Menu
2019-12-05T10:36:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Novo recorde!

Pista livre: Ibovespa acelera e chega aos 110 mil pontos com alívio no exterior e otimismo local

O tom mais otimista visto no exterior, combinado com a percepção de recuperação da economia local, impulsionou o Ibovespa ao nível de 110 mil pontos pela primeira vez na história

4 de dezembro de 2019
18:40 - atualizado às 10:36
Estrada 110 Ibovespa
Imagem: Shutterstock

Que o Ibovespa está numa via rápida, você já está cansado de saber: com o avanço da agenda de reformas e a perspectiva de retomada da economia, o principal índice da bolsa brasileira pisou no acelerador em 2019, firmando-se acima dos 100 mil pontos.

Mas engana-se quem pensa que a estrada dos mercados financeiros está livre de obstáculos. De tempos em tempos, surgem alguns perigos no trajeto: buracos, guerras comerciais, carros quebrados, tensões no cenário político brasileiro...

Com esses entraves, o Ibovespa preferia não arriscar demais: mantinha uma velocidade alta, mas sem se exceder — é melhor ir com calma e não correr o risco de se acidentar. Para ir ainda mais rápido, era preciso encontrar pistas livres.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Pois, nesta quarta-feira (4), o caminho se abriu para a bolsa brasileira: muitos dos fatores de risco que obrigavam o Ibovespa aliviar o ritmo saíram do campo de visão — e, ciente da oportunidade única, o índice pisou fundo.

Aproveitando a combinação entre alívio na guerra comercial, dados econômicos mais fortes na China e otimismo com a economia local, o Ibovespa fechou o pregão em ata de 1,23%, aos 110.300,93 pontos, na máxima do dia — é a primeira vez que o índice terminou acima dos 110 mil pontos.

A "tempestade perfeita" também foi sentida no mercado de câmbio, embora em menor intensidade: o dólar à vista chegou a cair 0,51% na mínima do dia, a R$ 4,1841, mas terminou a sessão em ligeira baixa de 0,08%, a R$ 4,2023.

Com o resultado desta quarta-feira, o Ibovespa engatou a terceira alta consecutiva, acumulando ganhos de 1,91% na semana. O dólar à vista também registra três das seguidos de alívio — a baixa registrada pela moeda americana desde segunda-feira é de 0,91%.

Trânsito pacífico

Lá fora, os agentes financeiros repercutiram as últimas novidades no front da guerra comercial. De acordo com a Bloomberg, Estados Unidos e China estão próximos de chegar a um acerto quanto às tarifas a serem retiradas por ambas as partes, de modo a pavimentar o caminho para o fechamento da primeira fase do acordo entre as potências.

Com essa informação em mente, as bolsas globais respiraram aliviadas. Nos Estados Unidos, o Dow Jones (+0,53%), o S&P 500 (+0,63%) e o Nasdaq (+0,54%) fecharam em alta, após duas sessões no campo negativo; na Europa, as principais praças acionárias também ganharam terreno.

Vale lembrar, no entanto, que o noticiário referente às negociações entre americanos e chineses tem sido bastante volátil, com sucessivas ondas de alívio e de tensão. Além disso, a recente postura mais agressiva adotada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, ainda inspira alguma cautela aos agentes financeiros, apesar do clima mais ameno nesta quarta-feira.

Enquanto isso, na China...

...os setores de serviços e de indústria continuam se recuperando, após a perda de tração vista na primeira metade do ano. O índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) do gigante asiático subiu a 53,2 em novembro, atingindo o maior nível em 21 meses — leituras acima de 50 indicam expansão da atividade.

O novo sinal de fortalecimento da economia chinesa amenizou as dúvidas quanto aos impactos negativos que a disputa comercial com os EUA poderia estar trazendo ao país. A expansão no PMI ainda trouxe otimismo ao setor de commodities, uma vez que a China é um importante consumidor de produtos desse tipo, em especial o minério de ferro.

Nesse cenário, as ações de siderúrgicas e mineradoras fecharam em alta nesta quarta-feira e contribuíram para dar ânimo ao Ibovespa. Foi o caso de CSN ON (CSNA3), com ganho de 2,74%; Usiminas PNA (USIM5), avançando 2,44%; Gerdau PN (GGBR4), valorizando 1,23%; e Vale ON (VALE3), subindo 0,99%.

O ambiente benéfico para as siderúrgicas também foi gerado pela notícia, publicada pelo Valor Econômico, de que a CSN irá promover aumentos de 10% nos preços do aço, a partir de 2020 — a Gerdau já havia anunciado elevações nos valores do aço longo.

Já os papéis da Petrobras foram beneficiados pela alta firme do petróleo no exterior. O contrato do Brent com vencimento em fevereiro avançou 3,58%, e o WTI para janeiro valorizou 4,15%. Nesse cenário, as ações PN da estatal (PETR4) subiram 2,35%, enquanto as ONs (PETR3) tiveram ganho de 1,22%.

Essa alta expressiva do petróleo foi influenciada pela percepção de que Estados Unidos e China estão mais próximos de uma certo no front da guerra comercial, mas não só isso.

A reunião semanal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados — grupo conhecido como Opep+ — teve início hoje, e há a expectativa quanto a um acerto para o corte na oferta da commodity. A Petrobras, assim, pegou carona nesse contexto.

Dias melhores

Além do noticiário mais favorável no exterior, também há um importante componente doméstico para a manutenção do Ibovespa em alta e do dólar em baixa. Nesta manhã, foi divulgado o crescimento de 0,8% na produção industrial do país em outubro ante setembro.

O resultado ficou ligeiramente abaixo da expectativa dos analistas, mas, ainda assim, contribui para o quadro de recuperação da economia doméstica — ontem, foi reportado o crescimento de 0,6% no PIB do Brasil no terceiro trimestre.

Além disso, os resultados das vendas da Black Friday superaram as projeções do mercado, o que, combinado com uma série de indicadores antecedentes positivos, apontam para a continuidade do movimento de retomada da atividade local.

Recuperação dos bancos

Outro setor entre os destaques do Ibovespa foi o de bancos, impulsionado pelo otimismo dos investidores em relação às perspectivas para a economia doméstica.

Nesse segmento, os papéis PN do Itaú Unibanco (ITUB4) apresentaram o melhor desempenho nesta quarta-feira, com ganho de 3,60%. Bradesco PN (BBDC4) subiu 2,58%, Banco do Brasil ON (BBAS3) teve alta de 1,45% e as units do Santander Brasil (SANB11) valorizaram 1,74%.

Top 5

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • BTG Pactual units (BPAC11): +4,42%
  • Weg ON (WEGE3): +3,61%
  • Itaú Unibanco PN (ITUB4): +3,60%
  • Tim ON (TIMP3): +2,77%
  • CSN ON (CSNA3): +2,74%

Confira também os papéis com as maiores quedas do índice:

  • Raia Drogasil ON (RADL3): -2,93%
  • JBS ON (JBSS3): -2,82%
  • Suzano ON (SUZB3): -2,67%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,57%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): -2,15%

Alívio no câmbio

A possibilidade de avanço nas negociações comericias entre EUA e China diminuíram fortemente a aversão ao risco no mercado de câmbio. Como resultado, o dólar perdeu terreno em escala global, com os investidores optando por aumentar a exposição às demais moedas.

O índice DXY, que mede o desempenho do dólar em relação a uma cesta de divisas fortes — como o euro, a libra esterlina e o iene japonês, entre outras — teve uma baixa de 0,13%.

Na comparação com as divisas emergentes, o tom é o mesmo: o dólar perde força ante o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano — e o real pega carona no contexto global, amparado também pelo otimismo doméstico.

Juros em queda

O alívio visto no dólar à vista provocou ajustes negativos nas curvas de juros, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como se comportaram os principais DIs nesta quarta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,70% para 4,68%;
  • Janeiro/2023: de 5,90% para 5,82%;
  • Janeiro/2025: de 6,49% para 6,42%;
  • Janeiro/2027: de 6,81% para 6,73%.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

BALANÇO

Receita bruta da Cia Hering soma R$ 502,9 milhões no 4º trimestre

Segundo a empresa, as vendas mesmas lojas apresentaram queda de 4% na rede Hering. Importante destacar que a rede apresentou nos últimos 7 trimestres crescimento desse indicador

AQUISIÇÃO

BC autoriza que Banco Inter compre 70% de controladora da DLM Invista

Hoje, a DLM possui R$ 4,5 bilhões em ativos sob gestão e é responsável pela gestão fundos de investimento e previdência privada, além de gestão de patrimônio por meio de fundos e carteiras de clientes de alta renda

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nada além de céus azuis

“Blue days / All of them gone / Nothing but blue skies / from now on” Caro leitor, Os versos da canção otimista de Irving Berlin, composta há quase cem anos, dizem, numa tradução livre, que os dias “azuis” (no sentido de “tristes”, “depressivos”) se foram e que, de agora em diante, não haverá nada […]

Perto dos 119 mil pontos

Ibovespa ganha força na reta final, fecha em alta e crava um novo recorde; dólar sobe a R$ 4,18

Após passar boa parte da sessão flutuando perto do zero a zero, o Ibovespa acordou nos últimos minutos e chegou a uma nova máxima histórica, engatando a terceira alta consecutiva. O dólar à vista, por outro lado, teve um dia mais pressionado e subiu a R$ 4,18

DE OLHO NOS FUNDOS

Patrimônio dos fundos cresce 15,27% e vai a R$ 5 trilhões, diz Economatica

Em dólares, a indústria de fundos se mantém acima de US$ 1 trilhão desde dezembro de 2016.

UM PLANO DE INVESTIMENTOS

Já pensou em se aposentar aos 40 anos e viver de renda?

Esse conteúdo é para quem não está disposto a esperar até os 65 anos para se aposentar

Banco do Brasil zera custódia para investimentos em bolsa

Isenção já está em vigor e vale para os clientes do banco que investem em ações, fundos de índice (ETFs) e fundos imobiliários na bolsa

OLHOS ATENTOS

Bank of America rebaixa e corta preço-alvo das ações de Itaú e Bradesco; papéis caem

O banco cortou o preço-alvo em 12 meses para as ações de ambos. No caso do Itaú, o preço-alvo ficou em R$ 34, com potencial de queda de 3% em relação ao fechamento de sexta-feira (17). Já o Bradesco teve o preço-alvo reduzido para R$39, o que representa uma potencial expansão de 10%

Altas e baixas

Raia Drogasil, bancos e varejistas: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As ações da Raia Drogasil aparecem entre as maiores altas do Ibovespa após o Credit Suisse elevar a recomendação e o preço-alvo dos papéis

mais otimismo

FMI aumenta projeção para o PIB do Brasil para 2,2% em 2020

De acordo com o Fundo, a elevação da estimativa do PIB do Brasil para este ano ocorreu sobretudo devido à melhora do sentimento após a aprovação da reforma da Previdência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements