Menu
2019-11-13T18:52:05-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Reação do mercado

C&A frustra expectativas em primeiro balanço após IPO e ações caem forte

Um dos pontos que chamaram a atenção no balanço da companhia foi o fato de que o lucro líquido fechou o terceiro trimestre com queda de 40,5%, ante o mesmo período de 2018, assim como o fato de que a companhia perdeu poder competitivo e houve desaceleração das vendas nas mesmas lojas

13 de novembro de 2019
16:19 - atualizado às 18:52
C&A
logo da C&A - Imagem: Shutterstock

Depois de estreia na bolsa, o primeiro resultado da varejista C&A (código CEAB3), divulgado ontem (12) à noite, não foi digno de um grande desfile. E como reação, o mercado acabou penalizando bastante a companhia no pregão de hoje (13).

As ações da empresa terminaram esta quarta-feira cotadas em R$ 15, uma queda de 10,71%.

Um dos pontos que chamaram a atenção no balanço da companhia foi o fato de que o lucro líquido fechou o terceiro trimestre do ano em R$ 19,1 milhões, o que indica uma queda de 40,5% ante o mesmo período de 2018.

Mas, se fosse excluído o efeito da norma IFRS16 e equalizada a taxa efetiva de imposto de renda de 19,1% no período, a queda no lucro líquido no terceiro trimestre teria sido 2,7% menor do que no mesmo período do ano passado.

Além disso, a companhia sofreu uma queda de 1,1 ponto percentual em sua margem líquida, o que mostra que a eficiência da companhia diminuiu durante o terceiro trimestre, e ficou em 1,5%.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado também teve contração de 3,8% no terceiro trimestre e terminou o período em R$ 116,7 milhões.

A receita líquida, por sua vez, terminou o terceiro trimestre deste ano em R$ 1.252 bilhão, o que representa uma leve alta de 2,6% ante o mesmo período do ano passado.

Perda do poder competitivo

Mas há um detalhe. O balanço mostrou, contudo, que houve queda na margem bruta da companhia. Na prática, isso indica que a empresa perdeu poder competitivo em relação aos concorrentes.

No terceiro trimestre deste ano, a companhia terminou o período com uma margem bruta de 46,9%, o que representa uma contração de 0,8 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2018.

Ao olhar o balanço é possível ver que o recuo na margem bruta da C&A foi fruto de um menor benefício da proteção cambial sobre os produtos importados.

Apenas para ter uma ideia, a margem bruta da Renner, que é vista como principal referência no setor de varejo na bolsa, foi de 54,3% neste trimestre.

De olho na operação

Quem olhou o balanço com mais afinco também viu que as vendas em mesmas lojas, que mostram se houve ganho de produtividade da empresa, tiveram uma desaceleração de 4,6 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado e terminaram com crescimento de 0,8%.

Por outro lado, um indicador que subiu foi o de despesas operacionais que fechou o trimestre em R$ 529,7 milhões, uma alta de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Já se desconsiderarmos os efeitos da IFRS16, as despesas operacionais ficariam em R$ 538 milhões, uma expansão de 3,3% ante o terceiro trimestre de 2018.

No balanço, a empresa pontuou que as despesas operacionais aumentaram além do faturamento por conta da abertura de lojas e das despesas com royalties. Mas que, em contrapartida, tal indicador foi beneficiado por reversão de algumas provisões da companhia.

E o aumento nos gastos da companhia somado a perda de margem bruta contribuíram também para pressionar a margem Ebitda ajustada, que mede justamente a eficiência da companhia na sua capacidade potencial de gerar caixa.

No terceiro trimestre deste ano, a companhia encerrou o período com uma margem Ebitda ajustada de 9,3%, o que representa um recuo de 0,6 pontos percentuais.

Renner, o benchmark do setor

Outro ponto que pode ter impactado os papéis da C&A é justamente a comparação com a principal referência do setor, que é a Lojas Renner (LRNE3).

No último trimestre deste ano, a rival apresentou resultados abaixo das expectativas do mercado, mas obteve alta na geração de caixa do Ebitda ajustada e na receita líquida mesmo com a economia ainda bastante fraca.

Mas há quem diga que a retomada do consumo no país nos próximos meses com a retomada da economia ajudará a companhia, que é menos eficiente, a reduzir a distância de execução e de rentabilidade para a gigante Renner.

IPO

Os resultados anunciados ontem à noite (12) são os primeiros divulgados após a companhia realizar a sua abertura de capital na bolsa de valores (IPO, na sigla em inglês) no fim de outubro.

Na ocasião, a C&A captou R$ 1,63 bilhão e conseguiu vender as suas ações no preço mínimo da faixa indicativa, que variava de R$ 16,50 a R$ 20,00.

A maior parte dos recursos captados dos investidores estava direcionada para o bolso dos controladores e para o pagamento de dívidas, que foram contraídas também com os controladores. Com o dinheiro que sobrasse, a C&A disse que iria investir na ampliação da rede.

A varejista estreou com valor de mercado da ordem de R$ 5 bilhões. A oferta foi coordenada por Morgan Stanley, Bradesco BBI, BTG Pactual, Citigroup, Santander e XP Investimentos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies