Menu
2019-12-13T18:53:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pelos poderes de Grayskull

Com corte na Selic e alívio na guerra comercial, o Ibovespa teve a força nessa semana

Sinalizações amigáveis do BC em relação à taxa de juros, visão positiva da agência de risco S&P quanto ao Brasil e acordo comercial entre EUA e China: eis os superpoderes do Ibovespa nesta semana

13 de dezembro de 2019
18:51 - atualizado às 18:53
He-Man Ibovespa
Pelos poderes de Grayskull, eu tenho a força! - Imagem: YouTube

O Ibovespa parece encantado, rodeado por uma aura superpoderosa.

Somente em dezembro, o índice já cravou cinco novos recordes de fechamento — o mais recente deles foi obtido nesta sexta-feira (13), ao encerrar o pregão em alta de 0,33%, aos 112.564,86 pontos. E olha que não faltaram Esqueletos atrapalhar os planos da bolsa brasileira nos últimos dias.

Mas se é verdade que os riscos no horizonte dos mercados eram inúmeros, também é verdade que o Ibovespa tem recebido uma ajuda quase sobre-humana — poderes de Grayskull, diriam alguns. Desde o início do mês, o mundo parece conspirar a favor dos ativos locais, e, nessa semana, não foi diferente.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Sinalizações amigáveis do Banco Central em relação ao futuro da taxa de juros, posicionamentos mais otimistas de uma agência de classificação risco quanto às perspectivas do Brasil, desenvolvimentos favoráveis na guerra comercial entre Estados Unidos e China: tudo cooperou para encher o Ibovespa de coragem.

Tanto é que, somente nesta semana, o índice brasileiro acumulou ganhos de 1,30% — desde o início do mês, a alta do Ibovespa já chega a 4%.

O mercado de câmbio não ficou para trás: hoje, o dólar à vista até sofreu com uma pressão mais intensa, fechando em alta de 0,34%, a R$ 4,1076. Mas, na semana, a divisa americana caiu 0,95% — em dezembro, o alívio é de 3,14%.

Eu tenho a força!

O primeiro dos três vetores que impulsionou os ativos nesta semana é a taxa de juros: no Brasil e nos Estados Unidos, os bancos centrais definiram as diretrizes para as políticas monetárias — e, em ambos os casos, as sinalizações foram comemoradas pelos mercados.

Por aqui, o Copom cortou a Selic em 0,5 ponto, levando-a para o patamar de 4,5% ao ano — uma movimentação que era amplamente esperada pelos agentes financeiros. O detalhe que realmente trazia ansiedade aos investidores era a possível sinalização a ser emitida quanto aos próximos passos.

E as indicações foram muito bem recebidas pelo mercado. Em linhas gerais, o BC deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto no início de 2020, mas deixou claro que o ciclo de ajustes está no fim — tanto é que a autoridade vê a Selic em 4,5% no término do ano que vem.

Essas sinalizações serviram para ancorar as expectativas do mercado no curto prazo e trouxeram tranquilidade às operações, impulsionando o Ibovespa e trazendo alívio ao dólar.

Essa tranquilidade no mercado de câmbio pode até parecer contraditória, uma vez que, nos Estados Unidos, o Fed manteve as taxas de juros inalteradas na faixa de 1,50% a 1,75% ao ano — e deu a entender que permanecerá nesse nível ao longo de 2020.

Afinal, com essa discrepância nos movimentos, o diferencial entre as taxas de juros dos dois países se estreitou ainda mais, o que diminui a atratividade das operações de carry trade — quando um investidor coloca dinheiro num país, buscando apenas a rentabilidade dos juros elevados.

No entanto, economistas e analistas ressaltam que, apesar desse fator potencialmente negativo, a economia brasileira começa a dar sinais mais concretos de recuperação, o que ajuda a dar ânimo ao mercado. Além disso, os juros estão em queda no mundo todo, o que mantém a competitividade relativa do mercado brasileiro.

Superpoderes

Além das questões de política monetária, o Ibovespa e o mercado local de câmbio também ganharam um empurrão superpoderoso da agência de classificação de risco S&P Global, que elevou a perspectiva do rating do país, de "neutra" para "positiva".

A nota em si permanece a mesma: BB-, três níveis abaixo do grau de investimento. Mas a perspectiva melhor implica que o país está no caminho certo para buscar melhoras em seu rating.

Por mais que muitos analistas considerem que a classificação do país esteja defasada, especialmente após a aprovação da reforma da Previdência, fato é que a elevação da perspectiva já serve como primeiro sinal de que os mercados globais estão olhando com mais carinho para o Brasil.

E, como é de amplo conhecimento, o rali atual do Ibovespa tem sido sustentado pelos investidores locais, e não pelos estrangeiros, que ainda não retornaram ao mercado brasileiro. Quem sabe a ação da S&P Global representa um primeiro passo para a volta dos gringos?

Bandeira branca?

O vetor final da transformação do príncipe Adam em He-Man veio do exterior, com Estados Unidos e China finalmente fechando os termos da primeira fase de um acordo comercial — não sem antes gerar enorme turbulência no noticiário e nos mercados globais.

Mas, ao fim da sessão, a mensagem é a de que a nova rodada de tarifas que seria implantada pelo governo americano neste domingo (15) foi suspensa — esse era um fator que gerava enorme temor nos agentes financeiros, já que essas taxações incidiriam sobre produtos populares da China, como smartphones e laptops.

Por mais que os termos dessa primeira fase do acordo ainda não sejam públicos — tanto o presidente americano, Donald Trump, quanto representantes do governo chinês deram apenas detalhes genéricos sobre o que irá acontecer —, a notícia afastou um fantasma do horizonte: o de aprofundamento da guerra comercial nas últimas semanas do ano.

Com isso, o Ibovespa encontrou espaço para subir mais um pouco nesta sexta-feira e cravar um novo recorde; as bolsas americanas também seguiram caminho semelhante, com o Dow Jones (+0,01%), o S&P 500 (+0,01%) e o Nasdaq (+0,20%) tendo ganhos tímidos, mas suficientes para levar os dois últimos índices às máximas.

Petrobras derrapando

Os ganhos d Ibovespa só não foram maiores hoje por causa do desempenho negativo das ações da Petrobras: as ONs (PETR3) caíram 4,69% e as PNs (PETR4) recuaram 3,20%, pressionando o índice como um todo.

As baixas nos papéis se devem à notícia de que o BNDES pretende vender sua fatia na estatal — 10% das ONs — via follow-on. Assim, com um grande lote de ações prestes a chegar ao mercado, o preço dos ativos cai, ajustando-se à maior oferta.

No campo oposto, as ações ON da Via Varejo (VVAR3) subiram 8,70% e lideraram as altas do índice, apesar da revelação de uma fraude contábil que provocará um impacto bilionário nos resultados da empresa no quarto trimestre — o mercado continua dando um voto de confiança à nova gestão da companhia, que agora é comandada pela família Klein.

Top 5

Veja quais foram os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +8,70%
  • MRV ON (MRVE3): +6,23%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +5,80%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +4,87%
  • Cielo ON (CIEL3): +4,52%

Saiba também quais foram as maiores baixas do índice no momento:

  • Petrobras ON (PETR3): -4,69%
  • BRF ON (BRFS3): -4,39%
  • Petrobras PN (PETR4): -3,20%
  • IRB ON (IRBR3): -2,29%
  • Rumo ON (RAIL3): -1,82%

Juros estáveis

As curvas de juros apenas flutuaram ao redor da estabilidade nesta sexta-feira, descolando do tom mais pressionado visto no dólar à vista. Veja abaixo como ficaram os principais DIs hoje:

  • Janeiro/2020: estável em 4,40%
  • Janeiro/2021: de 4,54% para 4,51%;
  • Janeiro/2023: de 5,75% para 5,72%;
  • Janeiro/2025: de 6,34% para 6,36%;
  • Janeiro/2027: de 6,68% para 6,70%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Em grave crise econômica, Venezuela avalia privatizar petróleo

Representantes do governo conversaram com diferentes empresas, diz agência; medida abandonaria décadas de monopólio estatal

O que mexe com os negócios hoje

Com coronavírus no radar, mercados ensaiam dia de recuperação

Ontem o dia foi de temor nos mercados, como reflexo da rápida disseminação do coronavírus pelo mundo. Nas primeras horas da manhã tanto as sessões europeias como os índices futuros em Wall Street ensaiavam uma recuperação

bons negócios

JBS faz acordo com empresa chinesa que deve movimentar R$ 3 bilhões

Parceria com WH Group oferecerá portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara

agenda oficial

BNDES vai até Brasília explicar ‘caixa-preta’

Comitiva vai dar explicações sobre a auditoria de R$ 48 milhões; estudo não encontrou nenhuma irregularidade no banco

entrevista

Por que o coronavírus é mais um elemento de risco à economia, segundo este especialista

Segundo o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale, a doença aumenta as incertezas nos mercados; entenda

dados oficiais

Na China, número de mortes pelo coronavírus passa de 100

Autoridades de saúde da China afirmam que mais de 4 mil pessoas foram infectadas

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, só voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements