Menu
2019-04-02T12:29:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Adeus, estatais

Dinheiro na mão! Privatizações podem render R$ 500 bilhões aos cofres do governo, diz Bradesco

Do total de privatizações esperadas pelo Bradesco, o governo pode arrecadar até R$ 221 bilhões nos próximos dois anos. Isso caso a reforma da Previdência seja aprovada, é claro

2 de abril de 2019
12:29
Refinaria Abreu e Lima da Petrobras
Participações da Caixa e do BNDES na Petrobras podem render R$ 60 bilhões, segundo o Bradesco BBI - Imagem: Divulgação

R$ 500 bilhões. Esse é o volume de recursos que pode entrar nos cofres do governo com as privatizações e vendas de participações em estatais. A estimativa é do Bradesco BBI, unidade do banco que atende o segmento de atacado.

A análise foi feita pela equipe do Bradesco com base nas projeções feitas por Salim Mattar, secretário de Privatizações do governo Bolsonaro. O valor considera as estatais que efetivamente têm condições de serem negociadas, por isso é menor que os R$ 800 bilhões em negócios potenciais esperados pelo governo.

Do total de privatizações esperadas pelo Bradesco, o governo pode arrecadar até R$ 221 bilhões nos próximos dois anos. Os números foram apresentados por Marcelo Noronha, vice-presidente do banco, em uma entrevista coletiva que aconteceu durante um evento promovido pelo BBI para investidores brasileiros e estrangeiros em São Paulo.

O banco também mapeou a forma como essas empresas podem passar para as mãos da iniciativa privada. Do total de privatizações esperadas para os próximos dois anos, R$ 57 bilhões devem acontecer via ofertas públicas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês).

Outros R$ 101 bilhões virão com a venda de ações de empresas já listadas na bolsa (follow ons). Só a venda das participações da Caixa Econômica Federal e do BNDES na Petrobras podem render R$ 60 bilhões, segundo os cálculos do banco.

Os demais R$ 62 bilhões devem vir com a venda direta para investidores estratégicos. "São estatais que prestam serviços para o governo e não teriam demanda no mercado de capitais", afirmou Noronha.

O efetivo cumprimento das projeções para as privatizações depende, é claro, da aprovação da reforma da Previdência. No cenário-base do Bradesco, as mudanças nas regras para a aposentadoria devem ser aprovadas pela Câmara até julho deste ano, co uma economia de até R$ 800 bilhões nos próximos dez anos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies