Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-17T19:36:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mercado paralelo

Unick Forex é alvo de operação da PF por esquema de pirâmide financeira

A empresa vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes

17 de outubro de 2019
19:36
Dinheiro

Dez pessoas ligadas à cúpula da Unick Forex foram presas nesta quinta-feira, 17, na Operação Lamanai, da Polícia Federal. A empresa sediada em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo, sem autorização das autoridades competentes, com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes, a maioria do sul do País.

A estimativa da Polícia Federal é que as captações da Unick chegaram a R$ 2,4 bilhões. O grupo tinha um escritório no paraíso fiscal de Belize e planos de expansão para o exterior. As promessas de lucro garantido e prêmio mediante a indicação de outros investidores apontam para um esquema de pirâmide financeira.

Com o apoio da Receita Federal a operação identificou captações que chegaram a R$ 40 milhões por dia desde 2017 pela Unick, classificada pela PF como "organização criminosa". A empresa usava as redes sociais e aplicativos como o WhatsApp para enviar vídeos e ofertas.

O dinheiro dos investidores era aplicado no chamado mercado de Foreign Exchange (Forex), de compra e venda de moedas, operações somente autorizadas às instituições financeiras oficiais. Esse tipo de oferta deve ser registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador do mercado de capitais, assim como a corretora que quiser atuar nesse mercado. Sem registro, a oferta é ilegal. Hoje não há instituição brasileira autorizada a atuar em Forex.

Cerca de 200 policiais federais cumpriram 65 mandados de busca e apreensão (inclusive de bens, imóveis e R$ 50 milhões em bitcoins) e dez de prisão temporária nas cidades de Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Caxias do Sul (RS), Curitiba (PR), Bragança Paulista (SP), Palmas (TO) e Brasília (DF). Também foram executadas medidas judiciais cautelares para apreensão de veículos, sequestro de bens e bloqueio de valores em contas correntes.

O inquérito policial contra a Unick foi instaurado em janeiro deste ano e apurou que os clientes do grupo eram atraídos pela promessa de retorno de 100% sobre o valor investido, no prazo de seis meses. A captação de recursos estava estruturada como pirâmide financeira, esquema em que os novos investidores subsidiam os pagamentos de remuneração daqueles que já aplicaram recursos há mais tempo.

A Unick é também alvo de um processo administrativo sancionador aberto pela CVM em abril, por emitir e distribuir valores mobiliários sem autorização. Em março a autarquia chegou a emitir alerta de atuação irregular ao mercado, mas a Unick e seus sócios continuaram captando recursos populares sem autorização. Depois disso, emitiu stop order (ordem de suspensão) de oferta, mas que também não surtiu efeito, levando a CVM a processar o grupo.

A empresa e os responsáveis acusados no processo da CVM - Leidimar Lopes, Alberi Pinheiro e Fernando Lusvarghi - encaminharam propostas de termo de compromisso (acordo) ao órgão regulador, ainda em análise. O grupo usava famosos como a cantora Simony, ex-líder do Balão Mágico, como garotos-propaganda.

Segundo a PF, ao longo da investigação foram identificadas além da captação irregular de poupança popular indícios de outras práticas criminosas como evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Os presos na Operação Lamanai deverão responder ainda pelos crimes de organização criminosa, crime contra o sistema financeiro e crime contra a economia popular, de alçada estadual.

Unick diz colaborar

Após a notícia da operação, a Unick afirmou por meio de nota ter o compromisso de colaborar com as autoridades, prestando as informações necessárias à apuração dos fatos.

"A empresa reafirma seu compromisso com seus clientes e acredita na Justiça e nos esclarecimentos dos fatos", diz o comunicado enviado em nome do escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, que representa a Unick.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies