Menu
2019-06-21T19:04:41-03:00
Estadão Conteúdo
mobilização

Frente parlamentar contra privatização da Petrobras será lançada dia 29, diz FNP

Venda da Petrobras divide o governo Bolsonaro, com a equipe econômica favorável, mas de forma gradual, e parlamentares e militares mais cautelosos em se posicionar

27 de maio de 2019
12:31 - atualizado às 19:04
Plenário da Câmara dos Deputados
Plenário da Câmara dos Deputados - Imagem: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

A Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) informou que na próxima quarta-feira, 29, será lançada uma Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, para tentar evitar a privatização da companhia. A iniciativa acontece em uma semana tensa para o governo, que pretende aprovar medidas provisórias que mexem na administração federal.

A venda da Petrobras divide o governo Bolsonaro, com a equipe econômica favorável, mas de forma gradual, e parlamentares e militares mais cautelosos em se posicionar.

"O objetivo da criação dessa frente, que será composta 190 parlamentares de diversos partidos, é impedir privatização da Petrobras", disse a FNP em seu site nesta segunda-feira.

Segundo a FNP, a Frente Parlamentar vai apresentar dados que reforçam a importância da Petrobras para a sociedade.

Desde a posse do atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, a venda de ativos vem sendo acelerada, e com apoio da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), medidas para abrir o mercado de refino, gás natural e distribuição estão sendo tomadas, em parceria com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Nesta segunda-feira, 27, a estatal colocou à venda 27 campos maduros terrestres no Espírito Santo, incluindo as instalações compartilhadas de escoamento e tratamento de produção.

Este ano, a companhia já anunciou a venda de oito refinarias - que podem gerar US$ 20 bilhões - a rede de postos de abastecimento no Uruguai, a redução no capital da BR Distribuidora, e concluiu a venda da Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG), iniciada na gestão anterior, além de já ter vendido variados campos de petróleo e gás natural.

No mês passado, a estatal alienou 34 campos de produção terrestres no Rio Grande do Norte e metade dos direitos para exploração e produção no campo de Tartaruga Verde, na bacia de Campos.

A empresa pretende vender também a Liquigás, subsidiária do setor de gás, entre outros ativos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje. Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado: Início de 1900: 2º […]

Controle total

Petrobras: Cade aprova venda da participação da estatal em eólica para FIP Pirineus

Após a assinatura do acordo de R$ 32,97 milhões, o FIP Pirineus passa a deter o controle unitário do empreendimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies