Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
É CEO do Seu Dinheiro
2019-03-25T10:00:48-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Torça pelo melhor, prepare-se para o pior

25 de março de 2019
10:00
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Eu realmente queria começar a segunda-feira com uma boa notícia para você ou uma história legal para contar. Mas, olha, está difícil. O melhor que eu posso fazer hoje é jogar a real: deu ruim. A troca de farpas entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia é um balde de água fria para quem está na torcida pela aprovação da Reforma da Previdência e pela recuperação da economia brasileira. E vai doer no bolso do investidor brasileiro.

Quem deu um voto de confiança em Bolsonaro e Paulo Guedes já começa a duvidar que os bons ventos liberais vieram para ficar no país. Foi apenas um sonho de uma noite de verão? Na dúvida, o investidor vende Brasil e compra dólar.

Ao entrar em um embate com o presidente da Câmara, Bolsonaro insiste na sua “nova política”, que refuta a articulação com o Congresso e o “toma lá dá cá”. A visão do capitão é que, em tempos de redes sociais, o presidente não precisa mais de interlocutores para falar direto com seu eleitorado. O problema é que não é possível aprovar a reforma da Previdência em uma enquete no Twitter...

Na reportagem desta segunda-feira, Eduardo Campos compara a estratégia de Bolsonaro com a de Jânio Quadros (sim, ele mesmo), outro presidente que escolheu enfrentar o Congresso Nacional contando com o apoio do povo. Jânio não se deu muito bem, a conferir se a história será diferente com Jair Bolsonaro.

Enquanto o Legislativo e o Executivo seguem em queda de braço, fique atento aos seus investimentos. Torça pelo melhor e prepare-se para o pior. Ou como brincou o Eduardo Campos: "bunda na parede e boca fechada".

Cuidado na curva

Uma situação pouco usual aconteceu com as taxas de juros nos EUA no fim da semana passada, a chamada inversão da curva de juros. É quando o juro da dívida de curto prazo fica maior do que o de longo prazo. Esse é um dos sinais de que uma recessão está a caminho. O presidente da distrital de Chicago do Fed, Charles Evans, comentou a situação.

Ele disse também que prevê que a economia americana cresça menos no primeiro trimestre. A boa notícia é que, diante desse cenário, ele não espera alta de juros nos EUA até o segundo semestre de 2020. A postura mais contida do Fed sobre a elevação da taxa de juros é positiva para as bolsas.

Trump se safou

Depois de um “bafafá” e da instauração de um processo investigativo sobre o suposto conluio entre a campanha de Trump e o governo russo nas eleições presidenciais de 2016, o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, divulgou ontem uma carta às autoridades americanas alegando que “não há evidências suficientes que apontem tal fato”. A notícia é positiva para os investidores. Isso porque se a conclusão das investigações apontasse para um delito de Trump, os ativos norte-americanos poderiam sofrer com períodos de intensa volatilidade nos próximos dias.

Alô, alô declaração

Você monta uma carteira diversificada com ações, títulos públicos, fundo de investimento, fundo imobiliário, criptomoeda, COE…E quando chega em março fica com dor de cabeça só de pensar em como declarar seus investimentos no Imposto de Renda. Fique calmo! A Julia Wiltgen explica todos os detalhes que o investidor precisa saber na hora de declarar seus investimentos.

Só mais um pouquinho

A temporada de balanços está perto do fim. Ufa! Mas a reta final será emocionante. Serão conhecidos os números de grandes empresas como Vale, Eletrobras, Gafisa e JBS. Estou curiosa para ler a mensagem da administração da Vale e ouvir o que os executivos vão dizer em sua primeira teleconferência após o acidente de Brumadinho. Para não ser pego desprevenido, é melhor você conhecer as expectativas do mercado para os balanços.

A Bula do Mercado: rota de colisão

A semana começa com a expectativa de retomada na articulação pela reforma da Previdência. Atritos entre Câmara e governo deixam os ativos locais vulneráveis aos ruídos que chegam de Brasília e os investidores pesam a possibilidade de uma tramitação mais demorada que o esperado.

Hoje Bolsonaro se reúne com a equipe econômica e o núcleo político para tratar da reforma. Na terça-feira, Paulo Guedes será recebido na CCJ, onde deve explicar o texto da reforma da Previdência e a reestruturação da carreira dos militares.

A semana pode trazer novidades nas negociações entre Estados Unidos e China. Uma delegação norte-americana desembarca em Pequim para novos encontros. Em Washington, vitória de Trump no caso que investigava conluio com Rússia durante a campanha presidencial.

Na sexta-feira, o Ibovespa fechou com queda de 3,1%, aos 93.735,16 pontos, acumulando uma perda total de 5,45% na semana. O dólar encerrou com alta de 2,65%, a R$ 3,9016, avançando 2,12% na semana. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Um grande abraço e ótima segunda-feira.

Agenda

- Reunião de Bolsonaro com ministros Onyx Lorenzoni, Paulo Guedes e Augusto Heleno
- Dados da balança comercial semanal
- Banco Central divulga estatísticas do setor externo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

Vitória do Ibovespa (no segundo tempo)

“O time no segundo tempo ganhou de 2 a 1.” Foi assim que Fernando Diniz, o técnico do São Paulo, reagiu depois da derrota por 4 a 2 para a LDU no meio da semana e que praticamente eliminou a equipe da Libertadores. Diniz preferiu ignorar os 3 a 0 que o time levou na […]

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu