🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
A tal cessão onerosa

Presidente da Petrobras diz que empresa está otimista e “vai para ganhar” no leilão de petróleo

No evento marcado para 6 de novembro, a empresa exercerá o seu direito em apenas dois campos: Búzios e Itapu

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
29 de outubro de 2019
16:52
Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras
Imagem: Will Shutter/Câmara dos Deputados

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse nesta terça-feira, 29, que está otimista com o resultado do leilão do excedente da cessão onerosa, previsto para 6 de novembro, mas que o limite de capital fez a empresa exercer o seu direito em apenas dois campos: Búzios e Itapu. O executivo ressaltou que Búzios é o maior dos campos que serão ofertados e que este será o "maior leilão da indústria global".

"Estamos otimistas, vamos para ganhar", comentou Castello Branco, durante palestra em seminário do setor na Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Apesar de estar em plena venda de suas refinarias, o presidente da estatal disse não considerar o refino um bom negócio, já que seu retorno é cinco vezes menor do que a produção de petróleo e gás natural. Afirmou, porém, otimista com o processo de venda em andamento e informou que mais de 20 empresas estão disputando as primeiras quatro unidades que serão vendidas.

Segundo o executivo, o processo de venda dos ativos da Petrobras que não fazem parte do seu core business está sendo bem sucedido. Ele citou que uma operação que mostrou sucesso foi da BR Distribuidora, "que, graças a Deus, já é privada", declarou.

Segundo Castello Branco, com a venda de ativos da estatal e a retomada dos leilões a concorrência no Brasil vai aumentar em por volta de 2025. "A indústria do petróleo vai florescer no País."

O programa de desinvestimentos é importante para reduzir o endividamento. O executivo ressalta que a dívida ainda é três vezes seu fluxo de caixa, o que é considerado alto para uma produtora de commodities.

Produtividade e monopólio

O presidente da Petrobras reforçou sua posição a favor da quebra do monopólio da estatal, principalmente nos segmentos de refino e transporte e distribuição de gás natural. Ele argumenta que o monopólio reduz a produtividade do País. "Monopólio é incompatível com a democracia, isso é coisa de ditadura", afirmou em seu discurso, elogiando os movimentos do atual governo para abrir o setor.

Ele afirmou que a Petrobras quase chegou à falência no passado e não conseguia gerar valor para os seus acionistas justamente por atuar em setores que não fazem parte do seu core business.

A consequência dos investimentos equivocados, segundo Castello Branco, foi uma dívida que em junho era do tamanho da dívida da Argentina. "Nossa dívida era igual à da Argentina (US$ 101 bilhões) em junho, mas nós conseguimos administrar e baixamos para US$ 90 bilhões em setembro", afirmou.

Ele destacou ainda que a atual gestão da Petrobras já conseguiu reduzir o juro da dívida para 6% ao ano, depois de fechar empréstimos com taxas de 5% ao ano.

Argentina

Castello Branco aproveitou a recente eleição presidencial na Argentina para declarar uma preocupação com um possível retrocesso na companhia, que passa no momento por um intenso programa de desinvestimentos para focar na produção de petróleo e gás natural. "Não podemos fazer como Argentina que tirou presidente por não resolver problema e trouxe de volta quem fez o problema", disse, referindo-se à vitória da chapa de oposição encabeçada por Alberto Fernández e Cristina Kichner.

Parque termelétrico

Fora da lista de desinvestimentos da Petrobras, o parque termelétrico da estatal poderá se constituir em uma empresa e abrir o capital em bolsa de valores, informou o presidente da estatal.

A empresa possui uma capacidade instalada de termelétricas da ordem de 6 mil megawatts, sendo um dos maiores geradores de energia elétrica do País.

Segundo o executivo, a Petrobras não está "sendo desmantelada, como muita gente diz por aí", apesar do programa de desinvestimento, "mas sim virando uma outra empresa, mais lucrativa".

"Estamos focando na exploração e produção em águas profundas e vendendo águas rasas e terrestres, porque tem baixíssima produtividade e custo elevado de extração. Vamos vender para outros que fazem melhor do que nós, e beneficia o Estado onde esses campos estão localizados", explicou Castello Branco.

Segundo ele, enquanto o petróleo do pré-sal tem custo em torno de US$ 6 o barril, em águas rasas esses custo é de US$ 32/b, em terra, de US$ 20/b, e no pós-sal, de US$ 12/b.

Novas plataformas

A Petrobras avalia um novo modelo de contratação de plataformas, tanto do ponto de vista financeiro quanto de engenharia. Com isso, espera reduzir riscos e tempo de acesso às unidades, segundo o gerente executivo de Construção e Serviços da estatal, João Henrique Rittershaussen, que participa de palestra na OTC 2019.

Em fevereiro do ano que vem já deve haver uma definição do novo desenho das embarcações. Além disso, do ponto de vista financeiro, avalia construir suas próprias plataformas. Outra opção é o arrendamento mercantil, em que tem a opção de ficar com a unidade ao fim do contrato.

Além disso, quer simplificar a contratação de fornecedores, possivelmente com um número menor de prestadores de serviços e fabricantes de equipamentos.

Ao todo, a Petrobras planeja uma demanda de nove plataformas a partir de 2021 para atender projetos de grande porte, como os campos de pré-sal e o de Marlim, na Bacia de Campos. A projeção é que cada embarcação tenha de 150 mil a 180 mil barris por dia de capacidade de produção de petróleo e de 6 milhões a 7 milhões de m3 por dia de gás.

*Com Estadão Conteúdo.

Compartilhe

Depois do fracasso

Área não arrematada no leilão de petróleo e gás deverá ser apreciada pelo PPI

12 de novembro de 2019 - 17:12

De acordo com o governo, os parâmetros de bônus de assinatura e de lucro-óleo deverão ser revistos para baixo

A estatal nos holofotes

Com o leilão do pré-sal, a Petrobras foi de credora a devedora da União. E isso não é ruim para a empresa

6 de novembro de 2019 - 16:28

A Petrobras arrematou as áreas de Búzios e Itapu do leilão do pré-sal, contraindo uma dívida de mais de R$ 63 bilhões. No entanto, a forte geração de caixa da estatal diminui as preocupações em relação às métricas de endividamento da empresa, e o potencial produtivo dos campos cria perspectivas positivas para o longo prazo

dia importante

Petrobras domina áreas do pré-sal; veja os resultados do megaleilão

6 de novembro de 2019 - 11:41

De quatro campos no leilão, a estatal venceu dois: de Búzios e Itapu; resultado frustrou parte do mercado local, que acreditava numa participação de companhia estrangeiras no certame

de olho no pré sal

Presidente da Pré-sal Petróleo prevê acordo com Petrobras até o final do ano

6 de novembro de 2019 - 11:26

Expectativa é de que pelo menos 70% da oferta seja bem sucedida, um valor de cerca de R$ 70 bilhões. Se todas as áreas forem vendidas, a arrecadação será de R$ 106 bilhões

dia importante

Assinatura de aditivo ao contrato de cessão onerosa é vitória após 4 anos de discussão, diz Petrobras

1 de novembro de 2019 - 13:25

Diretor-geral da ANP afirmou que aditivo permite a realização do leilão do excedente da cessão onerosa, que vai aumentar significativamente a produção de petróleo no Brasil

Evento marcado para novembro

BP e Total ficam de fora do leilão da cessão onerosa e Petrobras mantém apetite

30 de outubro de 2019 - 19:25

Leilão do excedente da cessão onerosa teve ao todo 14 empresas inscritas, grupo que agora será de 12 petroleiras

aparando as arestas

Petrobras e União assinarão aditivo do contrato de cessão onerosa, diz ANP

29 de outubro de 2019 - 14:26

Concluída essa fase, será possível realizar o leilão de áreas excedentes da cessão onerosa, marcado para o próximo dia 6

Uns bilhões a mais

Congresso aprova PLN que abre crédito para União pagar cessão onerosa à Petrobras

23 de outubro de 2019 - 20:09

Relatório da medida tinha sido aprovado na terça pela Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização

Dinheiro na mão

CMO aprova projeto de lei que abre crédito para União pagar cessão onerosa à Petrobras

22 de outubro de 2019 - 16:29

Projeto define em R$ 34,6 bilhões os valores relativos ao pagamento da Petrobras

hora da partilha

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

18 de outubro de 2019 - 6:59

Leilão do excedente de petróleo da chamada cessão onerosa está marcado para 6 de novembro e tem previsão de arrecadar R$ 106,6 bilhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar