Menu
2019-04-04T13:46:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Make Brazil Great Again

Bolsonaro e Trump: mais um supositório da burocracia?

Líderes reforçam convergências ideológicas, mas resultados práticos ainda devem demorar para aparecer

19 de março de 2019
16:25 - atualizado às 13:46
bolsonaro-trump
Imagem: Flickr/Palácio do Planalto

Ao assistir a entrevista coletiva dos presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump lembrei de uma passagem citada por Roberto Campos em seu livro de memórias envolvendo o colega San Tiago Dantas, que costumava dizer que as visitas presidenciais e a imprensa de oposição são os melhores “supositórios da burocracia”.

Campos, que também foi diplomata, com passagens mais relevantes por EUA e Reino Unido, discorria sobre a limitação de eventuais vantagens práticas desse uso da política externa, mas como esse tipo de evento tenta colocar em evidência alguma vontade das burocracias oficiais.

Essa ida de Bolsonaro aos EUA transmite isso, uma vontade do mandatário de externar o alinhamento de um “novo Brasil”, de mostrar que é um “caso inédito nas últimas décadas” de não ser um presidente antiamericano.

Boa parte da fala dos dois também tratou da Venezuela, que segundo Trump tem um líder que é um “marionete de Cuba”, e para que Bolsonaro faz parte de uma coligação internacional, o Foro de São Paulo, que estava próximo de conquistar o poder, mas que “por vias democráticas nos libertamos disso no Brasil”. Ação militar contra Maduro? Todas as opções estão na mesa, disse Trump, e Bolsonaro disse que certos assuntos não se colocam publicamente.

O tema das “fake news” também apareceu na fala de Trump e são notórias as rusgas que os dois têm com a chamada “mídia tradicional”. Trump foi além e disse que “temos de fazer algo a respeito” quando perguntado sobre redes sociais, que estariam mostrando “discriminação grande” com alguns grupos e casos de ódio contra pessoas que estão no poder. Para Trump, o povo é inteligente e sabe filtrar as informações. Enquanto Bolsonaro avaliou que pessoas mais voltadas ao socialismo e comunismo vão abrindo suas mentes para a realidade.

O alinhamento dos dois presidentes no campo das ideias sempre foi evidente e sai ainda mais reforçado após o encontro e troca de afagos, como Bolsonaro desejando a reeleição de Trump.

Mas os efeitos práticos no lado econômico ainda são uma grande carta de intenções que levará tempo e muito esforço dos burocratas dos dois países para reproduzir a convergências dos líderes em acordos comerciais e de cooperação onde o dinheiro sempre fala mais alto.

Como disse o próprio Bolsonaro, após pergunta sobre as relações com a China, o Brasil continuará fazendo negócios com o maior número possível de países, não mais direcionado por viés ideológico.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Conheça a proposta

Biden anuncia acordo com republicanos para investir US$ 1,2 trilhão em infraestrutura

O valor final é menor do que a soma proposta pelo presidente democrata, mas marcará o maior investimento de longo prazo em infraestrutura em quase um século

novo sistema operacional

Microsoft apresenta o Windows 11 — aqui estão 7 novidades que você precisa conhecer

Nova versão do sistema operacional para computadores tem aplicativos de Android, novo design e Microsoft Teams melhorado; confira

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies