🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

O inimigo do inimigo do inimigo

Jair Bolsonaro passa boa parte de seu tempo escrevendo bobagens e se interessando por assuntos que não têm a menor relevância neste momento. Isso quando não está escutando as idiotices do Rasputin da Virgínia

22 de abril de 2019
12:00
Precatórios
Congresso Nacional em Brasília - Imagem: Shutterstock

No início dos anos 1990, eu morava num apartamento de quatro quartos na orla da Barra da Tijuca. Era espetacular. Só que não me pertencia. Pagava aluguel. Preferia ter dinheiro líquido, em dólares, para poder especular nos mercados futuros de Chicago e Nova York.

Quando decidi largar o mercado para ser escritor, minha primeira providência foi comprar um apartamento de dois quartos, num ponto da Barra muito menos valorizado. Sendo de apenas dois quartos, tive de instalar meu escritório no quarto de empregada (pois nossa cozinheira vai pra casa todo dia às três da tarde), um cubículo de menos de quatro metros quadrados, ao qual dou o nome de sarcófago. Não tem janelas, eu fecho a porta para que o barulho da cozinha não atrapalhe meu raciocínio.

Felizmente o ar-condicionado me mantém a 19 graus, isso em pleno verão carioca.

Foi nessa "cela" que escrevi meus 18 livros, as séries Carga Pesada e Linha Direta, meus artigos para a Resenha BM&F e esta coluna.

Como minha filha se mudou em 2007 para a Inglaterra, eu poderia ter montado o escritório no quarto dela. Mas me viciei no sarcófago.

Hoje, sexta-feira dos feriados da Páscoa, escrevo na amplitude da fazenda de um amigo, em Minas. Estou sentado num canto da sala principal. Para cada janela que dirijo meu olhar, vejo árvores frondosas. Bandos de maritacas passam voando e fazendo uma algazarra, colírio para os olhos e música para os ouvidos.

Uma realidade diferente

Só que, para falar do assunto deste texto, tenho de abrir um zoom e me situar numa realidade diferente, um Brasil que patina sem sair do lugar, país que tem quatro poderes (suspense para o quarto, que virá ao final deste artigo). E nenhum deles se entende.

Comecemos pelo primeiro, o Executivo, que deveria ser o mais forte, mas não é. Por culpa e sabotagem dos outros dois, cujos integrantes, em sua grande maioria, só cuidam de seus interesses pessoais, uma espécie de vendilhões do templo.

Em vez de tentar com mais ímpeto um já difícil entendimento, Jair Bolsonaro passa boa parte de seu tempo escrevendo bobagens e se interessando por assuntos que não têm a menor relevância neste momento, como o direito de cada cidadão de bem (quem define isso?) possuir quatro armas. Isso quando não está escutando as idiotices do Rasputin da Virgínia.

Deslizes

Apesar desses deslizes, o capitão-presidente é a favor da livre iniciativa e do enxugamento do Estado e isso é ótimo.

Se atravessarmos a Praça dos Três Poderes, vamos chegar às duas cuias do Congresso Nacional. Lá, o suposto partido do governo vota contra o Executivo, sempre que sente a possibilidade de perder uma disputa. Só para que possam bravatear: “Ganhamos!”.

A uma séria e brilhante exposição de motivos do ministro Paulo Guedes, sobre a imperiosa necessidade da Reforma da Previdência, alguns parlamentares da Comissão de Constituição e Justiça – mesmo os suplentes que não deveriam estar lá junto aos titulares –, respondem com atitude infantis. Se são suplentes, são substitutos, caramba. Banco de reserva. É como se um time de futebol entrasse em campo com 22 jogadores.

Vamos continuar girando pela Praça. Chegamos ao Supremo, reduto, diz a Constituição, de homens de notável saber jurídico e reputação ilibada. Ali a turma – ou seria a turba? –, com as exceções de praxe, se transformou em uma trupe mambembe de astros de quinta categoria.

Novo Brasil

Esse é o Brasil de abril de 2019.

Apesar dos pesares, que não são poucos, não vemos multidões, nem multidinhas, protestando nas ruas contra a PEC previdenciária nem contra as privatizações. Só isso é um enorme avanço, em minha opinião.

No Partido dos Trabalhadores, só restou uma bandeira: “Lula Livre”.

No início falei de um quarto poder. Esse é grande. Elegeu Jair Bolsonaro e fez Alexandre de Moraes e Dias Toffoli correrem da raia com o rabo entre as pernas.

Essa massa de internautas pode levar o Brasil para a era da verdadeira modernidade.

"Todo poder emana do povo", diz o artigo 1º da Constituição. É a ele que os inimigos dos inimigos dos inimigos têm de obedecer, sob pena de serem condenados à execração pública.

Compartilhe

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas estrangeiras iniciam semana no azul, mas ruídos políticos locais seguem causando interferência

18 de julho de 2022 - 6:32

Bolsas sobem lá fora com expectativa de bons resultados trimestrais; no Brasil, partidos se preparam para convenções

VITÓRIA PARA O GOVERNO

Câmara aprova ‘PEC Kamikaze’ em 2º turno após manobras de Lira e uma visita da Polícia Federal; veja os próximos passos da proposta

13 de julho de 2022 - 19:07

O deputado prometeu que quem faltasse na votação ganharia uma falta administrativa e lançou mão de outras manobras para garantir o quórum

LDO 2023

Caiu e passou: Congresso aprova Lei das Diretrizes Orçamentárias sem emendas impositivas de relator; texto vai à sanção presidencial

12 de julho de 2022 - 17:28

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) retirou do texto a execução obrigatória das emendas de relator, identificadas como RP 9

ACERTO DE CONTAS

Com teto do ICMS em 17% sobre energia e combustíveis, Câmara propõe compensar arrecadação dos estados; entenda se será suficiente

25 de maio de 2022 - 7:21

A proposta acontece em meio a embates do governo federal contra os estados pela arrecadação do ICMS

Privatização à vista?

Novo ministro de Minas e Energia quer privatizar a Petrobras (PETR4), mas presidente do Senado afirma que as negociações não estão na mesa

12 de maio de 2022 - 14:06

Pacheco avaliou que a desestatização da empresa não é uma solução de curto prazo para o problema da alta dos combustíveis

FOCO NO CENTRO

Com Lula ou Bolsonaro na Presidência, o próximo Congresso será de centro-direita e reformista, diz Arthur Lira

10 de maio de 2022 - 15:04

Em evento em Nova York, presidente da Câmara volta a defender a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e as reformas no país

ATÉ 2023

Alívio no bolso vem aí? Conheça a PEC que pode zerar impostos sobre combustíveis e gás

3 de fevereiro de 2022 - 20:42

A matéria dispensa o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que exige que o governo compense a perda de arrecadação ao cortar impostos com a elevação de outros

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

22 de janeiro de 2022 - 14:45

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

22 de janeiro de 2022 - 10:58

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

DE OLHO NAS DÍVIDAS JUDICIAIS

Além do furo no teto: como a PEC dos precatórios afeta os credores, mas abre uma grande oportunidade de investimento

20 de janeiro de 2022 - 7:03

Com a regra fiscal ameaçada, o motivo inicial para a criação da emenda acabou sendo relegado a segundo plano, mas seus desdobramentos podem beneficiar os investimentos alternativos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar