Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-05-07T10:20:07-03:00
Tudo que vai me mexer com seu dinheiro hoje

Procuram-se debêntures sem Imposto de Renda

7 de maio de 2019
10:20
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Imagine que você estivesse em um leilão de relíquias. Você não tem grana para comprar tudo, mas está de olho em alguma boa pechincha. Só que do seu lado sentam Warren Buffett, Bill Gates e Jeff Bezos, ninguém menos do que os homens mais ricos do mundo. Eles estão com apetite para comprar e vão competir com você. Difícil a sua situação, não?

É quase isso que está acontecendo na disputa pelas debêntures de infraestrutura, títulos de crédito privado que têm isenção de imposto de renda para o investidor pessoa física. Os bancos não são isentos, mas também têm incentivos tributários para investir nesses papéis. É por isso que eles estão comprando tudo e o “produto” está em falta na prateleira.

Os fundos que investem em debêntures de infraestrutura - e vendem cotas para os investidores nas corretoras - estão reclamando que faltam papéis para comprar no mercado. Há fundos fechados para captação porque não encontram debêntures para comprar. Isso significa menos investimentos sem Imposto de Renda à venda na sua corretora.

O Vinícius Pinheiro conta os detalhes do que está acontecendo nesta reportagem.

Segura que vem mais balanço

Mais um dia para conferir se os resultados do primeiro trimestre das empresas batem com o esperado por analistas.

Agora de manhã, a badalada Magazine Luiza divulgou que teve um lucro líquido de R$ 132 milhões, dentro do esperado. Os números de vendas e geração de caixa (Ebitda) continuam gordos e mostram que a empresa vai muito bem, obrigado. Um dos destaques da companhia ficou por conta do Luizacred, unidade financeira da empresa, que registrou crescimento de 26% na sua base de cartões, se comparado ao primeiro trimestre de 2018.

Ambev também teve um lucro praticamente em linha com o esperado pelos analistas: R$ 2,7 bilhões no trimestre. O resultado é uma boa nova para a companhia, que vinha sofrendo para entregar melhores resultados, pressionada pela maior concorrência e por mudanças na dinâmica do setor de bebidas no Brasil. Segundo a empresa, o segmento de cervejas premium tem liderado o crescimento orgânico, com ganhos de participação de mercado, tendência que deve se manter nos próximos anos.

Também apresentaram seus números a BB Seguridade (holding que concentra os negócios de seguros do Banco do Brasil) e a BR Distribuidora (empresa de combustíveis operada pela Petrobras).

Acabou a mamata

Depois de uma semana em que o feriado “forçou” uma suspensão da discussão sobre a reforma da Previdência, a Comissão Especial que avalia o projeto volta a colocar a proposta nos holofotes. Hoje, o presidente da comissão, Marcelo Ramos (PR-AM), e o relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), se reúnem para falar sobre o plano de trabalho. As expectativas ficam sobre o relatório de Moreira, que deve dar uma ideia da desidratação da reforma e de quanto vai sobrar do famoso R$ 1 trilhão de Guedes.

Entre olavistas e militares

O novo presidente da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), Sérgio Segóvia, destituiu diretores ligados ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Desde o início do novo governo, a Apex virou alvo de uma disputa interna entre os grupos de “olavistas” e os militares que apoiam Bolsonaro. Vale lembrar que, entre outras funções, a agência, em tese, contribui para a internacionalização das empresas brasileiras e para atrair investimentos estrangeiros para o País. Chega dessas picuinhas, não?

A Bula do Mercado: novo capítulo na guerra comercial

Clima de suspense no mercado financeiro após os Estados Unidos confirmarem a taxa sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses a partir desta sexta-feira. Mesmo com a tensão dos últimos dias entre China e EUA, investidores seguem com esperanças de que um acordo comercial seja fechado.

A rodada final de negociações está marcada para acontecer na quinta e na sexta-feira, e deve contar com a presença de representantes do alto escalão dos dois países, incluindo o vice-premiê chinês. Enquanto as conversas continuam, ativos de risco devem ficar mais voláteis. As principais bolsas da Ásia encerraram a sessão de forma mista. Os índices futuros estão no vermelho em Nova York, prejudicando o pregão na Europa.

Em Brasília, hoje é dia de retomada nos trabalhos da comissão especial sobre a reforma da Previdência. Os deputados devem analisar a proposta de cronograma enquanto o governo continua sua busca por apoio político.

Ontem, o Ibovespa fechou o dia com queda de 1,04%, aos 95.008,66 pontos. O dólar encerrou a sessão em alta de 0,48%, a R$ 3,9580. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Um grande abraço e ótima terça-feira!

Agenda

Índices
- Anfavea divulga produção de veículos em abril
- Banco Central publica dados sobre a captação da poupança em abril
- Estados Unidos divulgam dados de emprego de março

Bancos Centrais
- Japão divulga decisão e política monetária

Balanços 1º trimestre
- No exterior: AB Inbev e AES.
- No Brasil: Ambev, Petrobras, Tim, Iguatemi, Comgás, CPFL, JHSF, Sanepar e Banco Pan.
- Teleconferência: Magazine Luiza, Unidas, BR Distribuidora, Ambev, BB Seguridade, Duratex,

Política
- Comissão especial da reforma da Previdência na Câmara faz reunião ordinária

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu