Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:29:27-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Calor menos intenso

A temperatura baixou um pouco na guerra comercial, trazendo alívio ao Ibovespa

Com os EUA assumindo uma postura menos agressiva nas disputas comerciais com a China, o Ibovespa e os mercados globais se reenergizaram e fecharam em alta firme

13 de agosto de 2019
10:32 - atualizado às 14:29
Cachorro se refrescando
O alento na guerra comercial fez o Ibovespa subir mais de 1%; o dólar baixou a R$ 3,96Imagem: Shutterstock

Os mercados financeiros globais vinham sofrendo com uma súbita onda de calor. Desde o início do mês, os atritos entre Estados Unidos e China voltaram a crescer — e faíscas começaram a sair das negociações entre as duas potências. A chama da guerra comercial foi reacesa.

E, com o clima mais abafado, as principais bolsas do mundo têm mostrado um fôlego menor: o Ibovespa, os índices acionários de Nova York e as praças da Europa assumiram um tom mais cauteloso — afinal, com a temperatura tão elevada, é melhor não fazer esforços enormes para não correr o risco de ter passar mal mais para frente.

Só que, nesta terça-feira (13), os termômetros finalmente baixaram um pouco. O governo americano assumiu uma postura menos agressiva em relação às disputas com a China — e os ventos frescos trouxeram alívio aos mercados globais, que já começavam a dar os primeiros sinais de desidratação em meio ao forte calor.

Logo pela manhã, o Ibovespa e as principais bolsas globais exibiam um tom negativo, ainda preocupados com as incertezas no front da guerra comercial. Mas esse tom durou pouco: a frente fria começou a fazer efeito ainda na primeira hora do pregão, e os mercados acionários se reenergizaram.

O Ibovespa, por exemplo, fechou a sessão em alta de 1,36%, aos 103.299,47 pontos — nos Estados Unidos, o Dow Jones (+1,44%), o S&P 500 (+1,48%) e o Nasdaq (+1,95%) também fecharam o dia com ganhos firmes. Na Europa, as principais bolsas seguiram trajetória semelhante e viraram ao campo positivo.

Por fim, o mercado de câmbio foi outro que respirou aliviado com a queda na temperatura: por aqui, o dólar à vista recuou 0,39%, a R$ 3,9678, após bater os R$ 4,0125 na máxima do dia (+0,73%).

Ventos refrescantes

Os termômetros começaram a cair — e as bolsas, a subir — pouco antes das 11h (horário de Brasília). Neste horário, o Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês) atualizou a postura do país em relação às tarifas de 10% sobre US$ 300 bilhões em importações chinesas a partir de 1º de setembro.

E as novidades agradaram os mercados, já que sinalizaram uma 'trégua' entre Washington e Pequim: a autoridade comercial anunciou a retirada de alguns itens dessa lista. Além disso, alguns produtos — sobretudo eletrônicos e de vestuário — só começarão a ser sobretaxados a partir de 15 de dezembro.

A resposta ao anúncio foi imediata: os papéis de empresas americanas do setor de tecnologia, como Apple e Intel, começaram a subir forte e puxaram os índices de Nova York pra o alto. E, com os mercados acionários americanos ganhando força, as demais bolsas do mundo acabaram pegando carona nesse movimento — incluindo o Ibovespa.

"Tivemos um arrefecimento nas disputas comerciais", pondera Luis Sales, analista da Guide Investimentos, lembrando que, na segunda-feira, o dia foi de perdas fortes para os mercados acionários como um todo, o que abriu espaço para um movimento de recuperação mais intenso nesta terça-feira a partir da sinalização do USTR.

Vale lembrar que, nas últimas semanas, as tensões entre EUA e China voltaram a escalar: primeiro com o anúncio das sobretaxas de 10% às importações chinesas por parte do governo americano, e, depois, com a desvalorização do yuan ante o dólar — movimento que foi visto como uma retaliação de Pequim, já que o yuan mais fraco aumenta a competitividade das exportações do país.

No entanto, o mercado também sabe que o alívio desta terça-feira pode ser apenas momentâneo, uma vez que as negociações entre EUA e China têm passado por sucessivas ondas de calmaria e de turbulência. "É preciso ficar com o pé atrás. O Trump pode tuitar alguma coisa e mexer com tudo outra vez", diz um operador.

Pegando um bronze

Com o sol menos intenso, os agentes financeiros ficaram mais a vontade para assumir riscos no mercado de câmbio. Nos últimos dias, a incerteza em relação às disputas entre EUA e China fez com que as moedas de países emergentes perdessem força em bloco ante o dólar. Mas o alívio global visto nesta manhã disparou um movimento contrário:.

Em meio à percepção de que as disputas estão menos intensas, divisas como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano, o peso colombiano e o dólar neozelandês estão se valorizando em relação ao dólar — e o real vai junto.

Sol argentino

E, falando em calor, a Argentina — país que ostenta o Sol de Maio em sua bandeira — segue enfrentando um clima bastante quente. Por lá, os mercados ainda refletem a incerteza relacionada à chapa encabeçada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner.

Nas prévias das eleições de outubro, os opositores apareceram com larga vantagem em relação ao grupo liderado pelo atual presidente, Mauricio Macri — liderança que já é vista como irreversível pelos analistas políticos. Assim, os agentes financeiros continuam se questionando a respeito das diretrizes econômicas da chapa de oposição.

Um operador pondera, no entanto, que Fernández deve começar a mostrar uma postura mais amigável ao mercado financeiro nos próximos dias, comparando a atual situação da Argentina à do México pós-eleição de Andrés Manuel López Obrador — num primeiro momento, os agentes financeiros reagiram com pânico à vitória do opositor, mas, conforme ele assumiu um tom mais moderado em seu discurso, houve uma acomodação nos mercados.

Nesta terça-feira, o Merval — principal índice acionário da Argentina — fechou em forte alta de mais de 10%, recuperando parte das perdas de cerca de 35% contabilizadas ontem. No mercado de câmbio, o dólar segue avançando em relação ao peso argentino, com ganhos são de 6% hoje.

Juros amenos

Com o alívio visto no dólar à vista, as curvas de juros também passaram por um movimento de acomodação: ficaram estáveis na ponta curta e tiveram leve baixa na longa.

No vértice mais curto, os DIs com vencimento em janeiro de 2021 ficaram inalterados em 6,39%. Na longa, as curvas para janeiro de 2023 recuaram de 6,39% para 6,36%, e as com vencimento em janeiro de 2025 caíram de 6,88% para 6,87%.

Balanços amenos

Voltando ao Ibovespa, a temporada de balanços do segundo trimestre está perto do fim. Cinco empresas que compõem o Ibovespa reportaram seus números trimestrais recentemente e movimentam o índice nesta terça-feira: Eletrobras, Magazine Luiza, Cosan, Yduqs (ex-Estácio) e Rumo.

E, em linhas gerais, os números apresentados por essas companhias não trouxeram grandes elevações na temperatura dos mercados. O destaque ficou com  Magazine Luiza ON (MGLU3), que subiu 3,93% após a empresa reportar um crescimento de 174,7% no lucro líquido na base anual, para R$ 386,6 milhões.

O pior desempenho dentro deste grupo ficou com Cosan ON (CSAN3), que recuou 1,36% mesmo após a companhia reportar lucro líquido de R$ 418,3 milhões no trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 64,3 milhões contabilizado há um ano.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies