Menu
2019-10-23T18:03:03-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
R$ 4,03

O Ibovespa subiu e bateu mais um recorde, mas a estrela do dia foi o dólar

O Ibovespa cravou o terceiro recorde seguido, mas mostrou fôlego reduzido para continuar avançando. Já o dólar caiu mais de 1%, chegando ao menor nível desde 21 de agosto

23 de outubro de 2019
10:28 - atualizado às 18:03
Dólar em queda
Imagem: Shutterstock

No futuro, quem procurar pelos registros históricos da sessão desta quarta-feira (23), 13 de outubro de 2019, encontrará uma informação que salta aos olhos: afinal, o Ibovespa fechou o pregão em alta de 0,15%, aos 107.543,59 pontos — o terceiro dia seguido em que o índice quebrou recordes de encerramento.

Mas ainda não estamos no futuro. As novas máximas do Ibovespa são relevantes, sem dúvidas, mas o que realmente chamou a atenção hoje foi o desempenho do dólar à vista: a moeda americana terminou em forte baixa de 1,05% a R$ 4,0328 — a menor cotação desde 21 de agosto.

O comportamento do mercado de câmbio brasileiro chama ainda mais a atenção ao ser comparado com seus pares — isto é, outros países emergentes. O dólar exibiu um certo viés de alta em relação às divisas semelhantes ao real, como o rublo russo, o peso chileno e o rand sul-africano. Apenas o peso mexicano também se fortaleceu.

Uma série de fatores ajuda a explicar essa calmaria nos mercados brasileiros. Em primeiro plano, aparece a reforma da Previdência: após o texto-base da proposta ter sido aprovado ontem em segundo turno pelo plenário do Senado, hoje foi a vez de a Casa concluir a votação dos destaques à pauta.

No entanto, o fator Previdência já não consegue mais dar um impulso tão forte à bolsa brasileira — vale lembrar que, ontem, o índice subiu 1,28%, antecipando-se à aprovação do texto-base pelo Senado. Assim, por mais que o mercado ainda mostre otimismo em relação ao tema, o potencial de ganhos no Ibovespa foi limitado.

Já o dólar ainda encontrou espaço para continuar se despressurizando num ritmo expressivo, já que a moeda é negociada acima dos R$ 4,00 desde 16 de agosto. E outros fatores específicos do mercado de câmbio contribuíram para trazer esse alívio ao dólar.

Operadores afirmam que é grande a expectativa no mercado de câmbio para o leilão da cessão onerosa, previsto para acontecer no início de novembro. E, uma vez que é esperada uma ampla participação de investidores estrangeiros no certame, há uma perspectiva de entrada de fluxo de recursos externos — o que puxa a cotação para baixo.

Além disso, vale lembrar que há três ofertas de ações no radar dos mercados: a C&A e o banco BMG estão às vésperas de seu IPO, enquanto a Log Commcercial Properties fechou o preço de seu follow-on — operações que também têm potencial para atrair investimentos estrangeiros.

Cenário benigno

Com a página da Previdência definitivamente virada, os agentes financeiros mostram-se animados em relação ao avanço de outras pautas econômicas defendidas pelo governo, como as reformas administrativa e fiscal e a progressão do programa de privatizações e desestatizações.

Além disso, também há a perspectiva de cortes de juros por parte do Banco Central (BC) — a autoridade monetária reúne-se na próxima semana para decidir a nova Selic, e o mercado aposta em novos cortes expressivos da taxa.

"Agora que a Previdência passou, o que vai dar o tom [ao Ibovespa] são os balanços e a queda dos juros", diz um operador. "Lá fora, a situação entre EUA e China parece ter estabilizado um pouco, e isso sempre é bom".

Nesse cenário, as curvas de juros fecharam em baixa nesta quarta-feira. Os DIs para janeiro de 2020 — que refletem as apostas do mercado para a Selic ao fim do ano — ficaram inalterados em 4,83%, mas os com vencimento para janeiro de 2021 recuaram de 4,53% para 4,50%.

Na ponta longa, as curvas para janeiro de 2023 foram de 5,52% para 5,46%, e as com vencimento em janeiro de 2025 terminaram em queda de 6,20% para 6,13%.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Recuperação da estatal

Lucro da Petrobras salta 55,7% em 2019 e chega a R$ 40,1 bilhões, impulsionado pela venda de ativos

A Petrobras fechou 2019 com o maior lucro líquido anual de sua história, sustentada pelos fortes desinvestimentos e ganhos de eficiência na extração de petróleo — fatores que compensaram os menores preços da commodity no exterior

De olho no balanço

Marfrig reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019

No acumulado do ano, o lucro líquido caiu para R$ 218 milhões, ante R$ 1,4 bilhão no ano anterior

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements