Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:50:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Resultado do IGP-M

Inflação do aluguel sobe 0,88% em fevereiro, mostra FGV

Resultado superou o teto das estimativas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de 0,59% a 0,75%

27 de fevereiro de 2019
15:04 - atualizado às 13:50
Aluguel ou compra de imóvel
IGP-M registrou aceleração em fevereiro - Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), considerado a inflação do aluguel, registrou alta de 0,88% em fevereiro, em aceleração ante a leve expansão de 0,01% em janeiro, revelou nesta quarta-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado superou o teto das estimativas em pesquisa do Projeções Broadcast, que iam de 0,59% a 0,75%, e cuja mediana era de 0,69%.

A página do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV na internet estava fora do ar por volta das 8h10 desta quarta. As demais informações do IGP-M de fevereiro serão noticiadas assim que os dados forem disponibilizados, bem como o resultado do índice da confiança de serviços.

Preços ao produtor em alta

A FGV também divulgou dados que mostram o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subindo 1,22% em fevereiro, revertendo a queda de 0,26% em janeiro. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 9,50%.

Entre os componentes do índice, o IPA Agropecuário avançou 2,71% no mês, ante queda de 0,71% em janeiro, acumulando alta de 10,57% em 12 meses. Já o IPA Industrial teve expansão de 0,74% no segundo mês do ano, após ter recuado 0,12% na primeira leitura de 2018. Em 12 meses, acumula alta de 9,15%.

Na análise por estágios de processamento, os Bens Finais tiveram alta de 1,19% em fevereiro, após alta de 0,52% em janeiro. A principal contribuição para o movimento partiu de alimentos in natura, cuja elevação atingiu 17,41%, após 3,54% no mês anterior.

O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos 'alimentos in natura' e 'combustíveis para o consumo', teve queda de 0,12% este mês, após 0,53% em janeiro.

Já os Bens Intermediários cederam 0,35%, ante recuo de 0,99% no mês anterior. Neste grupo, o principal fator por trás da aceleração foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes, que avançaram 2,48% ante recuo de 4,56% em janeiro.

Nas Matérias-Primas Brutas, houve alta de 3,23% em fevereiro, em comparação à queda de 0,30% em janeiro. Contribuíram para a aceleração os seguintes itens: minério de ferro (de 2,99% para 11,98%), leite in natura (de -2,23% para 8,63%) e soja em grão (de -4,27% para -2,04%). Já no sentido oposto, destaque para bovinos (de 0,60% para -0,72%), algodão em caroço (de 1,96% para -1,41%) e mandioca (aipim) (de 4,52% para 2,22%).

Nesta quarta-feira, o Ibre/FGV relatou alta de 0,88% do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) em fevereiro, em aceleração ante a leve expansão de 0,01% em janeiro. Com a variação, a taxa acumulada em 12 meses ficou em 7,60%.

Outro componente do IGP-M, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) desacelerou em fevereiro, marcando 0,26%, de 0,58% em janeiro. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) teve expansão de 0,19%, após 0,40%.

Influências no IPA

O minério de ferro foi o item de maior contribuição para a alta do IPA, passando de 2,99% em janeiro para 11,98% em fevereiro. O movimento ocorre em linha com o encarecimento da commodity no mercado internacional, após o colapso da barragem em Brumadinho e as repercussões sobre a produção da Vale.

Também influenciaram positivamente as altas em Feijão (em grão) (de 15,61% para 62,35%), Óleo diesel (de -0,88% para 7,56%), Leite in natura (de -2,23% para 8,63%) e Batata-inglesa (de 4,17% para 40,80%).

Já entre as influências negativas, destaque para o recuo na carne bovina, que passou de alta de 0,98% em janeiro para queda de 4,24% em fevereiro. Outros itens que aliviaram o movimento foram Soja (em grão) (de -4,27% para -2,04%), Farelo de soja (de 0,23% para -5,30%), Querosene de aviação (de -8,72% para -10,45%) e Óleos combustíveis (de -11,83% para -3,85%).

*Com Estadão Conteúdo

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Analistas respondem

Ações da Vale aprofundam queda no ano com sinais ruins do relatório de produção e vendas no 3º trimestre. Hora de comprar VALE3?

Analistas apontam que, enquanto a produção foi sólida, a venda de minério de ferro veio abaixo do esperado até pelas estimativas mais conservadoras

Puxando os ETFS

Chove bitcoin, molha ETF: fundos de índice brasileiros sobem até 19% em dia de recorde do BTC

Enquanto o primeiro ETF de criptomoeda dos Estados Unidos avança tímidos 3%, na B3, o avanço é de até 19,78%

Cabo de guerra

Sem explicar origem da verba, Bolsonaro confirma Auxílio Brasil em R$ 400 e promete respeitar teto de gastos

Apesar da promessa do presidente, o governo flerta com a flexibilização do teto para conseguir arcar com o valor do benefício

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies