Menu
2019-06-11T11:32:43-03:00
uma nova solução?

Caiado defende 3ª via para participação de Estados e municípios na reforma

Proposta do governador de Goiás é de que o texto aprovado no Congresso autorize os governadores e prefeitos a aplicarem a reforma para as Previdências dos servidores públicos por decreto

11 de junho de 2019
11:28 - atualizado às 11:32
Jair Bolsonaro DEM
Presidente da República, Jair Bolsonaro, com Onyx Lorenzoni, Ministro-Chefe da Casa Civil, Ronaldo Caiado, Governador do Estado de Goiás, e ACM Neto, prefeito de Salvador e Presidente Nacional do DEM. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), defendeu durante o V Fórum de Governadores, que ocorre nesta terça-feira, 11, em Brasília, uma terceira via para a participação de Estados e municípios na reforma da Previdência. A proposta de Caiado é de que o texto aprovado no Congresso autorize os governadores e prefeitos a aplicarem a reforma para as Previdências dos servidores públicos por decreto.

Na semana passada, 25 governadores assinaram uma carta em que fazem um apelo ao Congresso para que Estados e municípios sejam mantidos na reforma da Previdência, em tramitação na Câmara. A carta deve ser apresentada oficialmente nesta terça, durante o Fórum.

Parte dos governadores defende que a reforma debatida no Congresso seja aplicada automaticamente ao funcionalismo público estadual e municipal.

Outros defendem que cada governador e prefeito apresente uma proposta às suas respectivas assembleias estaduais e câmaras de vereadores.

"O que eu proponho é que governadores e prefeitos possam assumir esse desgaste e tenham, entre 2019 e 2022, a prerrogativa de implantarem por decreto a reforma nos moldes a ser aprovado no Congresso. Isso tira o desgaste dos deputados federais e estaduais e acaba com essa queda de braço, o que pode inclusive facilitar a aprovação da reforma. Caberá aos governadores e prefeitos explicarem nos seus Estados e municípios o porquê da aplicação da reforma", disse o governador de Goiás.

'Meia reforma'

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou também nesta terça que, se os Estados e municípios forem retirados da proposta de reforma da Previdência, ela será uma "meia reforma". Ele destacou que está empenhado pessoalmente em buscar os votos da bancada gaúcha."Uma meia reforma da Previdência injetará apenas meio ânimo nos investidores", disse ao chegar para o V Fórum de Governadores, em Brasília.

Leite afirmou que os governadores podem colaborar para se criar um ambiente político que sustente a aprovação da reforma. O imbróglio sobre a manutenção dos entes federativos existe porque alguns deputados temem que, ao votar favoravelmente à proposta com tal inclusão, possam se desgastar politicamente com suas bases eleitorais.

"Quero que todos Estados tenham sistema previdenciário saudável porque se não, teremos que voltar a pedir ajuda da União, e a União somos todos nós", disse ele.

Para o governador gaúcho, há oportunidade de convergência para a Previdência com a exclusão das mudanças do BPC e da aposentadoria rural.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

medida emergencial

‘Não dá para continuar muito’, diz Bolsonaro sobre prorrogação de auxílio emergencial

Guedes, no entanto, confirmou hoje que o governo avalia a reformulação do auxílio emergencial de R$ 600

mais gastos?

Congresso discute ampliar decreto de calamidade até ano que vem

Prorrogação daria aval para o governo Jair Bolsonaro gastar mais no próximo ano com a justificativa de combater as consequências econômicas da doença

Tecnologia

Sinqia anuncia aquisição da Itaú Soluções Previdenciárias por R$ 82 milhões

Aquisição será feita com recursos obtidos em oferta de ações no ano passado, pela qual a Sinqia obteve R$ 362 milhões

reforma em discussão

Guedes chama de ‘manicômio’ sistema tributário e diz que não aumentará carga

Governo quer criar um novo imposto sobre transações digitais, nos mesmos moldes da antiga CPMF, para compensar a perda na arrecadação com a chamada desoneração da folha de pagamento

Nem tão feio

Ações do Iguatemi têm alta forte com balanço melhor que o esperado

Papéis disparam mais de 7% com resultado “não tão ruim”; Credit Suisse está otimistas com ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements