Menu
2019-11-01T09:15:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

Emergentes receberam US$ 22,5 bilhões para ações e dívida em outubro

Dados são do Instituto Internacional de Finanças (IIF), que também mostra preocupação com a persistente fraqueza das moedas emergentes

1 de novembro de 2019
9:15
mercados emergentes
Imagem: Shutterstock

Os mercados emergentes receberam US$ 22,5 bilhões em fluxo de portfólio em outubro, segundo estimativas preliminares do Instituto Internacional de Finanças (IIF). As ações ficaram com US$ 1,2 bilhão e os mercados de dívida concentram US$ 21,3 bilhões. Em setembro, o ingresso tinha ficado na casa dos US$ 38 bilhões.

Em relatório, o IIF reconhece a melhora de ambiente em função do avanço nas negociações comerciais entre China e Estados Unidos, mas chama atenção para o fato de que os cortes de juros feitos pelo Federal Reserve (Fed), banco central americano, não mostram o impacto sobre a cotação das moedas emergentes.

O esperado seria um movimento mais firme de desvalorização do dólar. Para o IIF, o que pode explicar essa reação mais tímida que a esperada é o fato de que nos últimos 10 anos os emergentes já receberam massivas quantidades de dinheiro, reflexo das políticas adotadas desde a crise de 2008/2009. Há uma “ressaca de posicionamento”.

A instituição está entre aquelas que enxerga o copo meio cheio em termos de crescimento global, mas mostra preocupação com a persistente fraqueza das moedas emergentes ante o dólar.

Segundo o IIF é possível elencar uma série de fatores que explicaram essa fraqueza das moedas, como tensões geopolíticas e queda no preço das commodities. Mas há um denominador comum que é a queda no fluxo de não residentes para o conjunto de emergentes (ex-China), que se mostra menos robusto mesmo diante de catalisadores positivos.

O IIF também tem uma medida ampliada de fluxo estrangeiro, considerando captações bancárias e investimento direto. Os dados referentes ao mês de setembro mostram saída líquida de US$ 31,4 bilhões, praticamente o dobro do volume registrado em agosto. A China responde por quase 50% dessa fuga de capital (US$ 17,3 bilhões).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Orçamento em foco

Presidente da Câmara defende a desvinculação total do orçamento

Arthur Lira (PP-AL) rejeita tese segundo a qual desvinculação deixaria setores essenciais sem recursos

Liminar

Tribunal de Contas de São Paulo suspende leilão de linhas da CPTM

Leilão estava previsto para a próxima terça-feira

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies