Menu
2019-03-01T10:33:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

Emergentes receberam US$ 26 bilhões em ingressos de portfólio em fevereiro

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra que a China concentra o recebimento de recursos

1 de março de 2019
10:33
mercados emergentes
Imagem: Shutterstock

Os mercados de ações e dívida de economias emergentes encerraram fevereiro com captação US$ 25,6 bilhões, segundo estimativas preliminares do Instituto Internacional de Finanças (IIF). Apesar de positivo, o resultado é menos da metade dos US$ 60,6 bilhões de janeiro, que marcaram o melhor resultado em um ano.

Para os técnicos do IIF, a percepção com relação às economias emergentes ficou mais positiva recentemente, impulsionada pela mudança de postura do Federal Reserve (Fed), banco central americano, que está sem pressa de seguir com o ajuste de sua política monetária, uma redução nas tensões comerciais entre China e Estados Unidos e menor preocupação com o crescimento mundial.

Dos US$ 25,6 bilhões destinados aos emergentes, US$ 11,8 bilhões ficaram com os mercados de dívida, contra US$ 41,6 bilhões em fevereiro. Nesse segmento, os mercados da Ásia ficaram com US$ 5,3 bilhões no mês passado e os da América Latina com outros US$ 3,5 bilhões.

Já os ingressos para o mercado de ações foram de US$ 13,8 bilhões, com a China concentrando US$ 10,6 bilhões e o restante dos emergentes dividindo US$ 3,2 bilhões.

Os fluxos ainda estão bastante concentrados no mercado chinês, mas o IFF acredita que outros emergentes devem começar a ser contemplados com mais dinheiro, já que a “caça por retornos” está claramente em andamento (“hunt for yield”).

O IIF também tem uma medida ampliada de fluxo estrangeiro, considerando captações bancárias e investimento direto. Os dados referentes ao mês de janeiro mostram ingresso líquido de US$ 20,9 bilhões, primeira leitura positiva depois de cinco meses de saídas.

Nessa medida mais ampla, os demais emergentes são destaque, com captação de US$ 31,7 bilhões, já que a China segue com perda de recursos (US$ 10,8 bilhões). Os países com melhores resultados foram África do Sul, com US$ 16,4 bilhões, e Índia, com US$ 13,3 bilhões. O Brasil aparece com US$ 9,4 bilhões, depois de uma perda de US$ 2,9 bilhões em dezembro. Na mão contrária, Arábia Saudita e Rússia amargam saques de US$ 12,7 bilhões e US$ 8,6 bilhões, respectivamente.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies