Menu
2019-05-24T11:56:48-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mercado de capitais

Bancos têm R$ 40 bilhões “contratados” em ofertas de ações de empresas na bolsa

Número considera tanto ofertas públicas iniciais de ações (IPO) como de empresas já listadas (follow ons) e pode ser ainda maior, dependendo da aprovação da reforma da Previdência

24 de maio de 2019
11:55 - atualizado às 11:56
Sede da B3 em São Paulo
Sede da B3 em São Paulo - Imagem: Shutterstock

Apesar da agenda política conturbada, as empresas seguem bastante ativas nos bastidores do mercado de capitais. Os bancos que coordenam ofertas de ações na bolsa possuem hoje um volume de R$ 40 bilhões em emissões "contratadas" para acontecer neste ano.

O número foi divulgado hoje por Hans Lin, responsável pela área de banco de investimento do Bank of America Merrill Lynch (BofA), e considera tanto as ofertas de novas empresas via IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações) como emissões de empresas já listadas (follow ons).

Incluindo as operações que ainda estão em discussão, ele afirmou que esse número pode aumentar para R$ 80 bilhões. O que vai fazer a diferença é o tema que centraliza - e paralisa - as discussões no país.

"A reforma da Previdência é a chave", afirmou Lin a uma plateia de investidores reunidos em um evento da Abvcap, associação que reúne os gestores de fundos que compram participações em empresas, conhecidos como "private equity".

Com a aprovação da Previdência, a bolsa brasileira pode receber até R$ 400 bilhões adicionais em recursos nos próximos anos, principalmente de estrangeiros, segundo Lin.

A redução da taxa de juros para o menor patamar histórico joga a favor do investimento em bolsa. Nas contas do executivo do BofA, os fundos de ações recebem entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão por semana de recursos que antes estavam alocados em renda fixa.

O número de empresas na bolsa pode crescer de forma "dramática" com a aprovação das reformas, afirmou Pedro Costa, responsável no Santander pela área de mercado de capitais na área de ações, que também participou do evento.

A expectativa é que a agenda de ofertas de ações nos próximos seja concentrada na venda das participações detidas pela Caixa Econômica Federal, segundo Costa.

O executivo do Santander reconheceu, porém, que o otimismo já não é o mesmo do início do ano em razão da agenda política travada. "O clima está mais desafiador, mas ainda não azedou", disse.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies