Menu
2019-04-04T13:50:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Resultado do IGP-M

Inflação do aluguel sobe 0,88% em fevereiro, mostra FGV

Resultado superou o teto das estimativas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de 0,59% a 0,75%

27 de fevereiro de 2019
15:04 - atualizado às 13:50
Aluguel ou compra de imóvel
IGP-M registrou aceleração em fevereiro - Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), considerado a inflação do aluguel, registrou alta de 0,88% em fevereiro, em aceleração ante a leve expansão de 0,01% em janeiro, revelou nesta quarta-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado superou o teto das estimativas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de 0,59% a 0,75%, e cuja mediana era de 0,69%.

A página do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV na internet estava fora do ar por volta das 8h10 desta quarta. As demais informações do IGP-M de fevereiro serão noticiadas assim que os dados forem disponibilizados, bem como o resultado do índice da confiança de serviços.

Preços ao produtor em alta

A FGV também divulgou dados que mostram o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subindo 1,22% em fevereiro, revertendo a queda de 0,26% em janeiro. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 9,50%.

Entre os componentes do índice, o IPA Agropecuário avançou 2,71% no mês, ante queda de 0,71% em janeiro, acumulando alta de 10,57% em 12 meses. Já o IPA Industrial teve expansão de 0,74% no segundo mês do ano, após ter recuado 0,12% na primeira leitura de 2018. Em 12 meses, acumula alta de 9,15%.

Na análise por estágios de processamento, os Bens Finais tiveram alta de 1,19% em fevereiro, após alta de 0,52% em janeiro. A principal contribuição para o movimento partiu de alimentos in natura, cuja elevação atingiu 17,41%, após 3,54% no mês anterior.

O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos 'alimentos in natura' e 'combustíveis para o consumo', teve queda de 0,12% este mês, após 0,53% em janeiro.

Já os Bens Intermediários cederam 0,35%, ante recuo de 0,99% no mês anterior. Neste grupo, o principal fator por trás da aceleração foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes, que avançaram 2,48% ante recuo de 4,56% em janeiro.

Nas Matérias-Primas Brutas, houve alta de 3,23% em fevereiro, em comparação à queda de 0,30% em janeiro. Contribuíram para a aceleração os seguintes itens: minério de ferro (de 2,99% para 11,98%), leite in natura (de -2,23% para 8,63%) e soja em grão (de -4,27% para -2,04%). Já no sentido oposto, destaque para bovinos (de 0,60% para -0,72%), algodão em caroço (de 1,96% para -1,41%) e mandioca (aipim) (de 4,52% para 2,22%).

Nesta quarta-feira, o Ibre/FGV relatou alta de 0,88% do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) em fevereiro, em aceleração ante a leve expansão de 0,01% em janeiro. Com a variação, a taxa acumulada em 12 meses ficou em 7,60%.

Outro componente do IGP-M, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) desacelerou em fevereiro, marcando 0,26%, de 0,58% em janeiro. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) teve expansão de 0,19%, após 0,40%.

Influências no IPA

O minério de ferro foi o item de maior contribuição para a alta do IPA, passando de 2,99% em janeiro para 11,98% em fevereiro. O movimento ocorre em linha com o encarecimento da commodity no mercado internacional, após o colapso da barragem em Brumadinho e as repercussões sobre a produção da Vale.

Também influenciaram positivamente as altas em Feijão (em grão) (de 15,61% para 62,35%), Óleo diesel (de -0,88% para 7,56%), Leite in natura (de -2,23% para 8,63%) e Batata-inglesa (de 4,17% para 40,80%).

Já entre as influências negativas, destaque para o recuo na carne bovina, que passou de alta de 0,98% em janeiro para queda de 4,24% em fevereiro. Outros itens que aliviaram o movimento foram Soja (em grão) (de -4,27% para -2,04%), Farelo de soja (de 0,23% para -5,30%), Querosene de aviação (de -8,72% para -10,45%) e Óleos combustíveis (de -11,83% para -3,85%).

*Com Estadão Conteúdo

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

mais uma pra bolsa

Distribuidora de medicamentos avalia IPO

Elfa Medicamentos atua no mercado de distribuição de medicamentos para hospitais e é controlada por fundos do Patria Investimentos

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil registra 1.283 mortes por covid-19 em 24 horas

Número total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no país chegou a 8.996.876, segundo Ministério da Saúde

Não tem mais desculpa

As opções conservadoras para ganhar mais de 100% do CDI com liquidez diária

Com a Selic tão baixa, algumas instituições financeiras de médio porte passaram a oferecer investimentos de renda fixa conservadora que pagam mais de 100% do CDI com liquidez diária; saiba onde encontrá-los

agora vai?

Caixa Seguridade retoma análise de oferta de ações

Empresa também pretende aderir ao Novo Mercado, segmento de mais alto padrão de governança corporativa da B3; processo havia sido interrompido no ano passado

balanço do ano

Tesouro Direto encerra 2020 com quase 1,5 milhão de investidores ativos

No último mês de dezembro, a STN registrou 67.839 novos investidores ativos. Ao todo, o Tesouro Direto possui 9,2 milhões de investidores cadastrados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies