Menu
2019-10-02T11:22:42-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Batata está assando...

Para Ray Dalio, Estados Unidos podem ir além de limitar fluxos de capital para a China

O fundador do maior fundo de investimentos do mundo afirmou que o próximo passo significativo são as eleições de 2020 nos Estados Unidos e que elas vão determinar quem são os jogadores, de fato. Até lá, as ações e os acordos devem parecer mais “um teatro para a audiência” do que “acordos reais”

2 de outubro de 2019
11:22
ray dalio
'Quem vive de tentar prever o futuro com bola de cristal, está fadado a comer caco de vidro'. Com esse pensamento que pessoas com a mente milionária fazem fortuna... - Imagem: YouTube

Depois de o governo de Donald Trump anunciar que está considerando táticas mais radicais sobre Pequim, o bilionário e fundador do maior fundo de investimentos do mundo, Ray Dalio, disse que "a ideia de limitar investimentos americanos na China pode levar a movimentos maiores".

Em uma publicação no LinkedIn, Dalio deu a entender que os Estados Unidos podem ir muito além de cortar fluxos de capital para a China e de uma possível retirada de empresas chinesas da bolsa de valores norte-americana. Na última semana, o governo de Trump ventilou essa possibilidade.

O bilionário disse ainda que o crescimento do poder da China em desafiar os Estados Unidos vai pode gerar mais conflitos entre as duas nações sobre os mais diferentes assuntos. Dalio destacou que a história mostra que esse tipo de situação tem como consequência guerras de capital, comerciais, tecnológicas, além de geográficas.

O fundador do maior fundo de investimentos do mundo afirmou que o próximo passo significativo são as eleições de 2020 nos Estados Unidos e que elas vão determinar quem são os jogadores, de fato. Até lá, as ações e os acordos devem parecer mais "um teatro para a audiência" do que "acordos reais". Apenas depois da eleição do novo presidente é que o quadro real deve emergir.

"O tempo está a favor da China, já que ela está se desenvolvendo e melhorando a passos mais rápidos do que os Estados Unidos. A grande pergunta que fica é se o mundo vai: evoluir de forma pacífica para duas esferas diferentes em termos de influência, com a China sendo a força dominante no Leste e com os Estados Unidos sendo a força dominante no Oeste. Ou se ele vai evoluir para guerras cada vez mais duras e de vários tipos", destacou o bilionário.

Além de tratar sobre as tensões comerciais entre Estados Unidos e China, Dalio voltou a falar que as desigualdades sociais e de renda estão levando a um populismo tanto de direita quanto de esquerda.

Diante desse cenário, o gestor pontua que ir onde o crescimento está e ter uma posição diversificada é o mais inteligente a se fazer. Os mercados, diz Dalio, estão sempre antecipando coisas boas e ruins. Se você esperar as coisas boas se cristalizarem, você vai pagar um preço mais alto. Melhor, então, se adiantar.

Capacidade limitada dos BCs

Ele também reafirmou que a habilidade limitada dos bancos centrais em estimular a economia poderá ter algumas consequências, como o aumento das despesas fiscais e maiores déficits que deverão ser financiados pelo aumento substancial de impostos sobre os ricos e sobre as empresas.

Outro ponto ressaltado por Dalio é a questão da impressão de dinheiro feita pelos bancos centrais para monetizar dívida e que está jogando e deve continuar a jogar o valor do dinheiro que conhecemos para zero.

A ideia é simples se tivermos em mente que a dívida de um é o ativo de outro. O que está para acontecer é que para salvar os devedores, os BCs terão de sacrificar os credores.

No mês passado, Dalio já havia comentado que tanto o Banco Central norte-americano (FED), quanto o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco do Japão terão que aprender a lidar com os novos instrumentos de política monetária.

"Tais bancos terão que enfrentar o fato de que quando a próxima recessão vier não haverá poder suficiente para reverter esse quadro da mesma forma que existia antes."

Além disso, o bilionário tinha dito que esperava que o FED faria cortes na taxa de juros de forma lenta, como ocorreu. Segundo ele, a razão para o corte está ligada a uma confluência de fatores.

Entre eles, há a falta de eficiência das políticas monetárias dos bancos centrais, o aumento do "buraco" existente entre ricos e pobres, a aproximação das eleições norte-americanas e as difíceis relações comerciais existentes entre Estados Unidos e China.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies