💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2019-05-08T10:38:38-03:00
Estadão Conteúdo
bolsonaro e trump

Governo diz que acordo sobre OCDE está mantido

Segundo o assessor especial para assuntos internacionais do governo, “há um impasse sobre o número de vagas a serem abertas na organização”

8 de maio de 2019
7:31 - atualizado às 10:38
O presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente americano Donald Trump
O presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente americano Donald Trump - Imagem: Montagem: Seu Dinheiro - Fotos: Shutterstock

Coube ao assessor especial para assuntos internacionais do governo Jair Bolsonaro, Filipe Martins, comentar nesta terça-feira, 07, publicamente a postura de diplomatas americanos que se mantiveram em silêncio na reunião da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em Genebra, sobre o apoio do governo Donald Trump à adesão do Brasil à entidade. A informação sobre a postura dos americanos foi revelada pelo jornal Valor Econômico.

"A posição do governo americano em relação ao ingresso do Brasil na OCDE é exatamente a mesma que foi adotada pelo Presidente Donald Trump no dia 19 de março: a de apoio claro e inequívoco ao início do processo de ingresso do nosso país na organização", escreveu Martins no Twitter. Segundo ele, "há um impasse sobre o número de vagas a serem abertas na organização, decisão que demandará consenso: enquanto países europeus desejam abrir 6 vagas, outros desejam abrir apenas 4, mas todos apoiam o acesso do Brasil".

O Broadcast procurou no final da noite os ministros Paulo Guedes (Economia) e Augusto Heleno (GSI), além da assessoria do Itamaraty, mas não houve retorno. Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro não mencionou o assunto até 23h40 da terça-feira tampouco o chanceler Ernesto Araújo ou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e acompanhou o pai na viagem em que o tema foi tratado com Donald Trump.

A oposição também usou as redes sociais para cobrar o governo brasileiro. "A subserviência de Bolsonaro a Trump agrada ao astrólogo ideólogo do governo morador dos EUA, mas não se traduz em nenhum ganho real para o País. Pelo contrário, já podem ser vislumbradas as perdas", escreveu o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), mencionando o escritor Olavo de Carvalho.

"Estados Unidos dão um chute no Brasil e não apoiam sua entrada na OCDE, mesmo depois do Brasil ter abdicado do tratamento diferenciado da OMC, complicando nosso comércio internacional. Até aonde vai o complexo de viralatismo do desgoverno Bolsonaro?", tuitou o deputado André Figueiredo (PDT-CE).

"EUA mantêm bloqueio na OCDE e não cumprem barganha com Brasil", postou o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS). "Belo acordo, capitão! Abrimos mão de vantagens comerciais que tínhamos na OMC a pedido do seu amigo @realDonaldTrump, que lhe retribuiu mantendo o bloqueio ao Brasil na OCDE. É isso que dá ser capacho de americano", ironizou o deputado Jorge Solla (PT-BA).

Os Estados Unidos se comprometeram a apoiar a candidatura do Brasil a membro da OCDE durante viagem oficial do presidente Jair Bolsonaro aquele país em março. O pleito brasileiro foi encampado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que vê a adesão ao chamado clube dos países ricos como um selo internacional de confiança no Brasil. "Estou apoiando o Brasil para entrar na OCDE", disse Trump no Salão Oval da Casa Branca, onde recebeu Bolsonaro no dia 19 de março.

O apoio formal dos EUA para a entrada do Brasil na OCDE é considerado crucial, mas veio com uma contrapartida. Em troca, o governo brasileiro concordou em "começar a renunciar" ao tratamento diferenciado dado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) aos países em desenvolvimento. Para os EUA, isso ajudaria a abrir caminho para a reforma que o país propõe nas regras globais de trocas comerciais.

Após a reunião privada com Bolsonaro, o presidente americano confirmou o posicionamento à imprensa nos jardins da Casa Branca. "Nós vamos apoiar. Vamos ter uma boa relação em diferentes formas. Isso é algo que vamos fazer em honra ao presidente (Bolsonaro) e ao Brasil", disse Trump em março.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PALAVRA DO TRADER

Enxergando o mercado sob a ótica dos traders profissionais e como eles interpretam as notícias

7 de dezembro de 2022 - 6:19

Como trader, seu objetivo é operar como os profissionais. Para isso você tem que olhar o mercado de forma objetiva e direta, sem distorções

LOTERIAS

Lotofácil faz novo milionário; Mega Sena sorteia R$ 115 milhões hoje

7 de dezembro de 2022 - 5:57

O bilhete premiado do concurso 2681 da Lotofácil dá direito a pouco mais de R$ 1,3 milhão; Mega Sena está acumulada há oito sorteios.

TÁ ESCRITO

Klabin (KLBN11) aprova investimento de até R$ 183 milhões e abre outra porta para um mercado bilionário; saiba qual

6 de dezembro de 2022 - 20:14

Com o aporte, a empresa dá passo para entrar em um segmento estimado em mais de US$ 20 bilhões e que tem alta taxa de crescimento esperada para os próximos anos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

PEC da Transição é aprovada, a nova queda do petróleo e o dia das criptomoedas; confira os destaques do dia

6 de dezembro de 2022 - 19:41

Na reta final do pregão — que foi de forte volatilidade devido à aversão ao risco que predominou em Wall Street —, o Ibovespa ganhou fôlego para fechar o dia em alta de 0,72%, aos 110.188 pontos. Isso porque a PEC da Transição, enfim, deslanchou e superou o seu primeiro desafio: a Comissão de Constituição […]

FECHAMENTO DO DIA

Senado dá sinal verde para PEC da Transição R$ 30 bi menor e Ibovespa sobe, contrariando NY; dólar recua

6 de dezembro de 2022 - 19:18

A forte queda do petróleo e a nova queda de 2% do Nasdaq, em Nova York, não impediram a alta do Ibovespa e nem o alívio no câmbio. O dólar à vista encerrou o dia em queda de 0,25%, a R$ 5,2697

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies