Menu
2019-12-13T17:19:25-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados hoje

Turbulências e acordo entre EUA e China: o Ibovespa tem uma sexta 13 cheia de sustos

China e Estados Unidos anunciaram o fechamento da primeira fase de um acordo comercial, mas a falta de detalhes mais concretos deu um tom de anticlímax ao desfecho. Como resultado, os mercados têm uma sessão instável

13 de dezembro de 2019
10:30 - atualizado às 17:19
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa e os mercados globais têm uma sexta-feira 13 bastante agitada. A sessão não chega a ser um filme de terror, daqueles com um banho de sangue — está mais para um suspense cheio de reviravoltas, que deixa o espectador nervoso com o que poderá acontecer na próxima cena.

Tudo isso porque a temporada 2019 da guerra comercial está em seus capítulos finais — e o roteiro está recheado de surpresas. Como resultado, as bolsas mundiais apresentam um comportamento instável e mudanças súbitas de humor.

O Ibovespa, por exemplo, abriu em alta, virou para queda, voltou para o campo positivo e perdeu força mais uma vez — agora, prefere não se afastar muito da estabilidade. Por volta de 17h15, o principal índice da bolsa brasileira avançava 0,08%, aos 112.293,49 pontos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os mercados acionários dos Estados Unidos tiveram trajetórias semelhantes: o Dow Jones (+0,02%), o S&P 500 (+0,01%) e o Nasdaq (+0,21%) agora andam de lado, depois de um intenso sobe-e-desce durante a manhã.

No câmbio, o dólar à vista também passou por idas e vindas na primeira etapa da sessão, mas, ao contrário das bolsas, terminou o dia mais pressionado: a moeda americana fechou em alta de 0,34%, a R$ 4,1076. Ainda assim, a divisa acumulou baixa de 0,95% na semana.

Para entender melhor o que está acontecendo com os ativos nesta sexta-feira, é melhor separar os movimentos em etapas. Comecemos, então, pelo otimismo do início do dia.

Manhã eufórica

Desde a noite passada, diversos relatos na imprensa internacional apontavam para a iminência da assinatura da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China — ambos os governos teriam chegado a um terreno comum, faltando apenas a formalização dos termos.

Para completar o quadro de euforia, o partido conservador venceu as eleições gerais no Reino Unido, ampliando os poderes do atual primeiro-ministro, Boris Johnson — o que, consequentemente, eleva as chances de uma conclusão mais rápida no Brexit.

Assim, o Ibovespa abriu o dia no campo positivo e renovou as máximas intradiárias, aproximando-se dos 113 mil pontos. Nos Estados Unidos, os futuros das bolsas americanas também operavam em alta, indicando uma sessão tranquila no exterior.

Mas, aí...

Bu!

...aí o presidente americano, Donald Trump, foi ao Twitter para colocar água no chope dos mercados: numa curta mensagem, ele negou que as negociações entre as potências estivessem em vias de conclusão:

"A matéria do Wall Street Journal sobre o acordo com a China está completamente errada, especialmente as afirmações em relação às tarifas", escreveu Trump, classificando o texto como "fake news".

A declaração do presidente americano esfriou o ânimo dos mercados, jogando o Ibovespa e as bolsas americanas ao campo negativo, além de fazer o dólar à vista virar para alta.

Então, chegamos ao terceiro ato do filme:

Aperto de mãos

Pouco tempo depois, o governo chinês confirmou publicamente o fechamento da primeira fase de um acordo comercial com os EUA, afirmando que as tarifas que o governo americano começaria a impor sobre as importações do país a partir de domingo (15) estavam suspensas.

A notícia deu mais uma injeção de ânimo nos mercados, que voltaram a subir — o Ibovespa tocou os 112.829,31 pontos (+0,56%), uma nova máxima intradiária. As bolsas americanas também retornaram ao campo positivo.

E, desta vez, Trump não negou o noticiário: também via Twitter, o presidente americano confirmou o fechamento da primeira fase do acordo:

"Chegamos à primeira fase de um acordo muito grande com a China. Eles concordaram com muitas mudanças estruturais e enormes compras de produtos agrícolas, manufaturas, energia e muito mais", escreveu Trump, também confirmando que as novas tarifas do dia 15 serão suspensas.

O desfecho da história, contudo, não foi capaz de sustentar o Ibovespa e as bolsas americanas nas máximas, uma vez que ainda não há detalhes mais concretos quanto ao teor do acordo.

A suspensão das tarifas de domingo foi comemorada pelos mercados, uma vez que essa nova rodada de sobretaxas afetaria produtos populares, como smartphones e laptops. No entanto, a falta de maiores informações trouxe um certo vazio ao anúncio.

Em resumo: depois de muitas idas e vindas, o desfecho da história soou como um anticlímax. E, assim, o Ibovespa e as bolsas americanas sofrem para se sustentar em alta.

Petrobras derrapando

Uma boa parcela da cautela vista no Ibovespa se deve ao desempenho negativo das ações da Petrobras: as ONs (PETR3) caem 4,78% e as PNs (PETR4) recuam 3,33%, pressionando o índice como um todo.

As baixas nos papéis se devem à notícia de que o BNDES pretende vender sua fatia na estatal — 10% das ONs — via follow-on. Assim, com um grande lote de ações prestes a chegar ao mercado, o preço dos ativos cai, ajustando-se à maior oferta.

No campo oposto, as ações ON da Via Varejo (VVAR3) sobem 5,90% e lideram as altas do índice, apesar da revelação de uma fraude contábil que provocará um impacto bilionário nos resultados da empresa no quarto trimestre — o mercado permanece dando um voto de confiança à nova gestão da companhia, que agora é comandada pela família Klein.

Top 5

Veja quais são os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +5,90%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +4,94%
  • Natura ON (NATU3): +4,42%
  • Cielo ON (CIEL3): +3,45%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +3,40%

Saiba também quais são as maiores baixas do índice no momento:

  • Petrobras ON (PETR3): -4,78%
  • BRF ON (BRFS3): -3,83%
  • Petrobras PN (PETR4): -3,26%
  • GPA PN (PCAR4): -2,16%
  • Sabesp ON (SBSP3): -2,14%

Juros estáveis

As curvas de juros apenas flutuaram ao redor da estabilidade nesta sexta-feira, descolando do tom mais pressionado visto no dólar à vista. Veja abaixo como ficaram os principais DIs hoje:

  • Janeiro/2020: estável em 4,40%
  • Janeiro/2021: de 4,54% para 4,51%;
  • Janeiro/2023: de 5,75% para 5,72%;
  • Janeiro/2025: de 6,34% para 6,36%;
  • Janeiro/2027: de 6,68% para 6,70%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Entrevista exclusiva

CEO da BGC Liquidez projeta alta de até 12% para bolsa dos EUA e diz que dólar abaixo de R$ 4 é difícil neste ano

Mesmo com o câmbio um pouco mais alto, o especialista projeta que o PIB termine este ano com alta de 2,3%. Mas diz que um dos maiores perigos para a expansão é que a reforma tributária seja postergada novamente

BALANÇO

Receita bruta da Cia Hering soma R$ 502,9 milhões no 4º trimestre

Segundo a empresa, as vendas mesmas lojas apresentaram queda de 4% na rede Hering. Importante destacar que a rede apresentou nos últimos 7 trimestres crescimento desse indicador

AQUISIÇÃO

BC autoriza que Banco Inter compre 70% de controladora da DLM Invista

Hoje, a DLM possui R$ 4,5 bilhões em ativos sob gestão e é responsável pela gestão fundos de investimento e previdência privada, além de gestão de patrimônio por meio de fundos e carteiras de clientes de alta renda

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nada além de céus azuis

“Blue days / All of them gone / Nothing but blue skies / from now on” Caro leitor, Os versos da canção otimista de Irving Berlin, composta há quase cem anos, dizem, numa tradução livre, que os dias “azuis” (no sentido de “tristes”, “depressivos”) se foram e que, de agora em diante, não haverá nada […]

Perto dos 119 mil pontos

Ibovespa ganha força na reta final, fecha em alta e crava um novo recorde; dólar sobe a R$ 4,18

Após passar boa parte da sessão flutuando perto do zero a zero, o Ibovespa acordou nos últimos minutos e chegou a uma nova máxima histórica, engatando a terceira alta consecutiva. O dólar à vista, por outro lado, teve um dia mais pressionado e subiu a R$ 4,18

DE OLHO NOS FUNDOS

Patrimônio dos fundos cresce 15,27% e vai a R$ 5 trilhões, diz Economatica

Em dólares, a indústria de fundos se mantém acima de US$ 1 trilhão desde dezembro de 2016.

UM PLANO DE INVESTIMENTOS

Já pensou em se aposentar aos 40 anos e viver de renda?

Esse conteúdo é para quem não está disposto a esperar até os 65 anos para se aposentar

Banco do Brasil zera custódia para investimentos em bolsa

Isenção já está em vigor e vale para os clientes do banco que investem em ações, fundos de índice (ETFs) e fundos imobiliários na bolsa

OLHOS ATENTOS

Bank of America rebaixa e corta preço-alvo das ações de Itaú e Bradesco; papéis caem

O banco cortou o preço-alvo em 12 meses para as ações de ambos. No caso do Itaú, o preço-alvo ficou em R$ 34, com potencial de queda de 3% em relação ao fechamento de sexta-feira (17). Já o Bradesco teve o preço-alvo reduzido para R$39, o que representa uma potencial expansão de 10%

Altas e baixas

Raia Drogasil, bancos e varejistas: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As ações da Raia Drogasil aparecem entre as maiores altas do Ibovespa após o Credit Suisse elevar a recomendação e o preço-alvo dos papéis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements