🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Brasileiro médio, juro mínimo, hábitos novos

“Minha mãe não entende absolutamente nada sobre crédito privado. Aliás, quem entende, de fato? Mas ela consegue entender o perfil de retorno dessa operação. Então, mesmo não entendendo nada sobre o que está comprando, ela compreende o que vai ganhar. E, pra ela, basta.”

15 de outubro de 2019
11:40 - atualizado às 12:04
Punho fechado com a bandeira do Brasil
Imagem: Shutterstock

Minha mãe votou no Bolsonaro. Ela não gosta do Bolsonaro. Gosta menos ainda do PT. Ela elogia bastante a plataforma de reformas do governo.

“Paulo Guedes é mineiro, né, filho? E mineiro você sabe…” Fica preocupada quando sai alguma notícia sobre uma eventual privatização da Cemig. “Ah, vai acabar sobrando pra minha sobrinha… sempre tem corte…” Ela também gostou da história de poder ter conta em dólares no Brasil. “Vai ficar mais fácil de viajar, hein, Lipe? Será que vai ser antes da gente ir pra Disney? Tomara. Tô muito animada… Acho que João vai ficar tão feliz…” Quase perde os cabelos quando sai notícia de perda de estabilidade do emprego no setor público. “Onde já se viu isso? A pessoa conquistou aquela segurança. Minhas primas já estão preocupadas. A Deoclécia está sem dormir, coitada; tem três filhas.” Fala super bem dos cortes de juro pelo Banco Central, e reclama do rendimento baixo do seu fundo DI.

Pedir coerência já é demais. Todos queremos o ajuste fiscal e uma agenda liberal, contanto, claro, que nosso privilégio (ou de nosso entorno) seja mantido. Acho que mamãe não se dá conta disso, claro. As ambivalências convivem dentro da gente normalmente sem dar conta mesmo.

Ela não entende muito de finanças. Quer dizer, depois de tudo que ela passou e sem nunca ter devido um real pra ninguém ou atrasado um boleto, acho que entende, sim. Só não sabe ou não consegue formalizar.

Sobes e desces dos Mirandas

Intuição é aquele conhecimento que fica escondido lá atrás do nosso cérebro. Também aqui acho que a gente não dá conta dele. Mamãe tem experiência em falências familiares. Só lá em casa foram quatro. Uma pior do que a outra. Aliás, talvez essa seja uma importante lição sobre falências familiares: a seguinte costuma ser pior do que a anterior.

Se você já quebrou uma vez ou presenciou uma falência próxima, não comete os mesmos erros do passado. Lá em casa, nós insistimos, “hat-trick”, e deu no que deu. Olhando agora, parece que deu certo, mas, nossa, foi sofrido pra caramba… e o papai não pôde ver. A virada chegou tarde demais. Uma pena.

Dada a montanha-russa patrimonial do clã, mamãe tem certo desgosto pelas ações. Ah, eu sei. Você tem razão. Eu deveria ter mais paciência — todo mundo adora falar isso pra mim. Ok, ok, mas já tentei. Várias vezes. Falei e falei que o papai fazia algo muito diferente, que trading alavancado é completamente distinto de value investing focado em longo prazo. Não adianta. Ela tacou um rótulo no mercado de ações e está duro para tirar. Teimoooosa — já viu uma mulher mineira? Jesus. Você não sabe o que é isso na vida de um cidadão de bem. Agora imagine a mãe e a esposa nessa teimosia braba. “Teimosia, não. É personalidade forte…”

Então, quando a mamãe pergunta onde está investido nosso patrimônio, eu costumo dar uma pequena tergiversada. Nada muito relevante, não. Eu mudo só uma coisinha ou outra. Não é que eu minta. Só omito detalhes. Falo que tenho 4% em ações. Qual o problema? É só um zero no final. O que isso muda? Por que eu tenho que redigir tudo, falar 40? Acho tão desnecessário…

Mas sabe que agora as coisas estão mudando? A gente tem uma conta conjunta no private banking do Itaú. Ok, pausa para o recebimento das pedras. Casa de ferreiro, espeto de pau. Desculpe por isso. Seguimos. Tem uma parte legal dessa história. Ela recebe os relatórios do research do Itaú. Ontem, recebeu a projeção de taxa Selic a 4,0% em 2020. Ela se assustou. Ligou pra mim e tudo.

“Filho, não quero incomodar, mas…”
"Mãe, você não incomoda… pode falar.”

Ela já estava preocupada com o dinheiro rendendo menos em suas aplicações pós-fixadas. Somou A com B e percebeu que a coisa vai piorar.

No mesmo dia em que recebeu o tal relatório de atualização macro, recebeu também a abordagem do nosso banker. Eu gosto dele, deixo claro. O sujeito mandou mensagem no WhatsApp (Zap is the new call center) para oferecer uma operação de crédito estruturado, pagando IPCA mais alguma coisa. Ela, que nunca se interessa por ações, se empolgou com a operação sugerida e me pediu para participarmos da emissão.

Não tenho nada contra essa emissão em particular. Ao contrário, pra ser sincero, gosto dela. Possível, talvez pudesse dizer provável, que aloquemos alguns caraminguás nessa história — dinheiro pouco a gente tem muito. Mas essa abordagem reflete uma dinâmica perversa na indústria de investimentos hoje no Brasil.

Deixe-me tentar ser claro sobre meu ponto.

O que minha mãe entende

Minha mãe não entende absolutamente nada sobre crédito privado. Aliás, quem entende, de fato, sobre crédito privado ou operações estruturadas no Brasil? Sejamos sinceros sobre isso. Mas ela consegue entender o perfil de retorno dessa operação. “A senhora vai ganhar IPCA mais alguma coisa. Sendo que essa alguma coisa é mais do que paga o título público equivalente.” Como aquilo não tem volatilidade, passa a falsa sensação de garantido, sem risco.

Então, mesmo não entendendo nada sobre o que está comprando, ela compreende o que vai ganhar (ainda que não compreenda a matriz de riscos envolvida). E, pra ela, basta. Se a oferta ainda vem temperada com a retórica de isenção de IR, mais fácil ainda para o vendedor. É como tirar doce (no caso, dinheiro) da boca de uma criança.

Agora compare isso com o caso das ações. Se o banker ligar para a minha mãe para oferecer a ação de uma determinada empresa, ela também não vai entender o produto em si. Fora das companhias cujas marcas são conhecidas (ela adora a Natura, por exemplo; parece haver algo mágico naquele sabonete de erva doce), ela provavelmente não vai saber que aquela ação representa uma pedaço de uma firma, que atua no setor tal, com essa vantagem competitiva e aqueles desafios operacionais e estratégicos.

Até aí, estamos parecidos com o caso da oferta de crédito privado, que o investidor-alvo-potencial também não compreende. Contudo, se no caso da operação estruturada supracitada o banker poderia dizer que o retorno seria “IPCA mais alguma coisa acima do retorno da NTN-B”, agora não gozamos mais dessa prerrogativa. Se, na situação anterior, era muito simples para a minha mãe entender o retorno potencial de seu investimento, no caso das ações isso é perdido. Não tem como o investidor falar: “A ação da Petrobras vai pagar IPCA mais alguma coisa…”.

Então, sem entender a matriz de retorno potencial das ações e, supostamente, compreendendo para o caso do crédito privado, me parece natural imaginar que a opção pela “renda fixa” em detrimento da “renda variável” será o caminho, ainda que não se tenha a mínima ideia, em ambos os casos, de onde está, de fato, seu dinheiro.

Ela não entende igualzinho de crédito privado e de ações — talvez seja até pior para o primeiro caso. Mas não importa, porque o canto da sereia dos retornos aparentemente garantidos e sem volatilidade das emissões de renda fixa é muito encantador.

Ela não é a única

Qual o resultado? Uma bolha no mercado de crédito privado brasileiro, com spreads muito comprimidos para o investidor final e um estruturador/distribuidor que cobra taxas nababescas porque não há transparência nem concorrência nesse segmento para o investidor pessoa física. E como ela está desesperada por sair do CDI e quer qualquer pequeno delta sobre esse benchmark, supostamente garantido e sem risco, a bicicleta continua a girar. A música continua tocando. Até o momento em que ela para.

O Brasil está mudando. Todos nós precisaremos mudar também. Qualquer mudança nos coloca fora da zona de conforto. No final, isso é bom. Mas não adianta tentar encontrar atalhos. Não há atalhos.

A frase típica para isso talvez fosse: “Se você quer mais retorno, vai ter de correr mais risco”. Eu não acho que ela seja precisa para o momento. Eu penso que, se você quiser mais retornos, vai ter de incorrer em mais volatilidade — em particular, no mercado de ações.

E ele, na minha visão, hoje tem, no geral, menos risco do que as deturpadas operações do mercado de crédito privado brasileiro.

Há, claro, exceções para comprovar a regra. Mas elas são… bem… exceções.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar