🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Chicago Boy

Guedes: Somos liberais, liberais não aumentam impostos

Ministro também disse que secretário da Receita teve azar ao falar que as igrejas seriam atingidas por novo modelo de tributação. “Quem vai pagar é bandido, traficantes, todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”.

Eduardo Campos
Eduardo Campos
30 de abril de 2019
15:24 - atualizado às 18:49
Paulo Guedes
O ex-ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que não se pensa em aumento de impostos dentro da equipe econômica.

A declaração ocorre após um desentendimento entre o secretário da Receita, Marcos Cintra, e o presidente Jair Bolsonaro, envolvendo uma modalidade de imposto que também recairia sobre igrejas.

“Vamos deixar absolutamente claro que somos liberais. Liberais não aumentam impostos, eles simplificam, reduzem ou fazem substituição tributária”, afirmou Guedes ao deixar almoço com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Então, disse Guedes, o que o Marcos Cintra estava falando é que no futuro próximo gostaríamos de desonerar totalmente a folha de pagamentos. “Achamos que é um imposto cruel, perverso.”

De acordo com o ministro, são 50 milhões de brasileiros que não contribuem para a previdência. E, segundo Guedes, uma das razões para a previdência estar quebrada hoje é que 50 milhões de brasileiros não têm acesso à Previdência porque não têm acesso ao emprego formal.

“O trabalhador, hoje, ganha pouco e custa muito, porque tem essa oneração toda da folha de pagamentos. Então é uma obsessão nossa em desonerar. Então, nesse esforço de desoneração, uma das considerações alternativas consideradas é o imposto sobre pagamentos, que o Marcos Cintra namora faz muitos anos”, explicou.

Bandidos e traficantes

Perguntado se esse eventual imposto sobre pagamentos incidiria sobre todos os contribuintes, incluindo igrejas e filantrópicas, Guedes disse:

“Aí é que está. Eu preferia que ele tivesse falado que os bandidos vão pagar, os traficantes vão pagar. Ele falou logo igreja? Deu azar. Quem vai pagar é bandido, traficantes. Todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”, afirmou.

Ainda de acordo com Guedes, é evidente que as igrejas vão manter as suas imunidades. Igreja não paga imposto de renda, imposto sobre propriedade. “Todas as imunidades que elas têm ninguém vai mexer com isso”, disse.

Segundo Guedes, o que se pensa é em “tributar um espaço novo, de pagamentos” para ter uma boa base de arrecadação para poder desonerar a folha de pagamentos.

“Você vai ter um choque de empregos. De repente você vai gerar, dois, três, quatro, cinco milhões de emprego em um espaço de um ano, um ano e meio. Empregos novos porque você desonerou a folha de pagamentos. O trabalhador vai ganhar mais e vai custar menos”, afirmou.

Perguntado em que lugar da fila está a reforma tributária, Guedes disse que ela “está na fila, andando rápido”, porque o governo quer retomar o crescimento econômico. No entanto, a ajuda para Estados e municípios também é muito importante.

Ainda de acordo Guedes, os dois assuntos estão correndo, mas quem vai decidir a ordem das coisas são Onyx, o presidente Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que são os responsáveis pelo timing político das medidas.

Previdência

Questionado sobre a ideia da oposição de alongar as discussões sobre a reforma da previdência na Comissão Especial, Guedes disse que é de interesse da classe política finalizar a previdência no primeiro semestre porque depois tem mais um ano e dois ou três meses até a próxima eleição e, justamente vai ter uma pauta positiva, uma agenda positiva, assuntos importantes, como recursos para Estados e municípios, os impostos.

“Todos esses temas são extraordinariamente atraentes, inclusive o próprio sistema de poupança garantida da nova Previdência. Tudo isso é positivo também e isso é uma pauta do segundo semestre até as eleições”, finalizou.

Onyx: Somos amigos

Segundo Onyx, o almoço com Guedes aconteceu, primeiramente, pelo fato de os dois serem amigos. “Primeiro nós somos amigos, segundo nós somos liberais clássicos. Quando ninguém falava em liberalismo, o professor me dava aula e eu pratica no processo político no Rio Grande do Sul”, disse o ministro da Casa Civil.

Na sequência, Onyx disse que o almoço/reunião foi para avaliar o quadro da tramitação da nova Previdência, “que é superimportante para o nosso país”.

Onyx reconheceu o esforço e o trabalho do deputado Felipe Francischini, presidente, e de Marcelo Freitas, relator, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e disse olhar para a comissão especial da mesma maneira.

“Estamos muito entusiasmados com a perspectiva de que ainda do primeiro semestre a gente consiga ver o Brasil reequilibrado fiscalmente, com a nova previdência aprovada. Esse projeto que é fundamental para que o Brasil possa voltar a crescer”, afirmou.

Compartilhe

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas estrangeiras iniciam semana no azul, mas ruídos políticos locais seguem causando interferência

18 de julho de 2022 - 6:32

Bolsas sobem lá fora com expectativa de bons resultados trimestrais; no Brasil, partidos se preparam para convenções

VITÓRIA PARA O GOVERNO

Câmara aprova ‘PEC Kamikaze’ em 2º turno após manobras de Lira e uma visita da Polícia Federal; veja os próximos passos da proposta

13 de julho de 2022 - 19:07

O deputado prometeu que quem faltasse na votação ganharia uma falta administrativa e lançou mão de outras manobras para garantir o quórum

LDO 2023

Caiu e passou: Congresso aprova Lei das Diretrizes Orçamentárias sem emendas impositivas de relator; texto vai à sanção presidencial

12 de julho de 2022 - 17:28

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) retirou do texto a execução obrigatória das emendas de relator, identificadas como RP 9

ACERTO DE CONTAS

Com teto do ICMS em 17% sobre energia e combustíveis, Câmara propõe compensar arrecadação dos estados; entenda se será suficiente

25 de maio de 2022 - 7:21

A proposta acontece em meio a embates do governo federal contra os estados pela arrecadação do ICMS

Privatização à vista?

Novo ministro de Minas e Energia quer privatizar a Petrobras (PETR4), mas presidente do Senado afirma que as negociações não estão na mesa

12 de maio de 2022 - 14:06

Pacheco avaliou que a desestatização da empresa não é uma solução de curto prazo para o problema da alta dos combustíveis

FOCO NO CENTRO

Com Lula ou Bolsonaro na Presidência, o próximo Congresso será de centro-direita e reformista, diz Arthur Lira

10 de maio de 2022 - 15:04

Em evento em Nova York, presidente da Câmara volta a defender a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e as reformas no país

ATÉ 2023

Alívio no bolso vem aí? Conheça a PEC que pode zerar impostos sobre combustíveis e gás

3 de fevereiro de 2022 - 20:42

A matéria dispensa o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que exige que o governo compense a perda de arrecadação ao cortar impostos com a elevação de outros

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

22 de janeiro de 2022 - 14:45

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

22 de janeiro de 2022 - 10:58

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

DE OLHO NAS DÍVIDAS JUDICIAIS

Além do furo no teto: como a PEC dos precatórios afeta os credores, mas abre uma grande oportunidade de investimento

20 de janeiro de 2022 - 7:03

Com a regra fiscal ameaçada, o motivo inicial para a criação da emenda acabou sendo relegado a segundo plano, mas seus desdobramentos podem beneficiar os investimentos alternativos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies