Menu
2019-11-25T17:44:48-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Realizando os lucros

Ibovespa destoa do exterior e cai, mas consegue sustentar os 108 mil pontos

Otimismo no front da guerra comercial dá forças às bolsas globais. O Ibovespa, no entanto, tem dificuldade para acompanhar o exterior após os ganhos firmes dos últimos dias

25 de novembro de 2019
10:24 - atualizado às 17:44
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A segunda-feira (25) é marcada por um clima de otimismo nas bolsas globais: os mercados acionários dos Estados Unidos e da Europa operam em alta e, na Ásia, os principais índices terminaram no azul. Só que, por aqui, o Ibovespa encontra dificuldades para se juntar à festa.

Após chegar a subir 0,20% na abertura e tocar os 108.914,73 pontos, o Ibovespa perdeu força e, por volta de 15h10, recuava 0,24%, aos 108.427,60 pontos. Uma baixa não tão expressiva, é verdade — mas também é fato que estamos na contramão do resto do mundo, que sobe em bloco.

Veja as bolsas americanas, por exemplo: o Dow Jones avança 0,58%, o S&P 500 tem ganho de 0,64% e o Nasdaq opera em alta de 1,09%. Na Europa e na Ásia, o tom foi igualmente positivo, com as principais praças acionárias aparecendo no azul.

Todo esse otimismo no exterior se deve às esperanças renovadas no front da guerra comercial entre EUA e China. Autoridades chinesas disseram esperar que o acordo entre as potências tenha como base o "respeito mútuo", afirmando que o país segue disposto a fechar um acerto preliminar.

Por mais que a assinatura dessa primeira fase do acordo ainda neste mês pareça improvável, há a perspectiva de que, ao menos, a nova rodada de tarifas impostas pelo governo americano às importações chinesas – prevista para começar no meio de dezembro – seja adiada.

A expectativa foi reforçada pela notícia de que a China pretende elevar as punições sobre violações de propriedade intelectual, uma das principais demandas dos EUA nas negociações. Essa informação, assim, dá forças aos ativos globais nesta manhã, provocando um alívio generalizado nas bolsas.

Mas, então, por que o Ibovespa não consegue pegar carona no otimismo global? Bem, é importante ressaltar que o índice brasileiro vem de uma sequência bastante positiva, com altas de mais de 1% em dois dias consecutivos — ao fim da semana passada, o índice acumulou ganhos de 2%.

Assim, por mais que o tom no exterior seja de tranquilidade e otimismo, o recente rali na bolsa brasileira faz com que os ativos domésticos exibam pouco fôlego nesta segunda-feira. No entanto, por mais que o índice não acompanhe os ganhos vistos lá fora, ele também não cede a um movimento mais amplo de realização de lucros.

O dólar à vista fechou em alta de 0,52%, a R$ 4,2145, e atingiu um novo recorde de encerramento. Você pode ler mais sobre a dinâmica do mercado de câmbio e juros nesta segunda-feira clicando aqui.

Altas e baixas

Ações de frigoríficos, mineradoras e siderúrgicas aparecem entre as principais altas do Ibovespa nesta segunda-feira, impulsionadas pelo noticiário referente à China e à perspectiva de aumento nas importações pelo gigante asiático. Por outro lado, os papéis dos bancos e da Petrobras caem e trazem pressão ao índice.

Você pode ver um resumo das principais altas e baixas do Ibovespa nesta matéria. Veja abaixo quais os destaques positivos do índice:

  • JBS ON (JBSS3): +8,66%
  • Marfrig ON (MRFG3): +6,08%
  • BRF ON (BRFS3): +5,63%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +3,74%
  • Cielo ON (CIEL3): +3,59%

E os destaques negativos desta sessão:

  • B3 ON (B3SA3): -3,27%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -2,69%
  • Magazine Luiza ON (MGLU3): -2,22%
  • Itaúsa PN (ITSA4): -1,90%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): -1,45%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies