Menu
2019-04-04T11:30:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Articulação pela reforma

Onyx: reunião de Bolsonaro com líderes de siglas é 1º passo para abrir governo

Bolsonaro recebe os presidentes das siglas para tratar da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado. Geraldo Alckmin é um dos que vão participar da reunião nesta quinta-feira (4)

3 de abril de 2019
13:00 - atualizado às 11:30
Onyx Lorenzoni
Onyx Lorenzoni - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), afirmou que a série de encontros entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e os o dirigentes dos principais partidos políticos é o primeiro passo para abrir o governo às outras legendas.

Oficialmente, só o PSL faz apoio formal ao governo, o que não se traduz necessariamente em cargos. Para o ministro, primeiro é necessário o diálogo para depois convidar e "abrir as portas". "Para que tenhamos uma base constituída, a gente precisa dialogar, convidar e abrir as portas. É o que nós estamos fazendo", afirmou o ministro nesta quarta-feira, 3, após reunião com da Executiva do DEM no Congresso.

Bolsonaro recebe os presidentes das siglas para tratar da aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado. O presidente do PSDB e ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin é um dos que vão participar da reunião com Bolsonaro na quinta-feira, 4. Também estão previstos encontros com Romero Jucá (MDB), Ciro Nogueira (PP), Marcos Pereira (PRB), Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), Eurípedes de Macedo Júnior (PROS) e Antonio Carlos Rodrigues (PR).

Segundo o ministro, após a rodada de conversas, o governo vai fazer o convite ao partidos e "abrir as portas". De acordo com ele, a construção da base será expressada na votação da reforma da Previdência. Lorenzoni disse ainda que a consolidação do apoio passa pelas direções partidárias.

Questionado se seria um convite aos partidos para participar do governo, ele respondeu: "é o que estamos fazendo. Abrindo as portas para que (com) os presidentes dos partidos pela via institucional, transparente, a gente faça um diálogo a favor do País."

O encontro com o presidente do DEM era o único que estava marcado. ACM Neto ao lado de Lorenzoni tentam reconstruir as pontos entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Aliados chegaram a cogitar um jantar ainda nesta quarta-feira quando Bolsonaro chegasse da viagem a Israel. Mas os dois recusaram.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ofereceu para intermediar um encontro entre Maia e Bolsonaro, mas novamente o convite foi recusado pela dupla. Um dos responsáveis pela aproximação nos bastidores afirmou à reportagem: "É momento de fugir dos holofotes".

Tarde demais?

Na avaliação de ACM Neto, ainda há tempo para que Bolsonaro organize uma base para votar a reforma da Previdência no Congresso.

"Não é tarde. O governo tem três meses que começou. Ainda tem quase quatro anos pela frente. Está apenas começando essa jornada", disse ACM Neto, que será um dos dirigentes a se encontrar com o presidente nesta quinta. "É oportuna esta conversa. Dá tempo de organizar, sim", enfatizou.

A possibilidade de apoio formal do DEM ao governo, no entanto, não será tema do encontro, de acordo com o dirigente da legenda. "Vamos aguardar a abordagem que o presidente vai fazer."

ACM declarou que o partido está preocupado em avançar na agenda da reforma, mas ponderou ser "fundamental que o governo entenda que é preciso ter uma base".

"É a primeira reunião que vou ter no ano de 2019 com o presidente da República. Entendo que o governo está em uma fase de alinhamento da sua estratégia política de diálogo com os partidos, o que é importante", afirmou.

Questionado se haveria encontro entre os dirigentes para alinhar o discurso com Bolsonaro, ACM Neto rejeitou: "Não vou participar de reunião a não ser esta do Democratas (disse em relação a possibilidade de um encontro de ajustes com outros presidentes que serão recebidos pelo presidente)".

"Não vamos participar de movimento coletivo para criar dificuldades para depois colher dificuldades."

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies