Menu
2019-12-15T22:48:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
GREVE DOS CAMINHONEIROS

Segunda terá início com ameaça de paralisação de caminhoneiros

Mas o movimento está dividido em relação a uma nova greve

15 de dezembro de 2019
22:47 - atualizado às 22:48
Greve dos caminhoneiros
Imagem: Douglas Magno/Estadão Conteúdo

A segunda-feira (16) começa com uma nova ameaça de paralisação de caminhoneiros em várias regiões do País. A mobilização, que começou a circular em grupos de WhatsApp nas últimas semanas, é apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logísticas (CNTTL), instituição ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Mas o movimento está dividido em relação a uma nova greve. Ao conversar com o jornal O Estado de S.Paulo, o caminhoneiro Wallace Landim, o “Chorão”, que tem representado os pleitos dos caminhoneiros na interlocução com o governo, falou que a classe está sendo alvo de interesses políticos e que os principais pedidos dos trabalhadores já tem data para ser atendidos.

“Temos uma pauta importante, que já está na mesa e que tem data para ser atendida. Temos de ter muita seriedade em relação ao que está sendo feito. O que estão querendo é usar o transportador como massa de manobra para um movimento político”, falou ao jornal.

De acordo com Chorão, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) se comprometeu a publicar o novo Código Identificador da Operação de Transportes (Ciot), ferramenta que vai ajudar a fiscalizar a punir empresas que tem contratado caminhoneiros com preços abaixo do mínimo estabelecido na tabela do frete na próxima terça-feira (17).

Entre as reivindicações dos caminhoneiros está o reajuste do piso mínimo do frete. Mas, segundo Chorão, o governo se comprometeu a fazer isso em 20 de janeiro do ano que vem. Para ele, a expectativa da classe é que esse aumento fique entre 14% e 18%. Outras negociações estão em andamento ainda para tratar do preço do diesel.

Nas redes sociais, representantes da CUT também têm divulgado vídeos em que negam motivações políticas. “Estão tentando desvirtuar o movimento dos caminhoneiros, com essa história de que se trata de um movimento político. Quem faz isso tenta desmobilizar a classe, é covarde”, afirmou Sandro Cesar, presidente da CUT no Rio de Janeiro, em vídeo distribuído entre os trabalhadores.

“Quero saber se tem alguém, em algum lugar desse Brasil, que está feliz com o preço da gasolina, do gás, do óleo diesel. Se tem alguém feliz com isso, deve ter outros interesses.” 

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Balanço

B3 tem lucro 28,9% maior no 2º trimestre e aumenta investimento para dar conta do volume da bolsa

A dona da bolsa brasileira registrou lucro líquido recorrente de R$ 1,012 bilhão e pretende investir até R$ 425 milhões em sistemas e novos produtos para o mercado

confiança com capitalização

Para presidente da Eletrobras, saída de Mattar não prejudica privatização

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse nesta quinta-feira, 13, que a saída do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, não irá prejudicar a capitalização da empresa prevista para o ano que vem, e que confia que após debates com o Congresso Nacional, o processo seja aprovado

Mercados hoje

Reação de Bolsonaro a truco de Guedes deixa mercado com o pé atrás e bolsa volta a cair

Apesar do mau humor externo, dólar fechou em queda com investidores ajustando posições depois da forte alta de ontem

depois da pandemia

Os planos da Via Varejo: mais mini hubs, vagas home office e parceria com a Globo

Em teleconferência com analistas, CEO da empresa falou sobre as possibilidades de trabalho remoto e comentou as inovações que estão no radar da empresa

reforma tributária

Corrupção se combate com punição e não com CPMF, diz Appy

O economista Bernard Appy criticou a proposta do governo federal de criar um novo imposto sobre transações digitais, visto como “nova CPMF”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements