🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Ações para ficar de olho

Cogna (COGN3), Yduqs (YDUQ3), Ser (SEER3) ou Ânima (ANIM3)? Qual a melhor ação para a sua carteira passar de ano?

O setor de educação foi afetado pela Covid. Veja algumas ideias de investimento em Cogna (COGN3), Yduqs (YDUQ3), Ser (SEER3) e Ânima (ANIM3)

Victor Aguiar
Victor Aguiar
2 de outubro de 2021
7:49 - atualizado às 13:34

O setor de educação tem quatro grandes players na bolsa: Cogna (COGN3) e Yduqs (YDUQ3) são os mais tradicionais e de maior porte, enquanto Ser Educacional (SEER3) e Ânima (ANIM3) têm crescido e ganhado espaço. Considerando a complexidade desse segmento, pode ser difícil tomar uma decisão de investimento.

Por isso, eu trouxe no vídeo abaixo alguns fatores importantes a serem levados em conta por quem pensa em comprar essas ações:

Esse é um setor que está em constante evolução — e que apresenta teses de investimento que mudam em horizontes relativamente curtos. Há não muito tempo, o Fies era o motor por trás das empresas do setor de educação; depois, com o programa de financiamento estudantil perdendo fôlego, a educação a distância (EAD) ganhou o protagonismo.

Com a pandemia, imaginava-se que os grupos que já estavam fortes no EAD e ofereciam cursos com mensalidades baixas seriam os grandes vencedores. No entanto, o que se verificou foi o contrário: tais graduações sofreram com um nível alto de evasão de alunos — o cenário de dificuldade econômica colocou os estudos em segundo plano.

Sendo assim, uma nova tese de investimentos emergiu — e mexeu com o equilíbrio de forças entre Cogna, Yduqs, Ser e Ânima.

Ânima (ANIM3) e Ser (SEER3): educação híbrida e cursos de Medicina

Ainda em 2020, percebeu-se que um fator fundamental para as empresas educacionais é a percepção de valor que os alunos têm dos cursos. Graduações baratas e com tecnologia de EAD deficitária eram abandonadas sem grande hesitação; por outro lado, cursos um pouco mais caros, mas com uma qualidade maior, conseguiam reter os estudantes.

Nesse contexto, uma nova avenida de crescimento começou a ser explorada: a dos cursos de Medicina e saúde. Tais graduações têm mensalidades elevadas — muitas vezes, superiores a R$ 10 mil — e um prazo mais alongado, de cinco ou seis anos. Exigem mais investimento por parte das empresas, mas também têm um nível de evasão baixíssimo.

Ânima (ANIM3) e Ser (SEER3) são duas que têm apostado forte nessa via, comprando faculdades e universidades que tenham cadeiras de Medicina. Assim, por mais que tenham ficado para trás na corrida do EAD, elas agora saem na frente nessa tese.

As duas também têm trilhado um caminho de educação híbrida, mesclando aulas presenciais e digitais — o que eleva o ticket médio e aumenta a percepção de valor por parte dos alunos.

No fim, tudo é uma questão de ticket: quanto mais vagas de EAD barato, menor ele será; quanto mais vagas de Medicina, maior será a mensalidade média.

Cogna (COGN3) e Yduqs (YDUQ3): a força das grandes

Isso não quer dizer que Cogna (COGN3) e Yduqs (YDUQ3) sejam carta fora do baralho. Elas também estão apostando na elevação do ticket, seja via aperfeiçoamento das tecnologias, seja via expansão dos cursos de Medicina. A questão é que elas têm uma base de alunos de EAD muito grande — um legado que afeta seus resultados hoje.

Apesar disso, as duas têm uma base de alunos bastante extensa e possuem uma capacidade financeira mais elevada, podendo fazer aquisições que a ajudem nessa transição.

Dito tudo isso, qual das ações das educacionais é melhor? Essa é uma resposta difícil — e a análise de algumas métricas de valuation, como o EV/Ebitda, ajuda na tomada de decisão. No vídeo, eu comparo os indicadores das quatro ações e dou outras dicas sobre a tese de investimento no setor:

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies