O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-18T17:09:53-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mercados Hoje

Em pregão instável, Ibovespa luta para se manter no azul com alta das commodities, apesar de exterior negativo

A curva de juros permanece pressionada, com tendência de alta, e o cenário doméstico não ajuda, com risco fiscal no radar

18 de janeiro de 2022
10:18 - atualizado às 17:09
petróleo
Alta do petróleo, com aumento das tensões no Oriente Médio, beneficia ações de petroleiras. Imagem: Shutterstock

O pregão continua instável na bolsa brasileira na tarde desta terça-feira (18). De um lado, a volta do feriado das bolsas americanas pintou Wall Street de vermelho; do outro, a alta das commodities puxa para cima ações de grande peso no Ibovespa.

Com isso, o principal índice da B3 vem alternando altas e baixas desde o início das negociações. O índice luta para se manter em alta, em um dia positivo para as ações ligadas há commodities, e chegou a ultrapassar os 107 mil pontos no início da tarde. Por volta das 17h, o Ibovespa avançava 0,50% aos 106.910 pontos.

O dia é bastante negativo nas bolsas americanas, e o clima piorou na parte da tarde, com o Dow Jones recuando 1,25%, o S&P 500 caindo 1,45%, e o Nasdaq com perda de 2,00%. Já o dólar à vista, que vinha operando perto da estabilidade, se firmou em alta, fechando em alta de 0,61%, a R$ 5,5603.

A alta global da moeda americana e a queda das bolsas de Nova York, que contamina as negociações por aqui, são influenciadas pela forte alta dos juros dos títulos do Tesouro americano na sessão de hoje.

Os investidores seguem se ajustando à expectativa de aperto monetário nos EUA e são também influenciados pelos conflitos no Oriente Médio, que estão impulsionando as cotações do petróleo para cima.

Somando-se às tensões no Cazaquistão, durante a madrugada, um ataque drone de rebeldes do Iêmen ao aeroporto internacional dos Emirados Árabes Unidos provocou incêndios e deixou três mortos. Com isso a cotação do petróleo tipo Brent chegou a bater os US$ 88 o barril, maior nível desde 2014.

Durante boa parte do dia, a alta do petróleo contribuiu para dar alguma tração à bolsa brasileira, impulsionando as ações de petroleiras. Porém, na parte da tarde, as ações da Petrobras passaram a cair, o que tirou fôlego do Ibovespa.

As ações de mineradoras, metalúrgicas e siderúrgicas, porém, ainda são beneficiadas pela alta no minério de ferro, que fechou com valorização de 1,59%, a US$ 127,65 no porto do Qingdao, na China.

A alta nos juros futuros americanos também levou as bolsas europeias a fecharem em queda, além de pesar sobre as ações de tecnologia (inclusive por aqui) e os juros futuros locais. Estes também foram influenciados pelo risco fiscal, devido às pressões dos servidores públicos federais por reajustes de salário.

Veja o fechamento dos principais vencimentos:

  • Janeiro/23: alta de 12,027% para 12,085%;
  • Janeiro/25: alta de 11,413% para 11,47%;
  • Janeiro/27: alta de 11,412% para 11,45%.

Paralisação dos servidores

Ao menos 40 categorias do funcionalismo público federal aderiram à suspensão das atividades por algumas horas nesta terça-feira, incluindo servidores do Banco Central, Receita Federal, Tesouro Nacional, professores, e entidades ligadas ao Legislativo e Judiciário.

A adesão já paralisou as operações do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) e de fiscalização aduaneira, o que pode gerar problemas na cadeia de abastecimento.

Além de hoje, os servidores já marcaram atos para os dias 25 e 26, terça e quarta-feira da semana que vem, respectivamente.

O Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), que representa 37 categorias do funcionalismo público federal, protocolou hoje um pedido de reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para levar os pleitos das entidades ao Executivo.

E os auditores do Tesouro Nacional analisam fazer um movimento semelhante ao da Receita Federal e falam em entregar os cargos de gerência se o Executivo não conceder reajuste à categoria

Reajuste na ponta do lápis

O presidente da República, Jair Bolsonaro, pretende abrir um espaço de R$ 1,7 bilhão no Orçamento de 2022 destinado apenas ao aumento de salário dos policiais federais. Por outro lado, outros setores do funcionalismo estão sem reajuste desde 2017 e exigem compensação pelas perdas inflacionárias.

Os funcionários do Fisco pedem reajuste de 19,9% para repor a inflação dos últimos anos de governo. Contudo, de acordo com cálculos do diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão do Senado Federal, cada 1% de reajuste linear para servidores impacta os cofres públicos em R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões.

Orçamento em xeque

Ainda existe um rombo de cerca de R$ 9 bilhões no Orçamento de 2022, nas contas do ministério da Economia. Desse total, o governo deve conseguir recompor apenas R$ 3,8 bilhões. 

Desse montante, devem ser cortadas as chamadas emendas parlamentares setoriais de comissão, conhecidas como RP8. Já as RP9, as emendas de relator, base do Orçamento secreto, devem permanecer intocadas.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies