Menu
2019-08-13T18:19:51+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados respiram aliviados

Os EUA tiraram o pé do acelerador na guerra comercial e aliviaram as tarifas à China

O Escritório do Representante Comercial dos EUA tirou alguns itens da lista de importações da China que seriam sobretaxadas e adiou a aplicação das tarifas a outros produtos, medida que foi comemorada pelos mercados

13 de agosto de 2019
11:44 - atualizado às 18:19
Guerra comercial EUA China
Imagem: Shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China, que vinha tirando o sono dos mercados financeiros, teve um novo desdobramento nesta terça-feira (13). Só que, desta vez, o noticiário trouxe alívio às negociações globais por sinalizar uma "trégua" entre Washington e Pequim.

Há pouco, o Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês), anunciou novas medidas a serem tomadas em relação às importações de produtos chineses — e, agora, as diretrizes do governo americano são menos agressivas.

Segundo o órgão, "certos produtos" serão removidos da lista de US$ 300 bilhões em importações da China que serão sobretaxadas em 10% a partir de 1º de setembro — o USTR diz que a medida foi tomada com base na "saúde, segurança nacional e outros fatores". Tais mercadorias, contudo, não foram listadas pela instituição.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Além disso, as autoridades americanas também estabeleceram que alguns artigos eletrônicos — como celulares, laptops, video games e monitores — e de vestuário — como calçados e roupas — passarão a sofrer com as tarifas de 10% apenas a partir de 15 de dezembro.

O anúncio trouxe um forte alívio aos mercados globais, que mostrava-se cada vez mais preocupado em relação à escalada nas tensões entre americanos e chineses — e aos eventuais impactos da guerra comercial à economia global.

Essa melhora do humor foi imediata nos mercados acionários globais: nos Estados Unidos, as bolsas de Nova York abriram em queda, mas logo viraram ao campo positivo — o Dow Jones (+1,44%), o S&P 500 (+1,48%) e o Nasdaq (+1,95%) fecharam com altas firmes, puxados pelo bom desempenho das ações do setor de tecnologia.

No Brasil, o Ibovespa passou por trajetória semelhante: o principal índice da bolsa brasileira também abriu em queda, mas terminou o pregão com ganhos de 1,36%, aos 103.299,47 pontos, recuperando parte das perdas da véspera.

Por fim, o dólar à vista recuou 0,39%, a R$ 3,9678, após chegar a bater os R$ 4,0125 na máxima (+0,73%). Confira aqui a cobertura completa dos mercados nesta terça-feira.

O que disse Donald Trump?

Logo após o anúncio do USTR, o presidente americano, Donald Trump, foi ao Twitter e voltou a fazer comentários a respeito das tensões comerciais com a China. O republicano não fez nenhuma menção direta ao alívio sinalizado pelo órgão, mas adotou um tom mais moderado em sua fala:

"Como sempre, a China disse que iria comprar 'muito' dos grandes fazendeiros americanos. Até agora, eles não fizeram o que prometera. Talvez agora seja diferente!", escreveu Trump.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

bombou na semana

MAIS LIDAS: Loucura, loucura, loucura!

De todos os programas criados pelos governos petistas, um dos mais polêmicos sem dúvida é o Bolsa Empresário, como ficou conhecida a política de financiamentos do BNDES a grandes empresas com juros bem camaradas. A estimativa é que os subsídios, ou seja, os recursos públicos usados para tornar esses empréstimos mais baratos, superaram os de […]

dinheiro na conta

Zuckerberg vende US$ 296 milhões em ações do Facebook em um mês

Desde abril, o CEO do Facebook não disponibilizava os papéis que detinha ao mercado; no ano, o bilionário vendeu 2,9 milhões de ações

olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements