🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Rafaella Bertolini
Sem empolgação

Melhora muito aguardada: Cogna (COGN3) sobe com trimestre melhor que o esperado, mas futuro ainda inspira cautela

Empresa diminuiu bastante seu prejuízo, mas analistas preferem esperar um ponto de inflexão mais claro na geração de caixa livre

Rafaella Bertolini
13 de agosto de 2021
14:37 - atualizado às 19:45
Foto Cogna
Imagem: Shutterstock

A Cogna (COGN3), um dos maiores grupos de educação do país, vinha decepcionando os acionistas com os últimos balanços. Podemos até dizer que, se fosse um aluno, estaria com o boletim recheado de notas vermelhas.

Mas desta vez foi diferente, o segundo trimestre de 2021 da empresa veio acima das expectativas dos analistas. Por isso, a ação fechou em alta de 1,53% nesta sexta (13), a R$ 3,32, depois de ter chegado a avançar mais de 4% ao longo do dia.

No período, o grupo registrou prejuízo líquido ajustado de R$ 20,376 milhões, uma redução de 85,4% nas perdas na comparação com o segundo trimestre de 2020 (quando registrou prejuízo de R$ 139,987 milhões), e bem abaixo dos R$ 84 milhões estimados por analistas da XP. Ou seja, ainda sem notas azuis, mas talvez aprovado no “conselho de classe”.

A receita líquida reduziu 5%, para R$ 1,3 bilhão, resultado 11% acima das expectativas da XP. De acordo com a empresa, a pressão sofrida pelo ensino presencial em decorrência das medidas de isolamento foi parcialmente compensada pelo crescimento observado nas receitas de ensino superior à distância e da unidade Vasta.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 292,216 milhões entre abril e junho, ante resultado negativo de R$ 139,485 milhões de igual etapa de 2020.

Já o Ebitda recorrente totalizou R$ 329,517 milhões no trimestre, avanço de 173,2% frente ao mesmo período de 2020, com a margem de 25,3%, notavelmente superior à de 8,8% registrada no ano anterior.

Segundo a empresa, a melhora refletiu a menor taxa de alunos inadimplentes e a diminuição dos gastos com docentes.

Outros destaques do balanço

  • A geração de caixa operacional pós-capex (GCO) acumulada no semestre foi de R$ 197 milhões, ante um consumo de R$ 2 milhões no primeiro semestre do ano anterior.
  • A relação dívida líquida/Ebitda ajustado dos últimos 12 meses atingiu 2,13 vezes, abaixo do limite de 3 vezes.

A companhia anunciou processo de captação de R$ 1,25 bilhão, que serão utilizados para alongamento do prazo médio da dívida.

Veja cinco ações descontadas que podem oferecer boas oportunidades aos investidores:

Operacional

Entre os destaques operacionais, a empresa cita o crescimento de 12,4% da base de alunos do segmento digital no segundo trimestre, enquanto sua receita cresceu 18,1%, com destaque para o EAD Premium.

"A combinação do crescimento na base de alunos digital com medidas adotadas pela administração da companhia para otimização de custos e despesas resultou em uma melhora na margem Ebitda Recorrente acumulada de Kroton em 28,6 p.p., mesmo com uma redução de receita do período", afirma. 

Já a Vasta registrou crescimento de R$ 31 milhões, ou 28,1%, na receita líquida, devido ao aumento observado na receita de todos os segmentos, principalmente subscrição ex-PAR (sistemas de ensino tradicionais e soluções complementares), que cresceu R$ 14 milhões.

"Após um difícil ano em 2020, a Cogna dá mais um importante passo de consolidação da retomada de performance, visando a construir o mais completo e digital ecossistema de educação do Brasil. Com esse grande objetivo pela frente, a empresa tem sido consistente com a estratégia de alocação de capital, priorizando segmentos e modelos de negócio asset light”, destaca a companhia.

Futuro ainda inspira cautela

Mesmo com essa melhora verificada no segundo trimestre, os analistas ainda estão cautelosos em relação à capacidade da Cogna de continuar a recuperação e voltar a oferecer lucro aos seus acionistas.

Tanto a XP quanto o BTG Pactual mantiveram recomendação Neutra para a ação. A primeira tem preço-alvo de R$ 5,10, o que representa um potencial de alta de 50%. Segundo os analistas, “ainda é cedo para mudarmos a visão estrutural sobre a empresa”.

No caso do BTG Pactual, o preço-alvo foi revisto de R$ 4 para R$ 3,50, muito próximo do valor registrado hoje, pouco abaixo dos R$ 3,40. Isso por conta do aumento do custo de capital no Brasil.

Segundo o banco, a reestruturação feita pela Cogna começou a mostrar resultados no segundo trimestre. Mas o cenário para a empresa ainda é bastante desafiador. “Preferimos manter certa cautela à espera de um verdadeiro ponto de inflexão na geração de caixa livre pela Cogna”.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar