Menu
2019-06-13T16:15:35-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Refúgio dourado

Veterano de Wall Street diz que a aposta da vez está no ouro para os próximos 12 a 24 meses

Paul Tudor é conhecido pelas suas previsões macroeconômicas e por ter previsto o tombo da bolsa de Nova Iorque em 1987, a chamada segunda-feira negra

13 de junho de 2019
16:15
Barras de ouro
Barras de ouro - Imagem: Shutterstock

Diante de um cenário externo embaçado aos olhos do investidor com guerra comercial e desaceleração econômica, o bilionário Paul Tudor, fundador da gestora Tudor Investments, - que administra US$ 7 bilhões em ativos - , disse que a sua aposta da vez está no ouro.

Em entrevista ao Bloomberg Markets feita ontem (12), o investidor falou que "se tivesse que escolher o ativo preferido dele nos próximos 12 a 24 meses, ele provavelmente escolheria o ouro".

Ele é conhecido pelas suas previsões macroeconômicas e por ter previsto o tombo da bolsa de Nova Iorque em 1987, a chamada segunda-feira negra.

Segundo o veterano de Wall Street, o cenário é favorável para a subida da cotação do ativo para além dos US$ 1.400 e ele vê possibilidade de passar até mesmo dos US$ 1.700, de forma rápida. Por volta das 16h01 de hoje (13), a cotação da onça estava na casa dos US$ 1.345.

O veterano da gestão de fundos destacou ainda que os bancos centrais, especialmente o dos Estados Unidos se mostram cada vez mais propícios a abaixar as taxas de juros, o que atrairia maior interesse ao ativo.

Refúgio dourado

Além de funcionar como uma salvaguarda quando o dinheiro fica curto, o ouro também é o refúgio de alguns investidores em momento de incertezas.
Quem investe na commodity busca, antes de mais nada, proteção para o seu patrimônio. É claro que se você conseguir antecipar os movimentos de alta na cotação do ouro, dá para ganhar um bom dinheiro também.

Há três variáveis que ajudam a entender melhor as oscilações de preço no ouro. São elas: a taxa de juros americana, a cotação do dólar e a demanda direta.

Quanto maior da taxa de juros nos EUA, menos interessante fica investir no ouro. A razão é que a moeda americana ganha valor e fica mais interessante investir nos Estados Unidos do que buscar ativos de maior risco em outros mercados como os emergentes, por exemplo.

No caso da cotação do dólar, o ouro é uma commodity cotada em dólar. Logo, se a moeda americana se valorizar frente a outras cestas de moedas como o real, as commodities caem de preço. Mas, se ele perder fôlego, as commodities como ouro e petróleo ganham força.

Por último, a questão da demanda direta. Nesse caso, o destaque vai para China e Índia que são grandes compradores de joias. Logo, quanto maior for o crescimento de ambos os países, maior será a demanda por esse tipo de mercadoria.

A lógica do ouro é sempre a seguinte: quando a bolsa se fortalece e o dólar se desvaloriza, o ativo mais buscado é ouro. Porém, assim que o dólar volta a subir, o metal começa a sofrer com a queda em seu preço.

Procura maior

Desde que a guerra comercial entre Estados Unidos e China se intensificou, os investidores procuraram cada vez mais o ouro como forma de proteção. A prova disso é o aumento da busca pelos Exchange Traded Funds (ETFs) lastreados na moeda.

Fonte: TradingView

Esses ETFs nada mais são do que fundos de investimento que têm as cotas negociadas em bolsas de valores e que reproduzem os índices de ouro. Ao comprar uma cota, o investidor garante a variação do índice por um valor muito menor.

Além deles, o investidor que quiser investir na commodity pode optar por outras três formas como, ouro em barra, fundos de ouro e contratos futuros.

De qualquer forma, diante do cenário, é preciso se preparar. Afinal, os seguros não devem ser feitos apenas nos momentos de sufoco.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements