Menu
2019-10-24T19:47:32+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Varejo

Renner tem queda de 2,6% no lucro líquido e resultados trimestrais abaixo das expectativas

Lucro, Ebitda e receita ficaram abaixo das expectativas dos analistas no terceiro trimestre

24 de outubro de 2019
19:45 - atualizado às 19:47
Fachada da loja Renner do Shopping Morumbi, zona sul da capital paulista.
Fachada da loja Renner do Shopping Morumbi, zona sul da capital paulista. - Imagem: Estadão Conteúdo/Fernando Pereira

As Lojas Renner divulgaram, após o fechamento do pregão desta quinta-feira (24), resultados trimestrais abaixo das expectativas do mercado. A varejista registrou lucro líquido de R$ 189,3 milhões no terceiro trimestre, queda de 2,6% ante os R$ 194,2 milhões auferidos no mesmo período de 2018. Segundo as previsões de analistas compiladas pela "Bloomberg", o esperado era um lucro líquido de R$ 199,667 milhões.

Sem os efeitos das normas contábeis IFRS 16, adotadas neste ano, a Renner teria tido crescimento no lucro líquido de 1,4%, a R$ 196,9 milhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

De acordo com a companhia, o resultado mais fraco se deveu a fatores como a normalização da alíquota efetiva de IR, após o reconhecimento, no terceiro trimestre do ano passado, de R$ 17,4 milhões referentes a uma decisão judicial; e ao menor resultado operacional devido a itens não comparáveis, principalmente a menor recuperação de créditos fiscais, ao aumento no provisionamento do Programa de Participação nos Resultados e à adoção das normas contábeis IFRS 16.

Se excluídos esses fatores, diz a empresa, o lucro líquido teria crescido 24,6% no período.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) total ajustado, que inclui varejo e produtos financeiros, foi de R$ 360,4 milhões, uma alta de 3,9% ante os R$ 347 milhões registrados no terceiro trimestre do ano passado. A cifra, porém, também veio abaixo dos R$ 383 milhões esperados pelos analistas.

Sem o efeito do IFRS 16, a alta do Ebitda teria sido de 7,2%, para R$ 371,9 milhões.

  • EXCLUSIVO: Acesse um livro raro sobre as engrenagens do mercado financeiro e que mudará completamente a sua visão sobre investimentos.

A Margem Ebitda ajustada total, entretanto, foi de 18,7%, inferior aos 20,3% do terceiro trimestre de 2018. Sem o efeito do IFRS 16, o indicador foi de 19,3%. Segundo a companhia, a margem menor se deve à menor Margem Ebitda do Varejo no período.

O Ebitda das operações de Varejo teve um recuo de 1,2% contra o terceiro trimestre do ano passado, totalizando R$ 257,1 milhões.

Vendas

A receita líquida de R$ 1,932 bilhão representou uma alta de 12,9% ante o R$ 1,712 bilhão registrados na comparação anual, mas ainda ficou abaixo dos R$ 2,097 bilhões projetados por analistas, segundo a "Bloomberg".

Segundo a Renner, durante o terceiro trimestre, as vendas seguiram em ritmo favorável, com aumento no fluxo de clientes, o que resultou em crescimento de Vendas em Mesmas Lojas de 8,3%.

As temperaturas mais baixas em julho favoreceram a venda dos itens mais pesados, deixando as lojas bem preparadas, em termos de estoque, para a chegada da nova coleção. A boa aceitação dos itens de primavera-verão e a adequada composição dos estoques permitiram o bom desempenho das vendas apesar da continuidade das baixas temperaturas em algumas regiões.

As vendas da Youcom tiveram crescimento de 24%, mas na Camicado, o processo de ajuste nos estoques afetou o mix de produtos, causando faltas no sortimento adequado, diz a companhia. Desta forma, a receita líquida da Camicado no trimestre caiu 3,7%.

O lucro bruto da operação varejo subiu 13%, a R$ 1,049 bilhão, resultando numa margem bruta de 54,3% - estável na comparação anual.

Números das Lojas Renner no trimestre

  • Lucro líquido: R$ 189,3 milhões (↓2,6%)
  • Receita líquida: R$ 1,932 bilhão (↑12,9%)
  • Ebitda: R$ 360,4 milhões (↑3,9%)
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements