Menu
2019-09-13T15:20:12-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Situação difícil

Nem tudo são rosas… S&P revisa perspectiva da Oi de estável para negativa

A agência citou que a mudança na perspectiva é um reflexo dos desafios que a companhia enfrenta para voltar a crescer e gerar fluxo de caixa operacional

13 de setembro de 2019
15:11 - atualizado às 15:20
oi orelhão
Imagem: Divulgação Oi

A agência de rating S&P revisou ontem (12) a perspectiva da Oi de estável para negativa e rebaixou o rating de crédito em moeda local de "brA" para "brA-". Apesar disso, a agência manteve a classificação global em "B", segundo relatório enviado a imprensa.

Com o rebaixamento, a agência acredita que há menor capacidade e vontade do emissor em honrar suas obrigações financeiras, de forma integral e em um prazo determinado.

Em sua justificativa, a S&P citou que a mudança na perspectiva é um reflexo dos desafios que a companhia enfrenta para voltar a crescer e gerar fluxo de caixa operacional.

A agência comentou ainda que a empresa sofreu com uma perda de usuários maior que a esperada e que isso impactou bastante as receitas, especialmente com serviços fixos no segundo trimestre do ano.

Por conta disso, a S&P estima que a Oi terá uma queda no faturamento tanto em 2019 quanto em 2020. A retomado crescimento de fato só deve ocorrer em 2021. com retomada do crescimento somente em 2021.

Mudanças para voltar a crescer

Depois de apresentar mudanças no planejamento para os próximos anos, a companhia terá que investir R$ 7 bilhões por ano para honrar com o que se comprometeu com o mercado.

Para fazer isso, a companhia pretende vender ativos nos próximos dois anos e o montante pode chegar a R$ 7,5 bilhões. Mas, como a própria agência reforçou, isso não será fácil.

"Essa estratégia depende de fatores fora do controle da companhia. O montante e o tempo de cada venda são incertos, o que pode atrasar os investimentos, piorando a situação operacional", pontua a S&P.

Impacto nas ações

Como os papéis ordinários da Oi (OIBR3) estão valendo muito pouco na bolsa, é difícil "cravar" que a queda de mais de 10% por volta das 14h47 desta sexta-feira (13) é por conta do rebaixamento da S&P. Por volta desse horário, essas ações estavam sendo negociadas a R$ 1,05.

Isso ocorre porque o valor de negociação já é bastante baixo, logo qualquer alteração pode provocar uma alta ou queda significativas.

Apesar de ter despencado no pregão de hoje, as ações ordinárias da Oi vivem uma dicotomia. Enquanto há analistas que apostam em uma alta, há outros que recomendam a venda do papel.

Segundo os analistas consultados pela Bloomberg, há quatro recomendações de venda e quatro recomendações de compra para os papéis.

Na média, os especialistas entrevistados acreditam que o preço-alvo da ação em 12 meses pode chegar a R$ 1,63, o que representaria uma alta de mais de 56% em relação ao valor negociado nesta tarde.

Da mesma forma, os papéis preferenciais da companhia apresentavam queda de 6%, cotados em R$ 1,53.

Marco das teles

Mas as notícias não são apenas negativas para a Oi. O Senado aprovou na última quarta-feira (11) o projeto que atualiza o marco legal das telecomunicações no País. A proposta segue agora para sanção presidencial.

O texto deve beneficiar, principalmente a operadora de telefonia Oi. A avaliação é que o encaminhamento do novo marco legal tende a desencadear diferentes ondas de investimentos no setor.

Em relatório divulgado a clientes, os analistas do BTG pontuaram que "a nova legislação é um gatilho importante para a Oi [...] Acreditamos numa economia na ordem de R$ 1 bilhão com despesas regulatórias da companhia".

Outro ponto importante ressaltado pelos analistas é de que o marco regulatório pode aumentar também as chances de fusões e aquisições.
Entre os nomes que aparecem na lista está o da TIM. Ela seria uma possível candidata no caso de uma fusão com a Oi.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mau começo

Ibovespa abre o mês com o pé esquerdo e cai 2,81%, acompanhando o pessimismo externo

O Ibovespa passou a sessão desta quarta-feira no campo negativo, mas ao menos conseguiu sustentar o nível dos 70 mil pontos. Ações de empresas ligadas ao setor de viagens — como companhias aéreas e de turismo — voltaram a reportar perdas expressivas hoje

Menos exportações e importações

Balança comercial tem superávit de US$ 4,713 bilhões em março

Com queda nas exportações e nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,713 bilhões em março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia

Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

Visão global de carteira

Em carta, gestora de fortunas TAG se mostra construtiva para ações e NTN-B, mas nem tanto para multimercados

Na sua carta do mês de março, TAG Investimentos demonstra visão positiva para a renda variável, sobretudo ações domésticas, bem como para NTN-B de longo prazo; mas se mostra muito mais cautelosa em relação a fundos multimercados e de crédito privado local

Resiliência

Fundos de ações resistem ao choque e captam R$ 7,65 bilhões entre 1º e 27 de março

Fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 19,6 bilhões entre os dias 1º e 27 de março, período que compreende o agravamento da tensão dos mercados em meio à pandemia do coronavírus

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements