Menu
2019-11-18T15:21:36-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

18 de novembro de 2019
15:21
Masayoshi Son, fundador do SoftBank
Masayoshi Son, fundador do SoftBank - Imagem: Shutterstock

Depois de investir em uma série de startups ao redor do mundo, o fundador do grupo japonês Softbank Group Corp., Masayoshi Son, está de olho em criar uma companhia japonesa capaz de competir com gigantes da tecnologia como Google, Amazon e Facebook.

Segundo informações divulgadas hoje (18) por meio de fato relevante, o grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Ela é líder no serviço de mensagens por aplicativo no Japão, com mais de 82 milhões de usuários e está avaliada em mais de US$ 11,52 bilhões na Nasdaq, o que seria equivalente a mais de R$ 42,18 bilhões.

De acordo com o que foi divulgado, a Yahoo Japan e a Line Corp estão considerando uma oferta aos acionistas minoritários da Line de 5.200 ienes, o que seria equivalente a US$ 47,78, por ação. A esse preço, cada empresa gastaria mais de US$ 1,5 bilhão na transação.

O acordo ainda precisa ser aprovado pelos acionistas e pelo governo, que pode barrar a fusão de duas das maiores empresas de internet do país. Mas, se tudo certo, a expectativa das companhias é que o contrato seja fechado até outubro de 2020.

Com isso, as duas companhias podem criar mais um "super app", que funciona como uma plataforma capaz de reunir em um só lugar lojas de vários segmentos e as mais variadas opções de serviços que o cliente possa precisar ao longo do seu dia. Entre os exemplos de sucesso há o da Rappi, que está seguindo os passos da gigante Meituan Dianping, que é líder nesse segmento na China.

Expansão na Ásia

Ao adicionar a Line ao seu portfólio, o SoftBank teria acesso aos usuários do serviço de mensagens no Japão e a dezenas de milhões em outras partes da Ásia, como Tailândia, Taiwan e Indonésia. Tal estratégia poderia ajudar o grupo a ser mais competitivo no continente asiático e a diminuir a distância que possui em relação a gigantes do setor de tecnologia dos Estados Unidos e da China.

A ideia seria permitir que as empresas mesclassem os seus serviços para criar um super aplicativo que poderia servir como porta de entrada para as duas companhias oferecem. Tal fusão poderia ajudar, por exemplo, o Softbank a se consolidar como um importante player no setor de pagamentos digitais do Japão, ao combinar a sua empresa PayPay com os serviços da Line Pay.

Isso sem contar que poderia ajudar o Yahoo Japão. Ele já foi o principal mecanismo de pesquisa e player de comércio eletrônico do país, mas perdeu terreno à medida que os usuários migraram para smartphones. Por conta disso, hoje o Yahoo Japan conta com cerca de 48 milhões de usuários ativos diários e está presente em mais de 100 aplicativos para celulares.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BOA NOTÍCIA

Saúde assina intenção de compra de vacinas da Pfizer e da Janssen

Governo quer comprar sem licitação 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer e de 38 milhões da vacina da Janssen

Esquenta dos Mercados

Pregão de hoje deve ser influenciado pelo 2º turno da PEC emergencial e compra de vacinas

O exterior desfavorável pode não contribuir para a felicidade dos investidores brasileiros, que tem pouco noticiário para sorrir

ilegal

Suspeita de insider da Petrobras já estava no radar da B3

Transações com papéis da empresa com aparência de uso de informação privilegiada deram a um investidor lucro de R$ 18 milhões

Caixa vai seguir adiante com venda de ações ordinárias do Banco Pan

Banco Pan protocola pedido de registro de oferta pública de distribuição secundária das ações detidas pela CaixaPar

debandada

Mais um conselheiro pede para deixar a Petrobras

Leonardo Antonelli é o quinto membro do colegiado a solicitar para que não seja reconduzido como indicado pela União, acionista controlador da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies