Menu
2019-02-21T15:24:13-03:00
Estadão Conteúdo
Pisando em ovos

Bolsonaro adia reunião com líderes de sua possível base aliada para amenizar insatisfações com o governo

Avaliação é de que o governo precisa ganhar tempo para apaziguar os ânimos e não perder a chance de ter uma aproximação mais efetiva com os parlamentares

21 de fevereiro de 2019
15:23 - atualizado às 15:24
Presidente da República, Jair Bolsonaro, fala com a imprensa sobre rompimento de barragem da Vale em Brumadinho
Encontro com líderes foi adiado para a próxima terça-feira pela manhã - Imagem: Isac Nóbrega/PR/Fotos Públicas

Com a ainda latente insatisfação entre governistas e a possibilidade de ter um quórum esvaziado, o Palácio do Planalto adiou uma reunião que o presidente Jair Bolsonaro realizaria na manhã desta quinta-feira, 21, com líderes de partidos que devem compor a base aliada na Câmara. A avaliação feita pelo governo é de que é preciso ganhar tempo para apaziguar os ânimos de modo a não desperdiçar a chance de ter uma aproximação mais efetiva do presidente com a sua possível rede de apoio.

O encontro será realizado na próxima terça-feira, 26, pela manhã. Bolsonaro pretende conversar com os parlamentares sobre a proposta de reforma da Previdência. A ideia é que o próprio presidente explique pontos da matéria e tire dúvidas. Ele deve, no entanto, ouvir críticas e reclamações sobre a condução da articulação do seu governo com o Congresso.

Foram convidados os partidos que o governo acredita que estarão em sua base de apoio. Já da oposição, foram chamados apenas o PSB e o PDT. Os líderes do PT, PCdoB, PSOL, Rede e PPL não foram convidados.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO) afirmou ao Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) que a decisão de adiar o encontro foi tomada porque o texto da reforma da Previdência foi apresentado oficialmente ao Congresso nesta quarta, 20, e seria melhor dar tempo aos parlamentares se aprofundarem na questão.

"Estivemos na quarta com os líderes quando o presidente foi levar a PEC da previdência. Já foi um movimento importante. Achamos melhor, então, dar um tempo maior para a leitura e estudo da proposta por parte dos líderes, para aproveitar a oportunidade da semana que vem e falar sobre a nova Previdência na reunião", disse o parlamentar.

Para ele, o encontro mostrará ao Congresso que o governo quer "prestigiar as lideranças partidárias" e que "estará aberto para negociações" porque sabe que o projeto será modificado pelo Congresso.

Um outro motivo que levou ao adiamento da reunião foi a possível falta de alguns líderes ao encontro. À reportagem, deputados afirmaram que não compareceriam porque já tinham outros compromissos marcados em seus estados. Agora, o Planalto tem reforçado o convite.

O governo pretende formar uma base aliada que chegue a 350 deputados. O número é considerado como fundamental para garantir a aprovação da reforma da Previdência na Câmara. Por se tratar de uma emenda à Constituição, é necessário ter o voto de 308 parlamentares para aprovar o texto. A expectativa é de que ele tenha sua tramitação concluída na Câmara até o fim do primeiro semestre. Depois, seguirá para análise do Senado.

Os encontros de Bolsanaro com lideranças partidárias começaram a ser articuladas na semana passada como uma forma de aproximar o governo do parlamento. Na quarta, o presidente se reuniu com a bancada do PSL no Palácio do Planalto. O objetivo é que eles sejam os primeiros a fazer uma defesa enfática do texto que foi enviado pelo governo ao Congresso no mesmo dia.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies