articulação coletiva entre o Executivo e o Legislativo. "A participação do presidente (Jair Bolsonaro) é claro que é muito importante", disse.

Essa semana foi marcada por mais um atrito entre os Poderes que acabou respingando na tramitação da reforma, depois que supostas críticas do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao Congresso foram divulgadas.

Guedes trabalhou na sequência para baixar a temperatura e convidou Maia para um almoço, juntamente com o presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM-AP), na quinta-feira.

Maia confirmou o convite e disse que não compareceu porque já tinha uma palestra agenda em São Paulo há dois meses. "Se eu tivesse em Brasília, teria participado. O mais importante é aprovar a Previdência e sair desses embates transversais que não ajudam o Brasil", disse.

O deputado falou ainda que, sem a reforma da Previdência, Estados, como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, "não vão sair do buraco em que se encontram".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies