Menu
2019-12-11T12:06:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

PIB anima, mas foco deve permanecer no ajuste fiscal

Controle do gasto público é fundamental para manutenção da Selic baixa e do protagonismo do setor privado na retomada da atividade

3 de dezembro de 2019
11:24 - atualizado às 12:06
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre surpreendeu positivamente e pode ser visto como uma confirmação de que a economia engrena uma recuperação. Os dados serão comemorados pelo mercado e pelo governo, mas o fator fundamental para que esse otimismo se sustente é a continuidade da agenda de reformas fiscais.

Resumindo uma longa história, foi o redesenho da política fiscal brasileira desde 2015/2016 que permitiu a queda nas taxas de juros. Boa parte da alta da bolsa e do resultado das empresas decorre desse menor custo do dinheiro, dessa queda no custo de capital e consequente melhora no “valuation” das empresas (BTG fez um interessante estudo sobre isso).

Tanto o Ministério da Economia quanto o Banco Central (BC) têm falado sobre uma mudança estrutural da economia brasileira, um ambiente de política fiscal restrita e juros mais baixos. Discutimos as implicações disso sobre a taxa de câmbio, mas esse “novo normal” também tem impactos sobre a matriz de crescimento da economia.

Crowding in

Os dados do terceiro trimestre reforçam a tese do governo de que “à medida que se observam esforços para reduzir o tamanho do Estado, o setor privado vai tomando seu lugar, e a economia de mercado passa a ser protagonista do crescimento ao invés das expansões periódicas de gasto público, que se mostraram insustentáveis”.

É chamado efeito “crowding in”, que segundo a própria Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, significa que os investimentos privados passam a substituir os investimentos públicos na economia.

Nesse terceiro trimestre, para dar um dado sobre esse movimento, temos que o consumo das famílias cresceu 0,8%, enquanto as despesas de consumo do governo recuaram em 0,4%. Destaque também para os investimentos privados, que seguem em recuperação.

Isso evidencia uma melhora na qualidade do crescimento. Segundo o governo, um crescimento feito com dinheiro privado resulta em maior produtividade, e a expectativa é que a continuidade desse movimento leve a um crescimento mais sustentado ao longo dos próximos anos.

O fator primordial para a continuidade desse movimento é a persistência no ajuste fiscal, pois é isso que abre a possibilidade de termos juros baixos, notadamente as taxas de longo prazo, por longo período.

A reforma da Previdência foi o primeiro e mais urgente ajuste, mas a trajetória do gasto público segue preocupante. Teremos mais um ano com déficit nominal e dívida bruta rondando a linha dos 80% do PIB.

A melhora do crescimento, que já está contratada, é vetor favorável ao ajuste das contas públicas, mas também pode trazer consigo um risco de complacência da classe política com relação a algumas medidas ainda amargas que precisam ser tomadas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Seu Dinheiro na sua noite

Sobe no tuíte, cai no (quase) fato

Você já deve ter ouvido alguma vez a expressão “sobe no boato, cai no fato”. Alguém se lembra dela toda vez que a bolsa sobe diante de algum rumor e cai logo depois da confirmação. Isso acontece porque o tal mercado sempre tenta se antecipar aos acontecimentos. Quando eles se materializam, os preços em geral […]

Atualização sobre covid-19

Brasil registra 941 mortes por coronavírus desde início de pandemia

O resultado marca um aumento de 17% de mortes no Brasil em relação a ontem, quando foram registrados 800 óbitos

Alívio intenso

Ibovespa fecha em queda, mas ainda acumula ganhos de mais de 11% na semana; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve a melhor semana desde março de 2016, sustentado pelo viés mais otimista visto no exterior nos últimos dias. O dólar à vista também passou por um alívio importante, recuando mais de 5% na semana

Socorro financeiro

Maia acusa equipe econômica de dar informações falsas em projeto para estados

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) acusou a equipe econômica de dar informações falsas no projeto de socorro emergencial a Estados e relacionou o impasse em torno da proposta à disputa do presidente Jair Bolsonaro com governadores

Crédito contra covid-19

Boa parte do valor liberado ainda não foi usada pelos bancos, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira, 9, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que a instituição já anunciou a liberação de cerca de R$ 1,2 trilhão para os bancos, para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: um presente de Páscoa para os mercados

O podcast de hoje faz o balanço de uma semana positiva para os mercados, mesmo em meio à crise do coronavírus

Prontos para auxiliar

Bancos estão sólidos para ajudar a preservar empregos e empresas, diz presidente da Febraban

presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, garantiu nesta quinta-feira, 9, que o setor bancário está pronto para ajudar as empresas a preservar empregos

Recessão pior que 2008

IIF prevê que PIB global cairá 2,8% em 2020, e do Brasil, 4,1%

IIF revisou para baixo sua projeção para o PIB global e passou a prever contração de 2,8% em 2020

Títulos privados

BCs de emergentes podem necessitar ser comprador de última instância, diz Campos Neto

Roberto Campos Neto fez nesta quinta-feira, 9, em reunião com senadores, uma defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 10, que permite que o BC compre títulos privados durante o período de crise

bc americano

Presidente do Fed diz achar que é apropriado dar mais apoio fiscal agora

Segundo ele, o mais importante agora é que a população americana fique em casa, para garantir o sucesso da quarentena

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements