Menu
2019-04-05T14:22:39-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
"Consenso" no partido

Ignorando liderança do PSL, Major Vitor Hugo anuncia apoio da bancada à reforma da Previdência

Anúncio do líder do governo ocorre depois que o líder do PSL, delegado Waldir (GO), afirmou que não havia consenso pela proposta

26 de março de 2019
17:46 - atualizado às 14:22
Major Vitor Hugo
Major Vitor Hugo - Imagem: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

À revelia da liderança do PSL na Câmara dos Deputados, o major Vitor Hugo (GO), líder do governo na Câmara, atropelou a discussão interna e anunciou o apoio da bancada à proposta da Previdência encaminhada pela equipe econômica. O anúncio intempestivo ocorre após o líder do PSL, delegado Waldir (GO), afirmar que não havia consenso no partido pela proposta.

A reunião do PSL que culminou no anúncio do Major Vitor Hugo teve um pouco mais da metade da bancada presente e não teve total convergência em apoiar a proposta.

"A maioria absoluta aqui presente me autorizou a verbalizar que nós fechamos com a reforma, com a construção da nova Previdência", afirmou o líder do governo.

Dois dos principais atores do partido na Câmara não estavam presentes. O líder do PSL, Delegado Waldir, que na véspera anunciou que o partido não havia fechado questão com a reforma e que o partido aguardava o governo "mostrar a faca" para descascar o "abacaxi" da proposta, e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), que já havia criticado a falta de formalização do apoio.

A reunião foi realizada no apartamento da deputada Carla Zambelli (SP) e contou com 30 parlamentares. O major minimizou as ausências: "Sabemos que vai haver alterações, mas estamos convictos de que o PSL está fechado com a Previdência e também com o pacote anticrime do (ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio) Moro", disse.

Nos últimos dias, o PSL se dividiu em dois. Um grupo mais ligado ao governo Bolsonaro tem defendido publicamente adesão automática à reforma. Entre os líderes desse movimento está deputa Carla Zambelli e Bia Kicis. Do outro lado, os independentes ou parlamentares de origem partidária que veem a necessidade do governo abrir mais espaço ao PSL. Este último, liderado pelo delegado Waldir e o presidente da legenda, Luciano Bivar.

"Foi um movimento muito importante para nós aqui. Todos os deputados e deputadas presentes puderam expressar os seus posicionamentos e a gente tem certeza que a partir de agora o PSL vai fazer com que nossas angústias internas sejam resolvidas internamente e vamos externar um discurso único para fora, em prol da nova Previdência", afirmou.

No domingo, um grupo de parlamentares externaram no grupo de Whatsapp do PSL a insatisfação com o governo. Entre os mais cobrados estavam Joice Hasselmann e o Major Vitor Hugo. Entre os pontos de reclamação está a falta de interlocução do partido dentro do governo, ausência de uma estratégia de comunicação na Casa e "afago" por parte do presidente. Bolsonaro só recebeu a bancada uma vez desde que assumiu a Presidência.

Nesta terça-feira, líderes de 11 partidos assinaram um compromisso com a aprovação da reforma da Previdência, mas ressaltando que rejeitam dois pontos específicos do projeto do governo: a mudança no Benefício de Prestação Continuada e as alterações nas regras da aposentadoria rural.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

privatizações na agenda

Guedes diz que é preciso privatizar os Correios ‘antes que o ativo se deteriore’

Ministro classificou como importante a rede de entregas da estatal; ele justificou demora em desestatizações e reiterou que auxílio emergencial acaba no final do ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies