Menu
2019-04-04T15:56:23-03:00
Estadão Conteúdo
Jeito com as palavras

Ministros do STF mostram cautela ao serem perguntados sobre prisão de Temer

Membros a suprema corte foram provocados a comentar a prisão do ex-presidente da República

21 de março de 2019
16:26 - atualizado às 15:56
STF
STF - Imagem: André Dusek/Estadão Conteúdo

Ao chegarem para a sessão plenária desta quinta-feira, 21, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) mostraram cautela ao serem provocados a comentar a prisão do ex-presidente da República Michel Temer.

Os ministros Alexandre de Moraes (ex-ministro de Temer e indicado pelo emedebista à cadeira no STF), Celso de Mello e Marco Aurélio Mello observaram apenas que não haviam lido ainda a decisão que levou Temer à prisão. Presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, chegou a sessão sem falar com a imprensa.

Ao ser perguntado sobre o caso, o ministro Luís Roberto Barroso, que era relator de inquéritos que tinham Temer como alvo no STF, apenas respondeu "está na Justiça de primeiro grau", referindo-se ao fato de as investigações estarem sendo comandadas pelo juiz Marcelo Bretas, da Juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. Depois que Temer perdeu o foro por prerrogativa, as apurações contra o ex-presidente foram enviadas à primeira instância da Justiça.

A ação que prendeu Temer e seus aliados é decorrente da Operação Radioatividade, que mirou um esquema de cartel, corrupção ativa e passiva, lavagem de capitais e fraudes à licitação que atuou na construção da usina nuclear de Angra 3. A nova investigação apura supostos pagamentos ilícitos feitos por determinação do empreiteiro José Antunes Sobrinho, ligado à Engevix, para "o grupo criminoso liderado por Michel Temer, bem como de possíveis desvios de recursos da Eletronuclear para empresas indicadas pelo referido grupo".

"Sem ler a decisão não dá pra saber", afirmou Moraes a jornalistas, evitando comentários sobre a decisão. O ministro Luiz Fux disse somente que depois comentaria, que estava atrasado para a sessão. Um ministro ouvido reservadamente também observou que ainda não leu a decisão, mas destacou que a prisão preventiva é decretada quando há atos concretos visando embaralhar as investigações, ou quando há periculosidade do investigado. "Agora, a repercussão internacional é péssima", disse ainda este ministro.

Mais cedo, o ex-ministro do STF, Carlos Ayres Britto, afirmou que a notícia da prisão do ex-presidente Michel Temer é "impactante", e que o fato de haver dois ex-presidentes do Brasil presos - Luiz Inácio Lula da Silva e agora Temer - mostra que o Brasil atravessa um período delicado, mas também disposto a se repaginar no "princípio da moralidade".

Ayres Britto ressalvou que ainda não conhece os motivos da prisão, e que ela precisa estar fundamentada. "Eu sou muito cuidadoso nessas análises, de coisas que são impactantes, é evidente, um ex-presidente da República, um constitucionalista. Tão logo saia daqui vou me inteirar das coisas", disse o ex-ministro.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

conta alta

ONS confirma situação crítica de reservatórios das hidrelétricas

Aneel retomou o sistema de bandeiras tarifárias, com acionamento da bandeira vermelha patamar dois, o mais caro

Entrevista exclusiva

Os planos do Banco Bmg para crescer no digital e recuperar o preço das ações na B3

Ruídos envolvendo o Bmg ainda afetam as ações do banco um ano após o IPO na B3. Mas a CEO da instituição enxerga as cotações atuais como uma oportunidade e fala sobre avanço do banco digital

a hora e a vez do rali do câmbio

Dólar cai forte e fecha no menor nível desde julho; confira 5 razões para a queda da moeda

A moeda americana terminou novembro em queda firme e iniciou dezembro da mesma forma, tombando 2%. O que explica esse movimento? O Seu Dinheiro explica

dados do ministério da saúde

Covid-19: Brasil tem 173,8 mil mortes e 6,38 milhões de casos

Em 24 horas, foram registrados 50.909 diagnósticos positivos para a doença

pandemia

Vacinação contra covid-19 deve começar com profissionais da saúde, idosos e indígenas

Proposta preliminar foi discutida em reunião realizada hoje (1º) com a participação do Ministério da Saúde e outras instituições

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies