Menu
2019-05-06T21:26:46+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Todos ligados na TV Câmara

Reforma da Previdência volta a andar no Congresso Nacional

Depois de uma semana de “descanso”, deputados retomam debates sobre o texto na Comissão Especial. Na pauta, o plano de trabalho e 100 requerimentos

7 de maio de 2019
4:55 - atualizado às 21:26
Comissão Especial Previdência
Instalação da Comissão especial da reforma da Previdência e eleição do presidente e dos vice-presidentes - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A Comissão Especial destinada a avaliar a reforma da Previdência tem reunião na tarde desta terça-feira, 14h30. Em discussão, o plano de trabalho do presidente, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), e do relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

O mercado deve acompanhar as sessões de perto, fazendo contas e aguardando o relatório de Moreira, que vai dar uma boa ideia de qual será o tamanho da reforma, ou quanto do R$ 1,2 trilhão proposto pelo Executivo vai sobrar após as negociações políticas. O texto poderá sofrer novas modificações no plenário na Câmara.

Na semana passada, Ramos anunciou que a ideia é realizar audiências públicas com autoridades e especialistas ao longo do mês de maio e debater o conteúdo da reforma no mês de junho, já que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pretende votar o texto em julho, no plenário. A oposição já disse que quer alongar mais os debates.

O plano de trabalho será debatido hoje na Comissão Especial, que também vai avaliar os 100 requerimentos já apresentados pelos deputados. Já há convites para ouvir o ministro Paulo Guedes, por exemplo. Deverão ser ouvidas cerca de 60 pessoas, entre membros do governo, academia e de diferentes associações. A ideia inicial era fazer três sessões por semana.

No período das audiências públicas também ocorre a apresentação de emendas ao texto. Por ora, há apenas três emendas já formalizadas, uma tratando de aposentadorias rural e outras duas sobre as regras de transição para aposentadorias especiais e de professores.

Em artigo semanal publicado no jornal “Agora” do Amazonas, Ramos volta a dizer que a reforma da Previdência “é o Plano Real dessa geração”, mas pondera que é preciso um compromisso social com as pessoas mais humildes. Por isso, diz que agirá como “um guardião das aposentadorias de trabalhadoras rurais, pescadores, professores e dos benefícios de idosos e deficientes de baixa renda”.

Votos

Segundo Ramos, a votação do relatório de Samuel Moreira tem que ser coordenada com a construção de maioria no plenário. “Não adianta votar na comissão sem garantia de maioria no plenário”, disse na semana passada.

A Comissão Especial tem até 40 sessões para debater o tema. Quanto antes o texto sair de lá, é sinal de que o governo já angariou os 308 votos necessários para aprovação em plenário.

Para aprovação na Comissão Especial são necessários 25 votos dos 49 deputados que participam. Na semana passada, o governo disse já ter 19 desses votos, outros 13 condicionam a aprovação a modificações no texto.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desidratação

Os pontos mais criticados pelos deputados envolvem as mudanças na aposentadoria rural, no BPC e no abono salarial. Juntas, essas medidas representam cerca de R$ 308 bilhões, da economia de R$ 1,2 trilhão estimada pelo governo.

O secretário Especial de Previdência, Rogério Marinho, diz que o governo vai defender a integralidade da proposta. Tanto Marcelo Ramos quanto Samuel Moreira já deram indicações de que podem procurar outras fontes de receita para os itens que venham a ser modificados.

Também há um embate entre deputados e governadores sobre a extensão das novas regras previdenciárias para os entes federados. Estudo do Ministério da Economia mostra uma economia de R$ 350 bilhões para os Estados.

Os governadores, segundo o ministro Paulo Guedes, dizem precisar da reforma e apoiam as novas regras. Mas os deputados do chamado Centrão, cobram uma defesa explícita pelos governadores, que estariam criticando a reforma em suas bases eleitorais, deixando o ônus da matéria apenas com os parlamentares.

Sem reeleição

Também na semana passada, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) disse que o Centrão quer uma reforma que não garanta a reeleição de Bolsonaro.

A fala serve para lembrar que a lógica da política é o poder e que por mais que os deputados falem em “pensar no povo” ou em um “bem maior”, as negociações terão de envolver a divisão de poder e de eventuais dividendos eleitorais com a reforma.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Seu Dinheiro na sua noite

Paisagem na janela

O mercado financeiro tem todo um linguajar próprio, com uma penca de termos em inglês. Alguns deles já foram “tropicalizados”, por assim dizer, e fazem parte do dia a dia de quem acompanha as negociações. É o caso do IPO, que é a sigla para oferta pública inicial (ou initial public offering), como é chamada […]

Tudo pelo teto de gastos

FMI diz que ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Fundo afirma que uma reforma robusta e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: Natura e Avon no mesmo pote e o dia depois do ‘tsunami’

Semana foi marcada por negócio bilionário no segmento de beleza, briga pela Netshoes e novidades no front político.

Conquistando aliados

Entidades assinam manifesto pró-reforma da Previdência

Empresários alegam ter confiança na aprovação do texto e dizem que as mudanças são um primeiro passo para a retomada da confiança

Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

Se quiser ir, vai

Ninguém é obrigado a ficar como ministro, diz Bolsonaro sobre fala de Guedes

Na linha defendida por seu ministro da Economia, presidente voltou a dizer que sem a reforma previdenciária “será o caos na economia”

Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements