Menu
2019-12-12T17:08:33-03:00
Dólar cai a R$ 4,10

Ibovespa acentua ganhos e se firma nos 112 mil pontos; Copom, S&P e Trump dão força ao mercado

O Ibovespa já se aproxima dos 112 mil pontos, impulsionado pelos sinais do BC quanto ao futuro da Selic, pela visão positiva da S&P Global em relação ao Brasil e por declarações de Donald Trump no âmbito da guerra comercial

12 de dezembro de 2019
10:24 - atualizado às 17:08
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados financeiros domésticos assumem um tom de comemoração, com o Ibovespa subindo e renovando as máximas. Os sinais do Copom quanto ao futuro da Selic, a postura otimista da S&P Global em relação ao Brasil e o tom animador de Donald Trump nas negociações com a China, somados, injetam ânimo nos investidores nesta quinta-feira (12).

Por volta de 17h00, o Ibovespa avançava 1,14%, aos 112.223,91 pontos — na máxima, tocou os 112.298,12 pontos, um novo recorde intradiário. O dólar à vista fechou em queda de 0,62%, a R$ 4,0935, marcando a oitava baixa na moeda americana nas últimas nove sessões.

Ontem, o Copom cumpriu as expectativas do mercado e cortou a Selic em mais 0,5 ponto, levando a taxa básica de juros ao patamar de 4,5% ao ano. Em seu comunicado, o BC não fechou a porta para uma baixa de 0,25 ponto no início de 2020, mas sinalizou que o ciclo de alívio monetário está perto do fim.

O tom assumido pela instituição foi elogiado pelo mercado: economistas e analistas disseram que o BC cumpriu bem o papel de ancorar as expectativas, por mais que não tenha cravado o próximo passo.

A autoridade afirmou que vê a Selic em 4,5% ao ano no fim do ano que vem, uma indicação que traz clareza quanto aos objetivos a serem perseguidos — restam apenas "ajustes finos" no curto prazo.

A concretização do corte de 0,5 ponto, somado às sinalizações positivas do Copom em relação ao futuro, já seriam suficientes para trazer bom humor às negociações nesta quinta-feira. No entanto, um fator surpresa contribui para melhorar ainda mais os ânimos por aqui: a elevação da perspectiva do rating do Brasil pela S&P Global.

A nota do país continuam em "BB-", três níveis abaixo do grau de investimento. No entanto, a perspectiva passou de "estável" para "positiva" — ou seja, a agência vê um cenário favorável para o país e indica que, na próxima revisão, o rating do Brasil tende a melhorar.

"O mercado está num tom mais positivo. A redução nos juros veio como era esperado pelo mercado, e a S&P causa um impacto positivo", diz Gabriel Machado, analista da Necton Investimentos. "Nos Estados Unidos, a decisão de juros também ficou em linha com as expectativas, os receios de recessão por lá têm se dissipado"

Animação no exterior

Lá fora, o clima é igualmente festivo nas bolsas: o Dow Jones opera em alta de 0,74%, o S&P 500 tem ganho de 0,76% e o Nasdaq avança 0,57% — o que coopera para que o Ibovespa consiga ganhar terreno sem maiores preocupações.

Esse otimismo visto nos mercados de Nova York está relacionado à guerra comercial, mais especificamente a uma manifestação do presidente americano, Donald Trump. Ainda durante a manhã, ele foi ao Twitter para falar sobre o atual estado das negociações com a China — e o tom usado pelo republicano animou os agentes financeiros:

"Estamos chegando muito perto de um grande acordo com a China. Eles querem, e nós também queremos!", escreveu o presidente americano.

O humor dos agentes financeiros melhorou ainda mais nesta tarde, após a Bloomberg reportar que os negociadores dos Estados Unidos fecharam os termos da primeira fase de um acordo comercial com a China — faltaria apenas o aval do presidente Trump para o acerto ser concretizado.

O timing para o fechamento de um acerto entre Washington e Pequim é crucial para os mercados, uma vez que, no próximo domingo (15), o governo dos EUA começará a aplicar uma nova rodada de sobretaxas às importações da China — e, desta vez, as tarifas incidirão sobre produtos populares, como smartphones e laptops.

Assim, os investidores aguardam ansiosamente o anúncio de algum tipo de acordo entre as partes, de modo a suspender ou prorrogar a aplicação dessas taxas — o que traria um enorme alívio aos mercados financeiros no mundo. E o tuíte de Trump vai exatamente nessa direção.

A manifestação do presidente americano também trouxe alívio às negociações de câmbio: o dólar passou a cair com maior intensidade em escala global, tanto em relação às moedas fortes quanto as de países emergentes.

Essa movimentação também foi refletida por aqui, levando o dólar à vista à faixa de R$ 4,09 — mais cedo, a divisa apenas flutuava ao redor da estabilidade, com um leve viés negativo.

Varejo e construção em alta

Por aqui, ações do setor de varejo e construção civil dominam a ponta positiva do Ibovespa nesta quinta-feira. De acordo com Machado, a perspectiva de manutenção da Selic em patamares baixos por um período prolongado dá ânimo a esses ativos, mais sujeitos aos ciclos da economia local.

"O cenário de juros baixos é bom para o consumo, já que o crédito fica mais barato. Também há o lado do endividamento dessas empresas: taxas menores reduzem as despesas financeiras, o que se traduz em mais lucro", diz o analista da Necton.

Entre as varejistas, Via Varejo ON (VVAR3) opera em alta de 6,40%, GPA PN (PCAR4) avança 3,23% e Lojas Americanas PN (LAME4) tem ganho de 5,26%; entre as construtoras, MRV ON (MRVE3) e Cyrela ON (CYRE3) são os destaques, com valorizações de 6,26% e 2,46%, respectivamente.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis com as maiores altas do Ibovespa nesta quinta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +6,40%
  • MRV ON (MRVE3): +6,26%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): +5,26%
  • B2W ON (BTOW3): +4,06%
  • Usiminas PNA (USIM5): +4,03%

Confira também as ações com os piores desempenhos do índice:

  • Sabesp ON (SBSP3): -4,07%
  • JBS ON (JBSS3): -0,79%
  • Marfrig ON (MRFG3): -0,72%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -0,58%
  • BRF ON (BRFS3): -0,47%

Juros em queda

Os sinais emitidos pelo Copom, não descartando a possibilidade de mais um corte de 0,25 ponto na Selic no início de 2020, provocaram ajustes negativos na ponta curta da curva de juros. No vértice longo, o tom também foi negativo, mas, nesse caso, a reação se deve mais à visão otimista da S&P para o futuro do país.

Veja como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2020: de 4,42% para 4,40%;
  • Janeiro/2021: de 4,61% para 4,54%;
  • Janeiro/2023: de 5,74% para 5,75%;
  • Janeiro/2025: de 6,35% para 6,34%;
  • Janeiro/2027: de 6,70% para 6,68%.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements