Menu
2019-05-17T12:58:03-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nas redes

Bolsonaro: Quem não entende a lógica do contingenciamento é um abutre

Presidente usa redes sociais para dizer, também, que Dilma cortou R$ 10 bilhões da Educação e quem participou das manifestações foi usado como massa de manobra pelo bando do “Lula livre”

17 de maio de 2019
12:58
Bolsonaro e Guedes
Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro já chamou os manifestantes que foram às ruas, na última quarta-feira, contra o contingenciamento de gastos na Educação de “idiotas úteis” e “imbecis” e agora volta a defender seu ponto de vista falando que quem não entende a lógica do contingenciamento é um “abutre” e que as pessoas que protestaram foram usadas como massa de manobra pelo bando do “Lula livre”.

O presidente postou uma sequência de mensagens no seu “Twitter” atacando a “herança dos rombos causados pelo desgoverno do PT” e que seu governo tem trabalhado para manter, na medida do possível, a destinação dos recursos para áreas essenciais, mas que existe uma realidade e não podemos extrapolá-la.

A sequência de mensagem abre falando que a ex-presidente Dilma Rousseff cortou R$ 10 bilhões da Educação e doou R$ 50 bilhões para países amigos, sendo alguns deles ditaduras. “Quem participou dessa última manifestação e não tinha conhecimento disso eu lamento, mas foram usados como massa de manobra pelo bando do "Lula livre."

Depois, o presidente diz que: “há somente dois caminhos para evitar contingenciamento de gastos: ou imprime dinheiro e gera inflação, ou comete-se crime de responsabilidade fiscal. Quem finge não entender essa lógica age como um abutre, aguardando ansiosamente pelo mal do Brasil para no fim se alimentar dele”.

Ainda segundo o presidente, nosso momento atual serve para mostrar quão grave são as consequências de “um governo socialista, populista e completamente corrupto. Não há responsabilidade com o futuro do Brasil, mas apenas com seus propósitos ideológicos”.

Falando só para as bases

As manifestações que correram na quarta-feira foram o primeiro “grito das ruas” contra o Bolsonaro e ilustram como a falta de cuidado com a comunicação de ações de governo pode gerar desgastes desnecessários.

Contingenciamentos orçamentários têm ocorrido ano após ano dado o cenário de baixo crescimento econômico, mas sem grandes consequências políticas.

O caso atual parece ter saído do controle, por assim dizer, quando o ministro da Educação, Abraham Weintraub, falou que cortaria verbas de universidades que promovem “balbúrdia”, transformando assim um problema orçamentário em bandeira político/ideológica.

Foi atiçada, assim, uma base organizada e mobilizada que ganhou adesão de outros segmentos que não necessariamente são da turma “Lula livre”, que de fato estava presente, mas que também estão insatisfeitos com o governo.

O risco de manter a estratégia de carimbar todo o movimento como sendo “Lula livre” é perder o contato com os eleitores “menos fiéis”, ou de visão menos ideológica que também ajudaram a eleger o presidente.

Essa estratégia de comunicação de Bolsonaro, de manter a sua base mais próxima aguerrida, é correta, mas ele não precisa agredir ou desmerecer demais aliados para fazer isso, como comentamos em outras ocasiões (textos abaixo).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

comércio eletrônico

Desde o início da pandemia, e-commerce brasileira já ganhou 135 mil lojas

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado

atualização dos dados

Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Foram 1.254 novas mortes e 45.305 novas pessoas infectadas registradas nas últimas 24 horas, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada hoje

destravando o crédito

Banco do Brasil atinge R$ 3,3 bilhões em empréstimos no Pronampe em dois dias

Banco do Brasil se aproxima, assim, da meta de esgotar os recursos da iniciativa, aposta do governo Bolsonaro para destravar o crédito, ainda nesta semana

Prévia operacional

MRV bate recorde de vendas no 2º trimestre, totalizando R$ 1,81 bi e 11,5 mil unidades

Segundo prévia operacional, companhia também bateu recorde de volume de repasses, graças à regularização do Minha Casa Minha Vida

seu dinheiro na sua noite

A bolsa cheia e um restaurante vazio

Depois de quase quatro meses em home office, voltei a pisar hoje na redação do Seu Dinheiro. Foi uma passagem de um único dia para tratar de alguns assuntos com a Marina Gazzoni. Ela já retomou a rotina de vir ao nosso escritório duas vezes por semana, enquanto eu sigo na equipe que está em home […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements