Menu
2019-05-18T15:05:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Vem mais chumbo por aí

Em postura de desafio ao governo, deputados preparam proposta alternativa para reforma da Previdência

Motivação é política, diz Marcelo Ramos, presidente da Comissão Especial que analisa a proposta do governo

18 de maio de 2019
12:53 - atualizado às 15:05
Marcelo Ramos, do PL-AM, presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência
"Este é um governo que desconsidera completamente o Parlamento", afirmou Marcelo Ramos, presidente da Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência. - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em mais um embate com o governo de Jair Bolsonaro, um grupo de deputados decidiu que o projeto de reforma da Previdência que sairá da Câmara terá a marca do Parlamento, e não a do Executivo. Segundo o presidente da Comissão Especial que analisa a reforma, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), a ideia é apresentar um substitutivo ao texto enviado pelo governo, de forma a garantir que o projeto tenha o DNA da Câmara, mas sem mudar os prazos de tramitação.

Segundo Ramos, a decisão foi tomada na quinta-feira, em reunião na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), da qual participaram líderes de partidos do grupo conhecido como Centrão. Estavam na reunião os deputados Arthur Lira (PP-AL), Wellington Roberto (PR-PB), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Marcos Pereira (PRB-SP). Também participou o deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

Ramos contou que a decisão de apresentar um substitutivo ao projeto enviado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, tem conotação basicamente política, levando em consideração a relação completamente desgastada entre o Legislativo e o Executivo. "Este é um governo que desconsidera completamente o Parlamento", afirmou.

Para o deputado, apresentar um projeto alternativo é a única chance de a reforma da Previdência ser aprovada. "Essa é uma reforma muito importante para o País, fundamental, e não podemos correr o risco de não ser aprovada porque o deputado antipatiza com o governo Bolsonaro", afirmou.

Além disso, segundo ele, o projeto enviado pelo governo tem muitos problemas. "É quase impossível emendar esse texto, às vezes você mexe em um ponto achando que está diminuindo a idade de aposentadoria e, quando vai ver, está aumentando", disse.

Não há ainda, disse Ramos, um texto definido para ser apresentado. Segundo ele, isso ainda será discutido a partir da próxima semana. "Mas há alguns projetos no Congresso que podem servir de base." Ele deixou claro, no entanto, que o substitutivo terá de ser apresentado pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), que é o relator do projeto na Comissão Especial da Previdência.

Ramos informou também que a ideia de um texto alternativo não foi apresentada ao ministro Paulo Guedes. "Mas, se nós aprovarmos um projeto que garanta a economia que ele está buscando, não estará bom?", disse.

Ramos afirmou que uma das premissas básicas a serem perseguidas no substitutivo seria exatamente não comprometer o cronograma da tramitação, ou seja, o projeto não precisaria voltar para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde já foi aprovado. Além disso, teria de garantir a potência fiscal do projeto - uma economia de pelo menos R$ 1 trilhão em dez anos - e, mais importante, "fazer os ajustes que garantam os 308 votos necessários pra aprovação".

Ideias

Um dos deputados que participaram na reunião na casa de Maia, que preferiu falar sob condição de anonimato, disse que várias ideias foram discutidas no encontro, entre elas até a volta de antigos projetos de reforma da Previdência. Mas, segundo ele, ficou claro que um novo projeto será apresentado, com a assinatura dos líderes dos partidos, embora a forma de se fazer isso não tenha ficado clara ainda.

O deputado Rodrigo Maia, porém, disse não concordar com a ideia de se modificar totalmente o projeto apresentado pelo governo. "Não concordo com essa tese. Vou trabalhar no diálogo com Paulo Guedes. Tem um ou outro deputado que vai apresentar um voto em separado, mas isso não tem nada comigo", afirmou.

O relator da reforma da Previdência na Comissão Especial, Samuel Moreira, por sua vez, escreveu em sua conta no Twitter que essa não é hora de buscar protagonismo, e sim de ter unidade em torno da reforma. "Quando há mudanças na proposta original, esse procedimento é natural. Não há nada de novo. Não podemos achar que tudo é luta política. Temos que unir todas as forças. Vamos blindar a reforma."

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Menos exportações e importações

Balança comercial tem superávit de US$ 4,713 bilhões em março

Com queda nas exportações e nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,713 bilhões em março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia

Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

Visão global de carteira

Em carta, gestora de fortunas TAG se mostra construtiva para ações e NTN-B, mas nem tanto para multimercados

Na sua carta do mês de março, TAG Investimentos demonstra visão positiva para a renda variável, sobretudo ações domésticas, bem como para NTN-B de longo prazo; mas se mostra muito mais cautelosa em relação a fundos multimercados e de crédito privado local

Resiliência

Fundos de ações resistem ao choque e captam R$ 7,65 bilhões entre 1º e 27 de março

Fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 19,6 bilhões entre os dias 1º e 27 de março, período que compreende o agravamento da tensão dos mercados em meio à pandemia do coronavírus

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

emergência

Bolsonaro diz que sanciona nesta quarta-feira auxílio a informais

Valores serão pagos durante três meses, podendo ser prorrogados enquanto durar a calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements