ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2019-04-05T15:45:57-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados

Ainda não foi dessa vez: Ibovespa perde força no fim do pregão e fecha abaixo dos 100 mil pontos

O principal índice da bolsa brasileira passou boa parte da tarde na faixa dos 100 mil pontos, mas não conseguiu permanecer nesse nível. O dólar comercial ficou praticamente estável

19 de março de 2019
10:28 - atualizado às 15:45
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa atingiu novos recordes nesta terça-feira, mas, assim como ontem, não teve força para encerrar o pregão na faixa dos 100 mil pontos. Após passar boa parte da tarde em alta, o principal índice da bolsa brasileira virou e, por volta de 16h10, passou a operar no campo negativo, de volta ao nível dos 99 mil pontos. Apesar do otimismo do mercado em relação à reforma da Previdência, o tom foi de maior cautela nesta terça-feira, às vésperas das decisões de política monetária do Copom e do Fed.

O Ibovespa fechou em queda de 0,41%, aos 99.588,37 pontos, após chegar aos 100.438,87 pontos na máxima do dia — um novo recorde intradiário. O dólar à vista recuou 0,06%, aos R$ 3,7891. Os DIs com vencimento em janeiro de 2020 fecharam com leve alta, de 6,35% para 6,36%, enquanto as curvas com vencimento em janeiro de 2021 recuaram de 6,921% para 6,9%.

O mercado doméstico segue confiante na aprovação da reforma da Previdência ainda no primeiro semestre, mas segue aguardando as novidades sobre o projeto da previdência militar. Mais cedo, o presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou mais cedo que a reforma da Previdência da categoria deve gerar economia de R$ 13 bilhões aos cofres públicos em 10 anos, mas voltou atrás horas depois e disse que a estimativa estava errada. Há a expectativa de que a proposta dos militares seja encaminhada ao Congresso amanhã.

Lá fora, as atenções estão voltadas à decisão de amanhã do Federal Reserve. O mercado trabalha com a manutenção do juro básico na faixa entre 2,25% e 2,50%, com a possibilidade de a autoridade monetária americana sinalizar amanhã que adotará uma política menos apertada ao longo de 2019.

Para Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe da Indosuez Wealth Management, os fatores locais, como a reforma da Previdência, e externos, com a perspectiva de menos altas de juros pelo Fed neste ano, dão sustentação ao bom momento do Ibovespa. "Mas grande parte desse otimismo já está no preço. É provável que a gente comece a ver resistências maiores a novas altas", diz.

Em meio à expectativa em relação à decisão do Fed, os mercados acionários americanos fecharam sem direção única: o Dow Jones caiu 0,1%, o S&P 500 recuou 0,01% e o Nasdaq teve alta de 0,12%. Na Europa, o dia foi positivo, com o índice pan-europeu Stoxx 600 fechando em alta de 0,57% — as principais bolsas do continente também terminaram a sessão no azul.

Vale e CSN em direções contrárias

Uma reviravolta agitou o setor de mineração e siderurgia na última hora de pregão. Pouco antes das 16h, a Vale informou, em fato relevante, que a Justiça autorizou a retomada das atividades da barragem de Laranjeiras e do complexo minerário de Brucutu.

Tal notícia causou impacto imediato nas ações ON da CSN: os papéis, que passaram boa parte do dia em alta firme, viraram e encerraram em queda de 3,8%. As ações ON da Vale, por sua vez, tiveram alta de 2,85%.

Operadores destacam que as ações da CSN ganharam espaço nos últimos dias, reagindo às estimativas financeiras para 2019 e ao balanço da companhia no quarto trimestre de 2018, considerado forte. Além disso, as recentes notícias desfavoráveis à Vale também ajudaram a dar força à CSN, uma vez que a empresa possui atuação relevante no setor de mineração.

Assim, a autorização para que a Vale retome as operações na barragem de Laranjeiras foi o gatilho para um movimento de realização nos papéis da siderúrgica. Apesar das perdas de hoje, CSN ON ainda acumula alta de 20,41% em março e de 78,17% em 2019.

As demais empresas do setor de siderurgia tiveram um dia positivo, num contexto de alta de 0,3% nos preços do vergalhão de aço na bolsa de Xangai e de promessas do governo chinês para acelerar projetos de construção para estimular o crescimento econômico do país — o que implicaria em aumento da demanda por produtos siderúrgicos. As ações PNA de Usiminas avançaram 5,3% e Gerdau PN teve alta de 2,13%.

Cessão onerosa volta a impulsionar Petrobras

Os papéis da Petrobras também operam em alta firme, apesar do tom levemente negativo do petróleo no exterior — as ações ON da estatal subiram 1,58%, enquanto as PN avançam 1,6%. E isto porque o assunto da cessão onerosa, que andava em segundo plano, voltou ao radar: o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que a revisão do contrato deve resultar num saldo de US$ 9 bilhões a favor da companhia.

Esta também foi a primeira sessão após a indicação de Andrea Marques de Almeida para o cargo de diretora executiva financeira e de Relacionamento com Investidores da estatal.

Bancos têm dia negativo

Mas, apesar de Petrobras e Vale continuarem em alta, as ações do setor bancário caíram em bloco e puxaram o Ibovespa para baixo. Bradesco PN caiu 2,15%, Banco do Brasil ON teve perda de 2,14% e Itaú Unibanco PN recuou 2,33%. Para Ai Santos, gerente da mesa de operações da H. Commcor, as ações dos bancos têm "ficado para trás" no atual momento de otimismo e, embora acumulem desempenho positivo no mês, ainda possuem espaço para subir. Na semana, por exemplo, essas ações acumulam queda e, no mês, têm altas modestas, entre 2% e 4,5%.

Projeções novas, reações opostas

As ações ON de Cosan mantiveram-se em alta desde o início da sessão, fechando o dia com ganho de 1,76%, após a companhia anunciar o guidance para 2019: a empresa prevê a expansão de até 19% do Ebitda em 2019, uma alta entre 11% e 19% sobre o resultado de 2018.

Por outro lado, Rumo ON recuou 4,89% e liderou as baixas do Ibovespa. A empresa também alterou suas projeções financeiras para o ano: agora, a Rumo prevê Ebitda entre R$ 3,85 bilhões e R$ 4,15 bilhões para este ano — a estimativa anterior era de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização na faixa de R$ 3,6 bilhões a R$ 3,9 bilhões.

Em relatório, o Credit Suisse analisou que a Rumo traça um cenário de crescimento para o futuro, o que é positivo. No entanto, as projeções da empresas implicam em investimentos volumosos, muito superiores aos traçados pelo banco.

 

 

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SOBE E DESCE

Entenda por que o dólar ficou abaixo de R$ 5,00 pela primeira vez em meses e se a moeda americana ainda pode cair mais

5 de fevereiro de 2023 - 15:46

O dólar vem demonstrando fraqueza em relação à diversas outras divisas globais e algumas razões explicam esse movimento

RISCOS

Entenda como a atuação mais forte do BNDES pode afetar a eficácia da Selic contra a inflação

5 de fevereiro de 2023 - 12:52

Aloizio Mercadante assume o comando BNDES nesta segunda-feira (6) e já disse que há espaço para reduzir a taxa de juros cobrada pelo banco

NÃO FOI DESTA VEZ

Mega-Sena acumula de novo e prêmio vai a R$ 160 milhões; veja como aumentar suas chances de ganhar

5 de fevereiro de 2023 - 10:43

Mega-Sena está acumulada desde o sorteio da virada, próxima chance de virar um milionário será na quarta-feira (8)

FUTURO PLANEJADO

Quanto investir para garantir uma renda igual ao teto do INSS no Tesouro RendA+, o título do Tesouro Direto para aposentadoria

5 de fevereiro de 2023 - 9:38

Quanto mais tempo você puder esperar para começar a receber a renda, menos precisará investir. Confira duas simulações no Tesouro RendA+

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Copom, dados de atividade e balanços de bancos são destaque na semana

5 de fevereiro de 2023 - 8:11

A ata da última decisão do Copom vai dar novas pistas quanto à trajetória da Selic. Lá fora, a agenda econômica estará mais vazia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies