Menu
2019-04-23T13:59:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A cabeça dos políticos mudou?

Consultoria Eurasia vê consenso em Brasília para aprovação de alguma reforma da Previdência

Diretor Christopher Garman destacou que a reforma da Previdência não é popular, talvez tenha ficado “menos impopular” nos últimos anos

23 de abril de 2019
13:59
Congresso Nacional
Congresso Nacional - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O diretor da consultoria norte-americana de risco político Eurasia, Christopher Garman, avalia que "dois ou três anos de debates sobre a reforma da Previdência fizeram diferença" e hoje parece haver consenso em Brasília de que "alguma reforma" é necessária.

"Parece que o ambiente está mais favorável para a aprovação", disse ele em evento do Itaú Unibanco na capital paulista.

Garman destacou que a reforma da Previdência não é popular, talvez tenha ficado "menos impopular" que no passado após os debates nos últimos anos.

A Eurasia prevê que o texto possa sofrer desidratação e a economia fiscal se reduzir a algo entre R$ 400 bilhões e R$ 500 bilhões em 10 anos.

No mesmo painel, Rodrigo Garcia, vice-governador e secretário de governo do Estado de São Paulo, declarou estar otimista com a possibilidade de aprovação hoje da admissibilidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

Garcia ressaltou que há mais consciência na sociedade sobre a necessidade das medidas que alteram as aposentadorias.

Ele destacou que hoje é possível se conversar mais facilmente com deputados sobre o tema. "A sociedade sente necessidade da reforma para melhorar a vida."

Garcia destacou ainda que, apesar do consenso sobre a necessidade da reforma, não se sabe ainda qual reforma vai sair do Congresso.

Se a economia fiscal ficar muito menor que o texto original proposto por Jair Bolsonaro, de R$ 1,1 trilhão em 10 anos, vai ser necessária outra reforma em breve.

Governo convicto

Pelo lado do governo federal, o secretário da Secretaria Especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou que o governo segue convicto de que vai conseguir aprovar uma reforma da Previdência com economia fiscal em 10 anos de no mínimo R$ 1,1 trilhão, apesar de o mercado estar convencido de que o valor deve ser menor.

"Desidratação é a palavra do momento, mas acho que Congresso será sensato", disse, durante apresentação no evento do Itaú Unibanco.

Mattar defendeu a redução do tamanho do Estado e a privatização de várias estatais em sua apresentação. "Não existe estatal eficiente, se é eficiente não precisa de monopólio para sobreviver. O governo tem que cuidar da segurança, das relações exteriores e da defesa e precisa sair dos negócios", comentou.

O Brasil tem dívida pública de R$ 3,8 trilhões, ressaltou o secretário. "Esse é o legado da social-democracia para o Brasil." Mattar reforçou que esse número precisa ser reduzido e que a meta com as privatizações este ano é arrecadar no mínimo US$ 20 bilhões. Para reduzir esta dívida, uma das soluções imediatas é vender ativos, afirmou ele.

O secretário citou que o país tem 134 estatais e 743,322 mil imóveis, números que precisam ser reduzidos. "O patrimônio da União é uma monstruosidade."

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies