Menu
2020-02-27T17:43:16-03:00
Cartas sobre a mesa

Petrobras e FUP negociam no TST empregos da fábrica de fertilizantes do PR

Estatal anunciou o fechamento da Ansa no dia 14 de janeiro e o início das demissões a partir do dia 14 deste mês

27 de fevereiro de 2020
17:43
Sede da Petrobras
Sede da Petrobras - Imagem: Shutterstock

Representantes da Petrobras e da Federação Única dos Petroleiros (FUP) estão reunidos com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, em Brasília, para negociar o futuro dos empregados da Araucária Nitrogenados (Ansa), no Paraná. O Sindiquímica-PR também participa da reunião.

A estatal anunciou o fechamento da Ansa no dia 14 de janeiro e o início das demissões a partir do dia 14 deste mês.

A empresa informa o desligamento de 396 funcionários. A FUP fala em mais 600 empregados indiretos, o que totaliza 1 mil desempregados com o encerramento da fábrica de fertilizantes.

A proposta do sindicato é que eles sejam transferidos para outras unidades da Petrobras. "Nada justifica as demissões de empregados de uma empresa 100% Petrobras quando a falta de efetivo, muitas vezes denunciada pela FUP nas reuniões das comissões, tem colocado vidas em risco nas unidades operacionais diariamente", afirmou a federação em nota divulgada em sua página na internet.

A Petrobras argumenta que não é possível incorporar os empregados da Ansa porque não são concursados.

A reunião desta quinta é a segunda intermediada pelo ministro Gandra e diz respeito especificamente à Ansa.

Outra aconteceu na última sexta-feira, 21, durante a qual a estatal e sindicalistas chegaram a um consenso sobre alguns pontos do acordo coletivo e consequências para os funcionários e sindicatos pelos 20 dias de greve deste mês.

A FUP diz que a paralisação está suspensa, mas não foi cancelada. "Ainda há muito o que ser feito pela garantia dos empregos dos petroleiros da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR), que estão com as demissões suspensas até o dia 6 de março", afirmou.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements