Gabriel Casonato
Cannabusiness
Gabriel Casonato
É editor da Empiricus e entusiasta do mercado de cannabis
2019-06-06T15:30:15-03:00
Canabusiness

Fundos de índice (ETF) permitem jogar contra ou duplicar a aposta no setor de maconha

Empresa canadense Horizons lançou ETF com referência no North American Marijuana Index, principal índice para o mercado de maconha

9 de junho de 2019
6:02 - atualizado às 15:30
Maconha bolsa
Imagem: Shutterstock

Em mais um sinal de amadurecimento da indústria legal de cannabis, investidores agora podem comprar fundos de ações negociados em Bolsa para jogar contra as empresas de maconha ou, em sentido oposto, duplicar a aposta em um bom desempenho do setor.

A empresa canadense Horizons, responsável pelo lançamento em 2017 do primeiro fundo de índice (ETF) do mundo focado exclusivamente nas chamadas pot stocks, anunciou há cerca de um mês o lançamento de mais dois fundos dedicados a elas.

São eles: o BetaPro Marijuana Companies 2x Daily Bull ETF, negociado na Bolsa de Toronto através do código "HMJU", e o BetaPro Marijuana Companies Inverse ETF, encontrado no mesmo local sob o ticker "HMJI". Ambos possuem uma taxa de administração de 1,45% ao ano.

Como o próprio nome indica, o primeiro é um ETF alavancado, que corresponde a duas vezes a performance do North American Marijuana Index, principal índice de referência para o mercado norte-americano – leia-se Estados Unidos e Canadá – de maconha.

Na prática, ele é indicado para os investidores mais otimistas, na medida em que duplica o desempenho das principais companhias que atuam no setor.

Por exemplo, digamos que o North American Marijuana Index suba 2% em um pregão. Neste caso, a variação de HMJU será positiva em 4%. Por outro lado, se o índice tiver um dia ruim e cair 3%, o ETF cairá o dobro, ou 6%.

Por este motivo, trata-se de um ativo bastante arriscado, indicado apenas para aqueles que acreditam no avanço e consequente bom desempenho da indústria a longo prazo. E, não menos importante, para aqueles que também tenham estômago para suportar a volatilidade acima da média das ações de maconha.

Para os pessimistas (mas não só)

O HMJI, por sua vez, é um ETF inverso, o que significa que ele proporciona uma exposição contrária ao índice de referência, shorteando ele na prática.

Usando o mesmo exemplo acima, de uma alta de 2% para o North American Marijuana Index, o HMJI amargaria uma queda da mesma magnitude. Já no caso de uma queda de 3% para o índice, o ETF subiria os mesmos 3% - daí vem o “Inverse” no nome.

Ao contrário do que possa parecer, não é um ativo indicado apenas para aqueles pessimistas com o setor. Ele também pode ser usado para fazer hedge de uma carteira majoritariamente comprada – long – no mercado de cannabis, reduzindo as perdas caso o racional para as empresas não se confirme.

Portanto, o BetaPro Marijuana Companies 2x Daily Bull ETF e o BetaPro Marijuana Companies Inverse ETF podem muito bem ser opções complementares, além de possibilitarem uma maneira muito mais simples para o investidor de se alavancar ou operar vendido no setor.

Índice sobe 146%

Tido como o principal índice de ações do setor e responsável por guiar o desempenho dos dois novos ETFs, o North American Marijuana Index acompanha o desempenho de 46 empresas que operam nos EUA e no Canadá, distribuindo um peso igual entre elas.

Dentre os principais requisitos mínimos exigidos para que uma companhia ingresse no índice estão uma capitalização de mercado média de, no mínimo, US$ 100 milhões e um volume diário de negociação de pelo menos US$ 2 milhões. O rebalanceamento do portfólio, por sua vez, é feito trimestralmente.

A maioria das ações que compõem o benchmark está listada no mercado OTC – sigla para over-the-counter, o chamado mercado de balcão. No entanto, as maiores empresas da carteira, como Canopy Growth, Aurora, GW Pharmaceuticals, Cronos e Tilray, já possuem seus papéis listados ou na NYSE ou na Nasdaq, podendo ser acessados com mais facilidade pelos investidores.

Dito isso, o North American Marijuana Index entregou um impressionante retorno de 146% desde a sua criação, em janeiro de 2015.

O desempenho foi ainda mais expressivo até o início de 2018, período em que o noticiário passou a ser dominado por manchetes sobre a legalização no Canadá e em diversos estados americanos – hoje o uso recreativo da maconha já é permitido em 11 estados nos EUA, sendo que outros 33 já liberaram o consumo para fins medicinais.

De lá para cá, o índice passou a oscilar e acumula uma queda, com o mercado corrigindo distorções de valuation, alguns altos e baixos no que diz respeito aos avanços na regulação e pelos primeiros resultados deixarem evidentes as dificuldades das empresas em transformar o forte crescimento das vendas em rentabilidade, o que é absolutamente natural para um setor ainda incipiente, com alta demanda por investimentos.

Aos olhos dos mais otimistas, tal correção pode ser encarada como uma rara janela de oportunidade para se posicionar, seja no ETF ou em algumas ações em específico.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Mãos ao alto

Mais um assalto: hackers roubam US$ 100 milhões em criptomoedas da blockchain Horizon

O ataque à ponte para blockchain já é o terceiro desde o início do ano; a companhia trabalha para recuperar os fundos perdidos

SEU DINHEIRO EXPLICA

‘Julgamento’ da Petrobras (PETR4): a estatal é a culpada pela explosão no preço do diesel e gasolina? Veja o ‘veredicto’ e descubra o impacto da empresa no seu bolso

O preço dos combustíveis explodiu nos últimos meses e, na procura de um bode expiatório, os olhos se voltam para a Petrobras, que estou em ‘julgamento’ que aponta se a petroleira é inocente ou culpada pelos valores que você paga para abastecer seu veículo

NOVO PARCEIRO, VELHOS PROBLEMAS

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 21 mil e criptomoedas criam “suporte” para aguentar falta de liquidez; veja o que movimentou o mercado esta semana

A maior corretora de criptomoedas do mundo está de olho no Brasil, mas a autoridade monetária brasileira não dará trégua

Putin sem saída?

Rússia está a dois dias de um calote forçado: dívida milionária vence — e o país segue suspenso de sistema de pagamentos internacional

Fim do prazo do pagamento de uma dívida de US$ 100 milhões aos EUA pode motivar ações legais contra a Rússia

Conta rendeira

PicPay corta rendimento da conta, mas retorno absoluto continua em alta; entenda

Em e-mail enviado a clientes, o PicPay informou que desde o dia 23 de junho, as carteiras deixaram de render 105% do CDI

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies