🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
À prova de balas?

Paulo Guedes chega aquecido para audiência na CCJ

Ministro da Economia esteve com mais de 50 deputados ao longo da terça-feira discutindo a reforma da Previdência

Eduardo Campos
Eduardo Campos
3 de abril de 2019
5:17 - atualizado às 22:15
Paulo Guedes
O ex-ministro Paulo Paulo Guedes em audiência na CAE do Senado - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comparece hoje, às 14 horas, no plenário da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e já chega aquecido para um duro jogo político que vai durar muitas horas.

A missão de Guedes é convencer os deputados a não desidratar (muito) a proposta original e minguar a previsão de economia de R$ 1 trilhão da reforma da Previdência. O mercado financeiro vai acompanhar de perto o desempenho de Guedes e a receptividade às falas do ministro. Não estranhe se a bolsa e o dólar oscilarem de acordo com a temperatura da comissão.

Ao longo da terça-feira, Guedes esteve no "aquecimento" com mais de 50 deputados do PSL, DEM, PSD e PRB, dentro da estratégia anunciada na semana passada de atuar no corpo a corpo da articulação política. A CCJ conta com 66 deputados.

Já discutimos aqui os riscos dessa estratégia e é difícil fazer um balanço taxativo dessa primeira rodada. Nota de corretora que circulou ontem capturou um tom positivo, destacando a disposição do governo em dialogar.

Já um analista político me disse que o cenário será de variações constantes de humor. Rodrigo Maia e boa parte do Congresso não podem partir para o enfrentamento político sob a pena de ficarem identificados como “velha política” e voltarem a apanharam de membros de dentro e de fora do governo e das redes sociais.

Se a proposta sair intacta da CCJ, que avalia apenas se a matéria respeita os preceitos constitucionais, pode-se considerar uma primeira vitória. É necessária maioria simples dos votos.

Mas enquanto o líder do governo da Câmara, major Vitor Hugo, falou em manter o texto intacto, o próprio secretário da Previdência, Rogério Marinho, admitiu que as mudanças no BPC e no sistema rural podem cair.

Na Comissão Especial, onde se discute o mérito das alterações, a briga será ainda mais acirrada. Já há intensa movimentação de deputados e categorias, notadamente funcionários públicos, que vão atuar pesado para manter tudo como sempre foi, na melhor lógica de direitos adquiridos, com seus custos difusos e benefícios concentrados.

Tiros e pedradas

Paulo Guedes decretou guerra aos “amigos do Rei” e literalmente estará no campo de batalha onde todos os tipos de interesses, dos mais nobres aos mais subterrâneos, são representados.

Na semana passada, temendo levar tiros e pedradas da base e da oposição, Guedes cancelou sua participação na CCJ, abrindo o flanco para levar alguns golpes. As explicações foram dadas ao longo de cinco horas de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

No entanto, um acordo foi costurado e o ministro volta, hoje, como convidado e não como "intimado".

Certamente a desistência será rememorada, mas Guedes contará com um bom guarda-costas, pois o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já disse e reafirmou que acompanhará o ministro. O líder do PSL, delegado Waldir, prometeu arrumar um colete à prova de balas para ele.

Compartilhe

SENADO RACHADO

Votação da reforma tributária na CCJ do Senado é adiada e fica para 16 de março; entenda

23 de fevereiro de 2022 - 17:46

Nos bastidores, aliados veem movimentação de Pacheco em prol de reeleição no comando do Congresso em fevereiro do ano que vem

Nova data

Votação da reforma administrativa é adiada para próxima terça-feira na CCJ

20 de maio de 2021 - 11:55

Não foram aceitos dispositivos que permitiriam ao governo extinguir autarquias, como o Ibama e o INSS, por exemplo, por decreto

Movimentação na Câmara

Reforma administrativa vai hoje à CCJ, afirma Lira

9 de fevereiro de 2021 - 9:03

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) prevê a reestruturação do chamado RH do Estado

mudança no calendário

CCJ adia votação da PEC de fundos para março após relator retirar mudança no teto

19 de fevereiro de 2020 - 12:28

Votação da medida na comissão foi adiada para 4 de março; relator havia proposto que, por um ano, as despesas a serem desvinculadas de fundos obrigatórios não se sujeitariam à regra do teto

na pauta

CCJ do Senado aprova projeto da prisão após 2ª instância por 22 votos contra 1

10 de dezembro de 2019 - 13:46

Tema ganhou força no Congresso com a decisão do STF de exigir a tramitação completa de um processo judicial para que um condenado seja preso

Com o pé em 2020

PECs só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

5 de dezembro de 2019 - 9:47

Inicialmente, o governo esperava votar pelo menos a PEC emergencial neste ano. A proposta, porém, enfrenta resistência entre os parlamentares

pra por na agenda

Propostas do pacote econômico serão votadas na CCJ em fevereiro, diz presidente da comissão no Senado

4 de dezembro de 2019 - 12:56

Inicialmente, o governo esperava votar pelo menos a PEC emergencial neste ano. A proposta, porém, enfrenta resistência entre os parlamentares

Tudo o que vai mexer com o seu dinheiro hoje

Aquele 1% dos gringos…

15 de outubro de 2019 - 10:44

Se você acompanha o Seu Dinheiro deve ter percebido que uma sequência de ofertas de ações está rolando na bolsa neste ano. O volume de captações caminha para um recorde. Mas o Vinícius Pinheiro reparou que há uma peculiaridade nessa questão: a maioria das empresas que pegou dinheiro na bolsa em 2019 já estava listada. […]

começando os trabalhos

Simone Tebet abre sessão para votação do parecer da reforma da Previdência

1 de outubro de 2019 - 11:54

Novo parecer de Jereissati deve ser aprovado com folga na CCJ. São necessários pelo menos 14 dos 27 votos – maioria simples – e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), estima ter pelo menos 19 votos favoráveis ao texto

Mais um adiamento

Votação da reforma na CCJ e no plenário do Senado é adiada para semana que vem

24 de setembro de 2019 - 11:59

Em uma reunião realizada nesta manhã com líderes até mesmo da oposição e a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), ficou acertado que a pauta será votada pelo colegiado na próxima terça-feira (1º de outubro) e pelo plenário da Casa, na quarta-feira

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar