Menu
2019-10-14T14:32:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Day after

Após o rali da Previdência, o Ibovespa tirou o pé do acelerador e diminuiu a velocidade

O texto-base da reforma da Previdência recebeu sinal verde no plenário da Câmara. Mas a análise dos destaques trouxe cautela e disparou um movimento de realização de lucros no Ibovespa

11 de julho de 2019
10:34 - atualizado às 14:32
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa cede a um movimento de correção após a aprovação da Previdência no plenário da Câmara - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa vinha de uma sequência de cinco pregões em alta, saltando do nível dos 100 mil pontos e atingindo, na última quarta-feira (10), o patamar inédito dos 105 mil pontos. Os mercados estavam amplamente otimistas quanto ao processo de tramitação da reforma da Previdência — e pisaram fundo, buscando novos recordes.

E, de fato, as apostas dos agentes financeiros mostraram-se certeiras: a proposta foi votada na noite de ontem pelo plenário da Câmara e recebeu sinal verde no primeiro turno. Portanto, a sessão desta quinta-feira (11) seria de comemoração e busca por outras marcas históricas, certo?

Não foi bem assim. Afinal, o processo de votação da reforma ainda não está encerrado, já que ficou para hoje a análise dos destaques — ou seja, os pedidos de mudanças no texto. Assim, as incertezas ligadas a esse processo, somadas à sequência de ganhos na bolsa brasileira, desencadearam um movimento de realização de lucros.

Mas, de certa maneira, esse movimento teve alcance limitado: ao fim do dia, o Ibovespa teve queda de 0,63%, aos 105.146,44 pontos, sustentando o patamar dos 105 mil pontos. Os agentes financeiros não frearam bruscamente — apenas tiraram um pouco o pé do acelerador.

Essa percepção é reforçada pelo comportamento do dólar à vista: a moeda americana não acompanhou a bolsa e passou boa parte da sessão oscilando ao redor da estabilidade, fechando em leve baixa de 0,15%, a R$ 3,7510.

Em linhas gerais, os mercados seguem otimistas em relação às perspectivas para a economia local e à tramitação da reforma da Previdência. Mas, hoje, optaram por promover ajustes pontuais no Ibovespa, considerando que, no ano, o índice acumulava ganhos de quase 20%.

E agora?

Por aqui, os mercados repercutiram o placar tranquilo da votação do texto-base da reforma no plenário da Câmara: ao todo, foram 379 favoráveis e 131 contrários no primeiro turno do pleito — a pauta precisava de 308 votos a favor para ser aprovada. No entanto, com a análise dos destaques ainda em aberto, a sessão foi marcada por um tom de prudência.

Para um operador, a possibilidade de alteração no texto-base trouxe uma ligeira cautela às negociações, uma vez que os destaques podem reduzir a potência fiscal da reforma. Líderes do governo no Congresso estimam que as mudanças podem trazer cortes de até R$ 300 bilhões às economias a serem obtidas com a proposta.

E o fato de os trabalhos não terem sido retomados na Câmara até o encerramento do pregão, às 17h, contribuiu para trazer uma dose extra de precaução, já que, além da potencial desidratação, também está em jogo o cumprimento do cronograma de tramitação da pauta.

Ainda há a expectativa de que a votação em segundo turno no plenário da Câmara ocorra antes do recesso do Congresso, no dia 18. Assim, o prazo é curto — e qualquer sinal de atraso mexe é capaz de trazer apreensão às negociações por aqui, em especial ao Ibovespa, que já estava nas máximas em termos nominais.

"O mercado está comprando bolsa desde janeiro, e agora realiza um pouco. É normal", diz um operador que prefere não ser identificado. Ele pondera, no entanto, que os investidores estrangeiros, que se mantiveram fora do rali até o momento, podem gradativamente começar a voltar à bolsa brasileira a partir de agora, dando força ao índice.

Tranquilidade

No exterior, o dia foi de bastante calmaria: lá fora, os mercados seguiram apostando num movimento coordenado de corte de juros pelas principais economias do mundo, o que sustentou o otimismo dos agentes financeiros.

Ao fim do dia, o Dow Jones subiu 0,85%, aos 27.088,08 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 0,23%, aos 2.999,91 pontos — ambos renovaram suas máximas históricas de fechamento. Já o Nasdaq teve leve queda de 0,08%, aos 8.196,04 pontos.

Os mercados dos EUA se mantiveram em níveis elevados mesmo após a leve alta na inflação do país em junho — o índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em relação a maio. Apesar disso, os agentes financeiros mostram-se confiantes quanto a um corte de juros pelo Federal Reserve (Fed) no curto prazo.

Ontem, o presidente da instituição, Jerome Powell, sinalizou que, desde a reunião de junho, as incertezas provenientes da guerra comercial continuaram a pesar sobre o cenário econômico americano — e o menor crescimento econômico mundial também traz instabilidade ao panorama traçado pela instituição.

Toda essa tranquilidade no exterior também foi refletida pelo mercado de câmbio: o dólar perdeu terreno em escala global, recuando ante as principais moedas do mundo e em relação às divisas de países emergentes e ligados às commodities.

Nesse segundo grupo, estão inclusos o peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano, o peso chileno e o dólar neozelandês — e o real, assim, pegou carona nesse panorama externo, apesar do tom de maior cautela visto no Ibovespa.

Ajustes pontuais

Já as curvas de juros passaram boa parte da sessão operando em alta, mas esse movimento perdeu força perto do encerramento. Ao fim do dia, os DIs curtos ficaram perto da estabilidade, enquanto os longos tiveram leve queda.

Entre as curvas com vencimentos de prazo menos extenso, as para janeiro de 2020 ficaram inalteradas em 5,75%, enquanto as para janeiro de 2021 tiveram leve alta de 5,58% para 5,59%. No vértice mais longo, os DIs para janeiro de 2023 recuaram de 6,31% para 6,30%, e as para janeiro de 2025 tiveram queda de 6,86% para 6,83%.

Bancos pressionados

As ações do setor bancário recuaram em bloco e representaram o maior foco de pressão ao Ibovespa nesta quinta-feira. Os papéis ON do Banco do Brasil (BBAS3) caíram 1,95%, enquanto Bradesco PN (BBDC4) e Bradesco ON (BBDC3) tiveram perdas de 0,85% e 1,14%, respectivamente.

Itaú Unibanco PN (ITUB4) encerrou em queda de 0,13%, enquanto as units do Santander Brasil (SANB11) tiveram baixa de 0,19%. O operador lembra que o texto-base da reforma da Previdência prevê uma elevação na alíquota da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) para os bancos, dos atuais 15% para 20%, fator que afeta negativamente os papéis do setor.

Privatização no horizonte

Na ponta oposta do Ibovespa, destaque para as ações ON da Sabesp (SBSP3), que avançaram 4,67%. O mercado reagiu bem às declarações do governador de São Paulo, João Doria — em entrevista à Bloomberg, ele disse que a privatização ainda é a "melhor opção" para a empresa.

Hora de comprar?

As ações da Petrobras operaram em alta nesta quinta-feira, apesar do tom relativamente estável do petróleo no exterior. Os papéis ON da estatal (PETR3) subiram 1,89%, enquanto os PNs (PETR4) tiveram ganho de 1,18%.

Em relatório, o Goldman Sachs mostrou-se otimista em relação ao futuro da companhia, uma vez que as investigações da Lava Jato começam a ficar para trás. A instituição possui recomendação de compra para as ações da Petrobras e vê potencial de alta de quase 40% para os ativos nos próximos 12 meses.

Eletrobras na dianteira

As ações da Eletrobras terminaram o pregão desta quinta-feira com ganhos expressivos: as ONs (ELET3) subiram 7,36% e as PNBs (ELET6) avançaram 4,83%, liderando a ponta positiva do Ibovespa. Mais cedo, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o governo pretende arrecadar uma quantia próxima a R$ 18 bilhões com a capitalização da estatal.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements