Menu
2019-04-10T18:37:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Fez parte da equipe de análise de ações da Exame Invest Pro. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Dia movimentado

Ibovespa fecha em queda e volta aos 95 mil pontos; dólar recua a R$ 3,82

O Ibovespa fechou no campo negativo pelo segundo dia consecutivo, mas o dólar acompanhou o exterior e registrou forte alívio

10 de abril de 2019
10:23 - atualizado às 18:37
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa mostrou cautela e fechou no nível dos 95 mil pontos - Imagem: Seu Dinheiro

A quarta-feira foi carregada para os mercados financeiros, tanto no Brasil quanto no exterior.

Atualizações no cenário político, novidades no front corporativo, dados de inflação, decisões de política monetária... Teve de tudo um pouco.

E, num dia tão movimentado, os mercados brasileiros não reagiram de maneira uniforme. O Ibovespa, por exemplo, passou por altos e baixos ao longo do pregão, encerrando em queda de 0,35%, aos 95.953,45 pontos — o segundo dia consecutivo de perdas para o índice.

Já o dólar à vista manteve-se em terreno negativo desde o início da sessão e terminou com baixa de 0,78%, a R$ 3,8234. As curvas de juros acompanharam o mercado de câmbio, pegando carona no alívio.

Otimismo cauteloso

Vamos começar pelo noticiário local. Ontem, a reforma da Previdência deu mais um passo: foi feita a leitura do parecer do relator do texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Marcelo Freitas (PSL-MG).

Para Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe da Indosuez Wealth Management, a notícia possui viés positivo, embora o evento de ontem tivesse caráter mais protocolar. "Reforçou a ideia de que o cronograma na CCJ parece relativamente seguro", diz ele — agora, a proposta deve ser votada no colegiado na próxima semana.

Por outro lado, um operador pondera que a leitura do parecer não traz grandes novidades no front político, já que a reforma da Previdência deve enfrentar os maiores obstáculos na etapa seguinte à CCJ, quando o texto será debatido pela Comissão Especial da Câmara. "Faltam coisas novas, e aí o tom é mais de precaução para o Ibovespa".

Além disso, preocupações a respeito do estado da economia brasileira também trouxeram cautela à bolsa. O IPCA em março fechou o mês em 0,75%, vindo de 0,43% em fevereiro — acima do esperado por analistas ouvidos pela “Projeções Broadcast”, que estimavam inflação entre 0,55% e 0,67%, com mediana de 0,63%.

Para Álvaro Frasson, analista da Necton, a surpresa com o IPCA soma-se ao desemprego ainda elevado e às constantes revisões para baixo na expectativa de crescimento do PIB, criando um quadro de preocupação que afeta os ativos de renda variável.

"O Ibovespa é um dos mercados que mais andou na euforia do pós-eleição, e agora ele está mais pesado", comenta Caramaschi. "Mas, de qualquer forma, esse movimento de hoje é muito pequeno e não parece representar nada de mais sério por enquanto".

Em relatório de análise gráfica, o Itaú BBA pondera que o índice apresenta tendência indefinida no curto prazo, ficando "encaixotado" entre 94.100 pontos e 97.600 pontos. Caso perca esse suporte inferior, o banco afirma que o Ibovespa poderá recuar até os 91.000 pontos; caso rompa a resistência superior, tenderá a subir aos 100.500 pontos.

Exterior favorável aos emergentes

Apesar desse tom de cautela em relação ao noticiário local, o mercado de câmbio encontrou espaço para continuar sua trajetória de alívio — e o exterior deu as ferramentas certas para esse movimento ganhar força.

Caramaschi, da Indosuez, destaca que a ata da reunião do Federal Reserve, divulgada às 15h, veio em linha com as expectativas do mercado ao sinalizar a continuidade de uma postura mais "paciente" da autoridade monetária norte-americana, embora essa abordagem possa ser revista de acordo com a evolução da economia do país.

A postura "dovish" do Banco Central Europeu (BCE), afirmando novamente que não irá mexer na taxa básica de juros até o fim do ano, também contribuiu para dar tranquilidade aos mercados externos.

Nesse cenário, as moedas de países emergentes ganharam força em relação ao dólar, caso do peso mexicano, do rand sul-africano, do peso argentino e do rublo russo — e o real acompanhou essa toada, já que a não-elevação de juros nos Estados Unios ajuda a deixar ativos de risco mais atraentes.

Essa queda expressiva no dólar se sobrepôs à surpresa negativa com o IPCA e fez as curvas de juros fecharem o dia em queda: Os DIs para janeiro de 2020 recuaram de 6.49% para 6,465%, e os para janeiro de 2021 caíram de 7,09% para 7,06%. Entre as curvas longas, as para janeiro de 2023 tiveram baixa de 8,25% para 8,16%.

Petrobras e cessão

Em termos corporativos, a grande notícia do dia foi o acordo fechado entre o governo e a Petrobras em torno do contrato de excedente da chamada cessão onerosa. Pelos termos firmados, a estatal receberá um bônus de US$ 9,058 bilhões pelo aditivo de contrato — R$ 33,6 bilhões, pela cotação de aproximadamente R$ 3,72.

Os papéis da estatal chegaram a abrir o dia em alta, mas também perderam força. As ações PN fecharam em queda de 1,3%, enquanto as ON recuaram 0,55%.

"Os valores do acordo ficaram em linha com o que o mercado esperava. Não foi excepcional, mas também não foi ruim", diz um operador, ao comentar sobre a reação pouco intensa das ações da Petrobras desde o início do dia.

Para o gestor de uma asset, o saldo é "relativamente positivo", para a Petrobras, uma vez que a questão da cessão onerosa finalmente foi solucionada, após anos de imbróglio — ele pondera, no entanto, que parte do mercado pode ter se frustrado com a cifra.

"Mas esse movimento de hoje é mais um ajuste de posição depois de um evento relevante", comenta o gestor.

Condenação no Cade

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou a BR Distribuidora e a Ipiranga por terem ajudado postos de combustíveis de Belo Horizonte e cidades de Minas Gerais a formarem cartel.

Como resultado as ações ON da BR Distribuidora recuaram 0,97%. Já os papéis ON da Ultrapar, dona da Ipiranga, subiram 0,64%.

Cemig elevada

As ações PN da Cemig fecharam em alta de 4,26%, liderando os ganhos do Ibovespa nesta quarta-feira. O J.P. Morgan elevou a recomendação para os papéis, de neutro para "overweight" — classificação semelhante a compra.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Benefício com garantia

Paulo Guedes reeditará BEm somente após a aprovação do Orçamento ou da PEC “fura-teto”

“O ministro disse ‘ou um, ou outro, o que sair primeiro a gente faz o BEm'”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da Abrasel

PPI

Decreto de Bolsonaro inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de um projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços

Exile on Wall Street

Bitcoins, IPOs, reestruturações e M&As: coisas para comprar ainda nesta semana

De onde você menos espera é que não vem nada mesmo. É notável a regularidade da incompetência. Ela não surpreende. Está sempre por aí.  Lembro com frequência da famosa frase, já meio clichê, você tem razão, do Kennedy: não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por […]

decolagem interrompida

Apertem os cintos: recuperação da Gol será mais turbulenta que o esperado

Companhia reduz projeções para receita no primeiro trimestre, dizendo que retomada dependerá de ritmo da vacinação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies